O racha PT e Edvaldo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O deputado federal Fábio Henrique (PDT) convidou ontem o deputado estadual Garibalde Mendonça (MDB) a retornar ao PDT. Aproveitou a visita do parlamentar ao seu gabinete ontem em Brasília, já que está no DF participando de treinamento da Plataforma Digita
O deputado federal Fábio Henrique (PDT) convidou ontem o deputado estadual Garibalde Mendonça (MDB) a retornar ao PDT. Aproveitou a visita do parlamentar ao seu gabinete ontem em Brasília, já que está no DF participando de treinamento da Plataforma Digita

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/05/2019 às 09:08:00

 

Já quase convicto que perderá o PT como 
aliado nas eleições 2020, o prefeito Ed
valdo Nogueira (PCdoB) vem fazendo uma reforma administrativa na sua gestão, dando um formato político e ampliando o número de aliados visando seu fortalecimento no projeto de reeleição.  
Conseguiu trazer para sua base o PDT do deputado federal Fábio Henrique, o PP do deputado federal Laércio Oliveira e o SD do deputado federal Gustinho Ribeiro. E Permanece firme com os partidos aliados MDB do ex-governador Jackson Barreto e o PSD do deputado federal Fábio Mitidieri. 
Como o PT caminha mesmo para abandonar o barco em 2020, com o desejo natural de ter candidatura própria a prefeito da capital - devendo o nome ficar entre o vice-presidente nacional do PT, Marcio Macedo, e a vice-governadora Eliane Aquino - o prefeito começa a exonerar cargos comissionados de petistas.
Iniciou pela Secretaria Municipal de Assistência Social, que foi comandada pela então vice-prefeita Eliane Aquino. Com isso, caminha para deixar o PT só com a Funcaju e com mandato interino de vereador, que é o filho do deputado federal João Daniel, que ocupa a vaga do vereador Antônio Bittencourt (PCdoB), que responde hoje pela Secretaria de Assistência Social.
Foi criado um oba-oba com a demissão de pessoas ligadas a hoje vice-governadora Eliane Aquino, que entrou no clima. Em nota ontem, ela disse que foi eleita vice-prefeita com Edvaldo Nogueira, assumiu o comando da Assistência Social, nomeou pessoas capacitadas para a área e em março de 2018, por força da legislação eleitoral, se desincompatibilizou e deixou a secretaria, ficando a continuidade do trabalho a cargo da equipe, forjada no cotidiano e no trabalho pela inclusão social em Aracaju. 
Ressaltou que assim que assumiu o cargo de vice-governadora do estado trabalhou com os mesmos princípios de sempre. Por isso, estranhava a forma como estão tratando a demissão de profissionais que atuam na secretaria. "É preciso chamar o feito à ordem: eu montei uma equipe de trabalho sem distinguir nem demarcar como pessoas de Eliane. São técnicos e profissionais que dedicam seu trabalho em prol da cidade".
Prosseguiu Eliane em nota: "É um direito do prefeito Edvaldo Nogueira nomear ou demitir quaisquer colaboradores, e isso é da responsabilidade dele. Eu respeito às pessoas e o que elas produzem, independentemente dos partidos que representam. Eu não transformei a Secretaria de Assistência num ambiente para que as pessoas trabalhassem para mim ou para o meu partido, este não é meu estilo nem nunca será. Todos estavam trabalhando pela cidade. Se Edvaldo hoje considera que não são úteis ou não servem mais como colaboradores, repito: essa decisão é dele, pessoal e intransferível".
Vale ressalta que Eliane já admite publicamente a dificuldade que passou na gestão de Edvaldo e que poderia ter contribuído, ajudado mais na área social como secretária de Assistência Social.
Trocando em miúdos, se a relação política PT e PCdoB já não é hoje das melhores com a unidade das lideranças do partido em torno de uma candidatura própria a prefeito de Aracaju em 2020 agora azedou de vez. Até porque agora a própria Eliane pode decidir buscar o apoio do partido para ser a candidata a prefeita e ir para o confronto direto com Edvaldo Nogueira, de quem foi vice e deixou o cargo para disputar mandato de vice-governadora de Belivaldo Chagas quando já não estava com uma boa relação política com o prefeito.

