Cenipa divulga laudo sobre o acidente de avião que matou duas pessoas no Bugio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Relatório do Cenipa mostra que piloto que morreu no Bugio não tinha experiência
Relatório do Cenipa mostra que piloto que morreu no Bugio não tinha experiência

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 28/05/2019 às 22:59:00

 

Milton Alves Júnior
Menos de 24 horas 
após a queda do 
monomotor que matou o cantor Gabriel Diniz, o piloto Gabriel Abraão Farias e o co-piloto Linaldo Xavier Rodrigues, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) apresentou um laudo técnico relatando as causas de outra tragédia envolvendo acidente aéreo em Sergipe. Trata-se da queda de um ultraleve nas imediações do conjunto Bugio, na zona Oeste de Aracaju, em dezembro de 2018, quando o piloto Israel Fernandes Graça, 56 anos, morreu carbonizado. Segundo a perícia, a queda foi motivada por imperícia do piloto e a realização de manobras sem autorização.
Com o impacto o fogo logo atingiu mais de 90% dos componentes da aeronave, com exceção apenas das asas, que se desprenderam da estrutura do avião após o impacto contra o solo. Inicialmente o incêndio foi combatido por populares que tentaram resgatar o tripulante e buscavam evitar que as chamas atingissem as demais residências. Apesar dos esforços, não foi possível resgatar o Certificado de Autorização de Voo Experimental (Cave) e o Certificado de Marcas Experimental (CME) da aeronave - diferentemente do que ocorreu com a aeronave que transportava Gabriel Diniz. Outras causas também podem ter contribuído para o acidente.
O laudo enalteceu que o Cenipa não descarta falha mecânica ou de montagem do ultraleve, uma vez que o operador, sem auxílio de terceiros e sem qualquer supervisão, providenciou a montagem do equipamento. O grau de destruição e de carbonização da aeronave impediu a realização de testes que identificariam eventual contribuição destes aspectos para o acidente. A aeronave era de Israel Fernandes Graça e a manutenção costumava ser realizada pelo próprio piloto que possuía o Certificado de Piloto de Recreio (CPR) e estava com a habilitação relativa às atividades Aerodesportiva e Experimental Trike (ULTK) válida.
Paralelo às investigações realizadas pelo Cenipa, a direção da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), informou que o piloto possuía um total de 67 horas e cinco minutos de voo, sendo cinco horas e 35 minutos no equipamento envolvido no acidente. O acidente ocorreu minutos após a aeronave ter decolado do aeroclube, localizado no Bairro Santos Dumont. "Tais ações demonstraram que não houve, por parte do piloto, uma análise apropriada em relação ao voo e à sua capacidade de gerenciá-lo, à medida que se expôs deliberadamente a condições inseguras", informou o relatório.

Milton Alves Júnior

Menos de 24 horas  após a queda do  monomotor que matou o cantor Gabriel Diniz, o piloto Gabriel Abraão Farias e o co-piloto Linaldo Xavier Rodrigues, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) apresentou um laudo técnico relatando as causas de outra tragédia envolvendo acidente aéreo em Sergipe. Trata-se da queda de um ultraleve nas imediações do conjunto Bugio, na zona Oeste de Aracaju, em dezembro de 2018, quando o piloto Israel Fernandes Graça, 56 anos, morreu carbonizado. Segundo a perícia, a queda foi motivada por imperícia do piloto e a realização de manobras sem autorização.
Com o impacto o fogo logo atingiu mais de 90% dos componentes da aeronave, com exceção apenas das asas, que se desprenderam da estrutura do avião após o impacto contra o solo. Inicialmente o incêndio foi combatido por populares que tentaram resgatar o tripulante e buscavam evitar que as chamas atingissem as demais residências. Apesar dos esforços, não foi possível resgatar o Certificado de Autorização de Voo Experimental (Cave) e o Certificado de Marcas Experimental (CME) da aeronave - diferentemente do que ocorreu com a aeronave que transportava Gabriel Diniz. Outras causas também podem ter contribuído para o acidente.
O laudo enalteceu que o Cenipa não descarta falha mecânica ou de montagem do ultraleve, uma vez que o operador, sem auxílio de terceiros e sem qualquer supervisão, providenciou a montagem do equipamento. O grau de destruição e de carbonização da aeronave impediu a realização de testes que identificariam eventual contribuição destes aspectos para o acidente. A aeronave era de Israel Fernandes Graça e a manutenção costumava ser realizada pelo próprio piloto que possuía o Certificado de Piloto de Recreio (CPR) e estava com a habilitação relativa às atividades Aerodesportiva e Experimental Trike (ULTK) válida.
Paralelo às investigações realizadas pelo Cenipa, a direção da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), informou que o piloto possuía um total de 67 horas e cinco minutos de voo, sendo cinco horas e 35 minutos no equipamento envolvido no acidente. O acidente ocorreu minutos após a aeronave ter decolado do aeroclube, localizado no Bairro Santos Dumont. "Tais ações demonstraram que não houve, por parte do piloto, uma análise apropriada em relação ao voo e à sua capacidade de gerenciá-lo, à medida que se expôs deliberadamente a condições inseguras", informou o relatório.