Aulas em escola estadual são reiniciadas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/05/2019 às 10:34:00

 

Depois de sete dias com todas as atividades suspensas, na manhã de ontem o Centro de Excelência Professora Maria Ivanda de Carvalho Nascimento reiniciou as aulas conforme previsto pela Secretaria de Estado da Educação (Seed). A anulação das aulas se fez necessário após 18 pessoas - 16 estudantes e dois funcionários, terem passado mal e encaminhados a postos de saúde depois de consumirem água com registro elevado de coliformes totais. Esses coliformes tratam-se de bactérias gram-negativas, que podem ou não necessitar de Oxigênio - Aeróbias ou Anaeróbias, que não formam esporos, e são associadas à decomposição de matéria orgânica em geral.
Uma perícia técnica apresentada na semana passada pela direção da Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado da Saúde (SES) mostrou que uma infiltração externa no reservatório subterrâneo do Centro de Excelência surgiu como principal motivo para a infecção intestinal. Com o resultado oficializado, a fim de evitar a recorrência do dano, a unidade escolar necessitou minimizar o fluxo de pessoas para que os reservatórios de água fossem devidamente impermeabilizados. Paralelo ao retorno dos estudantes os quais frequentam a escola em período integral, fiscais também voltaram ao centro para realizar novas pesquisas. Uma medida que busca identificar possíveis problemas ainda causados pela fragmentação estrutural da rede.
Paralelo ao acompanhamento de técnicos e gestores das secretarias de estado da Saúde e Educação, o laudo estudado pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Estado de Sergipe (Lacen), recebeu o monitoramento de fiscais da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso). A união das pastas possui como proposta central minimizar os riscos de reincidência dos fatos. De acordo com o Governo de Sergipe, para manter essa linha de garantia à boa saúde dos alunos e funcionários da instituição, a Secretaria da Educação permanece fornecendo garrafões de água mineral. Não foi informado até quando essa oferta permanecerá em vigor.
Edna dos Santos - mãe de alunos que na semana passada já havia conversado com o JORNAL DO DIA, declarou: "a gente na realidade espera que a saúde de todos seja levada em consideração como prioridade. Se vão passar uma semana, duas, um mês ou um ano entregando garrafões a gente não quer saber. Queremos apenas que nossos filhos não tenham mais uma vez sair carregado por uma ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) até um posto de saúde ou hospital." (Milton Alves Júnior)

Depois de sete dias com todas as atividades suspensas, na manhã de ontem o Centro de Excelência Professora Maria Ivanda de Carvalho Nascimento reiniciou as aulas conforme previsto pela Secretaria de Estado da Educação (Seed). A anulação das aulas se fez necessário após 18 pessoas - 16 estudantes e dois funcionários, terem passado mal e encaminhados a postos de saúde depois de consumirem água com registro elevado de coliformes totais. Esses coliformes tratam-se de bactérias gram-negativas, que podem ou não necessitar de Oxigênio - Aeróbias ou Anaeróbias, que não formam esporos, e são associadas à decomposição de matéria orgânica em geral.
Uma perícia técnica apresentada na semana passada pela direção da Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado da Saúde (SES) mostrou que uma infiltração externa no reservatório subterrâneo do Centro de Excelência surgiu como principal motivo para a infecção intestinal. Com o resultado oficializado, a fim de evitar a recorrência do dano, a unidade escolar necessitou minimizar o fluxo de pessoas para que os reservatórios de água fossem devidamente impermeabilizados. Paralelo ao retorno dos estudantes os quais frequentam a escola em período integral, fiscais também voltaram ao centro para realizar novas pesquisas. Uma medida que busca identificar possíveis problemas ainda causados pela fragmentação estrutural da rede.
Paralelo ao acompanhamento de técnicos e gestores das secretarias de estado da Saúde e Educação, o laudo estudado pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Estado de Sergipe (Lacen), recebeu o monitoramento de fiscais da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso). A união das pastas possui como proposta central minimizar os riscos de reincidência dos fatos. De acordo com o Governo de Sergipe, para manter essa linha de garantia à boa saúde dos alunos e funcionários da instituição, a Secretaria da Educação permanece fornecendo garrafões de água mineral. Não foi informado até quando essa oferta permanecerá em vigor.
Edna dos Santos - mãe de alunos que na semana passada já havia conversado com o JORNAL DO DIA, declarou: "a gente na realidade espera que a saúde de todos seja levada em consideração como prioridade. Se vão passar uma semana, duas, um mês ou um ano entregando garrafões a gente não quer saber. Queremos apenas que nossos filhos não tenham mais uma vez sair carregado por uma ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) até um posto de saúde ou hospital." (Milton Alves Júnior)