Já quase convicto que perderá o PT como  aliado nas eleições 2020, o prefeito Ed valdo Nogueira (PCdoB) vem fazendo uma reforma administrativa na sua gestão, dando um formato político e ampliando o número de aliados visando seu fortalecimento no projeto de reeleição.  
Conseguiu trazer para sua base o PDT do deputado federal Fábio Henrique, o PP do deputado federal Laércio Oliveira e o SD do deputado federal Gustinho Ribeiro. E Permanece firme com os partidos aliados MDB do ex-governador Jackson Barreto e o PSD do deputado federal Fábio Mitidieri. 
Como o PT caminha mesmo para abandonar o barco em 2020, com o desejo natural de ter candidatura própria a prefeito da capital - devendo o nome ficar entre o vice-presidente nacional do PT, Marcio Macedo, e a vice-governadora Eliane Aquino - o prefeito começa a exonerar cargos comissionados de petistas.
Iniciou pela Secretaria Municipal de Assistência Social, que foi comandada pela então vice-prefeita Eliane Aquino. Com isso, caminha para deixar o PT só com a Funcaju e com mandato interino de vereador, que é o filho do deputado federal João Daniel, que ocupa a vaga do vereador Antônio Bittencourt (PCdoB), que responde hoje pela Secretaria de Assistência Social.
Foi criado um oba-oba com a demissão de pessoas ligadas a hoje vice-governadora Eliane Aquino, que entrou no clima. Em nota ontem, ela disse que foi eleita vice-prefeita com Edvaldo Nogueira, assumiu o comando da Assistência Social, nomeou pessoas capacitadas para a área e em março de 2018, por força da legislação eleitoral, se desincompatibilizou e deixou a secretaria, ficando a continuidade do trabalho a cargo da equipe, forjada no cotidiano e no trabalho pela inclusão social em Aracaju. 
Ressaltou que assim que assumiu o cargo de vice-governadora do estado trabalhou com os mesmos princípios de sempre. Por isso, estranhava a forma como estão tratando a demissão de profissionais que atuam na secretaria. "É preciso chamar o feito à ordem: eu montei uma equipe de trabalho sem distinguir nem demarcar como pessoas de Eliane. São técnicos e profissionais que dedicam seu trabalho em prol da cidade".
Prosseguiu Eliane em nota: "É um direito do prefeito Edvaldo Nogueira nomear ou demitir quaisquer colaboradores, e isso é da responsabilidade dele. Eu respeito às pessoas e o que elas produzem, independentemente dos partidos que representam. Eu não transformei a Secretaria de Assistência num ambiente para que as pessoas trabalhassem para mim ou para o meu partido, este não é meu estilo nem nunca será. Todos estavam trabalhando pela cidade. Se Edvaldo hoje considera que não são úteis ou não servem mais como colaboradores, repito: essa decisão é dele, pessoal e intransferível".
Vale ressalta que Eliane já admite publicamente a dificuldade que passou na gestão de Edvaldo e que poderia ter contribuído, ajudado mais na área social como secretária de Assistência Social.
Trocando em miúdos, se a relação política PT e PCdoB já não é hoje das melhores com a unidade das lideranças do partido em torno de uma candidatura própria a prefeito de Aracaju em 2020 agora azedou de vez. Até porque agora a própria Eliane pode decidir buscar o apoio do partido para ser a candidata a prefeita e ir para o confronto direto com Edvaldo Nogueira, de quem foi vice e deixou o cargo para disputar mandato de vice-governadora de Belivaldo Chagas quando já não estava com uma boa relação política com o prefeito.

Justificativa

O secretário municipal de Assistência Social, vereador Antônio Bittencourt (PCdoB), estranhou a informação de que o prefeito Edvaldo Nogueira teria autorizado a exoneração de 50 cargos em comissão da sua pasta em retaliação à ex-vice-prefeita Eliane Aquino (PT).  "A bem da verdade o que existe de fato é a substituição de 12 funções da secretaria, das quais uma pessoa pediu exoneração por livre decisão e outras três serão remanejadas para outros setores. Assim, somente oito ocupantes de CCs estão efetivamente sendo exonerados", explicou.

Só ano que vem

O presidente do Diretório Municipal do PT, Jefferson Lima, reafirmou ontem à coluna que existe uma unanimidade no partido para que tenha candidatura própria a prefeito de Aracaju. Disse que somente em janeiro de 2020 a legenda começará a discutir essa pauta, uma vez que já estarão definidos os novos Diretórios Municipal, Estadual e Nacional do PT, com a realização do PED (Processo de Eleição Direta), que ocorrerá em setembro, outubro e novembro respectivamente.

