As provocações de Marcelo Tas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Um perfeito gentleman
Um perfeito gentleman

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/05/2019 às 22:44:00

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
Marcelo Tas é um 
profissional cora-
joso. À frente do programa Provocações, ele teve de enfrentar a hostilidade da audiência cativa do saudoso Antonio Abujamra - apresentador de personalidade forte, que conferiu uma marca personalíssima ao show da TV Cultura. Para surpresa de muitos, contudo, o jornalista da cabeça calva dá conta do recado.
O programa exibido esta semana, a disposição dos curiosos no Youtube, teve como convidada a deputada Janaina Paschoal (PSL), autora do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Tinha tudo para ser uma conversa pontuada por meias palavras e silêncios constrangidos. E, no entanto, mesmo sem evitar as questões mais espinhosas na ainda breve trajetória da parlamentar, a entrevista fluiu como um rio.
Aparentemente, a maior provocação de Marcelo Tas consiste em confrontar qualquer impressão prévia sobre os seus convidados. O perfil dos entrevistados até agora fala por si mesmo: Janaina Paschoal, Danilo Gentili e Ciro Gomes, figuras públicas sem papas na língua, controversas, capazes de mover paixões, sobre quem pesam juízos de valor os mais inflamados. 
Neste particular, aliás, Tas se comporta como um perfeito gentleman. Quem mais, na televisão brasileira, teria tato suficiente para tacar o play no vídeo da Janaína metaleira sem provocar desconforto na criatura por trás da obra? Jô Soares, talvez? Mais alguém? Eu acho que não. Ante a dúvida, percebe-se a falta que o sergipano Fernando Faro faz. 
O programa Provocações mudou, não é mais o mesmo. Já não dispõe, por exemplo, dos rasgões líricos abertos pelo ingualável Abujamra, um declamador excepcional. Em que pesem as comparações inevitáveis, entretanto, as transformações e o novo formato, continua figurando entre os raros bons produtos da televisão aberta realizados no tempo presente.

Marcelo Tas é um  profissional cora- joso. À frente do programa Provocações, ele teve de enfrentar a hostilidade da audiência cativa do saudoso Antonio Abujamra - apresentador de personalidade forte, que conferiu uma marca personalíssima ao show da TV Cultura. Para surpresa de muitos, contudo, o jornalista da cabeça calva dá conta do recado.
O programa exibido esta semana, a disposição dos curiosos no Youtube, teve como convidada a deputada Janaina Paschoal (PSL), autora do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Tinha tudo para ser uma conversa pontuada por meias palavras e silêncios constrangidos. E, no entanto, mesmo sem evitar as questões mais espinhosas na ainda breve trajetória da parlamentar, a entrevista fluiu como um rio.
Aparentemente, a maior provocação de Marcelo Tas consiste em confrontar qualquer impressão prévia sobre os seus convidados. O perfil dos entrevistados até agora fala por si mesmo: Janaina Paschoal, Danilo Gentili e Ciro Gomes, figuras públicas sem papas na língua, controversas, capazes de mover paixões, sobre quem pesam juízos de valor os mais inflamados. 
Neste particular, aliás, Tas se comporta como um perfeito gentleman. Quem mais, na televisão brasileira, teria tato suficiente para tacar o play no vídeo da Janaína metaleira sem provocar desconforto na criatura por trás da obra? Jô Soares, talvez? Mais alguém? Eu acho que não. Ante a dúvida, percebe-se a falta que o sergipano Fernando Faro faz. 
O programa Provocações mudou, não é mais o mesmo. Já não dispõe, por exemplo, dos rasgões líricos abertos pelo ingualável Abujamra, um declamador excepcional. Em que pesem as comparações inevitáveis, entretanto, as transformações e o novo formato, continua figurando entre os raros bons produtos da televisão aberta realizados no tempo presente.