Um ou outro

Segundo Jefferson, o vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo, continua trabalhando firme para fortalecer seu nome como candidato a prefeito de Aracaju.  Sobre o nome de Eliane Aquino como candidata respondeu: "Se for para fortalecer o partido, as pesquisas mostrarem que é o melhor nome por ser mulher e pelo legado de Marcelo Déda, e se tiver o interesse em disputar a eleição não haverá problema no partido. O sentimento do PT é de muita unidade e não terá necessidade de prévia", avalia.

Tomando gosto

Uma fonte disse ontem à coluna que Eliane Aquino começa a se animar a querer disputar a Prefeitura de Aracaju em 2020, podendo firmar o compromisso político com Márcio Macedo de apoiá-lo em 2022 para deputado federal.  Isso é tudo o que o senador Rogério Carvalho (PT) deseja, uma vez que tem a pretensão de disputar o governo em 2022.

Fortalecimento do PSD

O deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) continua trabalhando para fortalecer seu partido visando às eleições 2020. Convidou ontem os vereadores de Aracaju Isac Silveira (PCdoB) e Zezinho do Bugio (PTB) para se filiarem a legenda.

Contra decreto de armas 1

O governador Belivaldo Chagas (PSD) está entre os 14 governadores que assinaram uma carta aberta contra o decreto de armas do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Os chefes dos executivos estaduais, que pedem a revogação do decreto presidencial, avaliam que a medida do governo vai provocar um aumento da violência no País, uma vez que, libera aos brasileiros o acesso a armas de fogo, inclusive, de fuzil.

Contra decreto de armas 2

Diz a carta: "As medidas previstas pelo decreto não contribuirão para tornar nossos estados mais seguros. Ao contrário, tais medidas terão um impacto negativo na violência - aumentando, por exemplo, a quantidade de armas e munições que poderão abastecer criminosos - e aumentarão os riscos de que discussões e brigas entre nossos cidadãos acabem em tragédias".

Os 14

Além de Belivaldo, assinaram a carta os governadores Wellington Dias (Piauí), Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte) Camilo Santana (Ceará), Rui Costa (Bahia), Flávio Dino (Maranhão), Paulo Câmara (Pernambuco), João Azevedo (Paraíba), Renato Casagrande (Espírito Santo), Waldez Góes (Amapá), Ibaneis Rocha (Distrito Federal), Renan Filho (Alagoas), Mauro Carlesse (Tocantins) e Helder Barbalho (Pará). Todos os governadores do Nordeste assinaram.

Apoio

O senador Rogério Carvalho (PT) declarou ontem apoio a carta dos governadores contra decreto de armas do presidente Bolsonaro. "O povo precisa de emprego, comida e renda e o presidente preocupado com fuzil", afirmou.

Nome aos bois

De Rogério Carvalho: "O presidente Jair Bolsonaro precisa explicar quem são os parlamentares que estão chantageando o Brasil. Dê os nomes  Bolsonaro de quem está contra o país. E não critique a classe política sem apresentar um projeto concreto de Governo para gerar emprego para o povo".

Novo formato

Belivaldo Chagas empossa hoje os 10 Diretores Regionais de Educação (DRE) aprovados em primeiro lugar em processo seletivo. Se baseou em experiências nacionais e internacionais de pré-seleção das pessoas mais aptas a ocupar esse cargo de gestão estratégica da Seduc, o qual é de livre nomeação do governador do Estado.

 Ficou de fora

Com essa política do governo Belivaldo Chagas, o professor Dominguinhos, ex-vereador e presidente do Diretório Municipal de Estância, perde o posto de diretor da DRE - 01, assumindo o cargo o professor Franz Russemberg da Silva Santos. Em nota, Dominguinhos agradeceu a Artur Oliveira, Márcio Macedo, Jackson Barreto e Belivaldo Chagas e desejou boa sorte ao seu sucessor.

Veja essa ...

O fuzil está entre as armas cuja posse e o porte passam a ser permitidos pelo decreto editado neste mês pelo presidente Jair Bolsonaro. Significa que qualquer cidadão comum poderá comprar um armamento deste tipo, até então considerado de uso restrito. Só Jesus na causa!

Curtas

O senador Rogério Carvalho disse ontem que vai lutar na Comissão de Assuntos Econômicos (CAS) para a retomada do Programa Mais Médicos. São mais de mil vagas em aberto e a assistência à população está cada vez mais deficiente.

Deputados estaduais começam a discutir a criação de emendas impositivas do Poder Legislativo, como tem dos deputados federais e senadores. Teve uma reunião ontem e haverá uma próxima na semana que vem, com a presença da equipe técnica devido a construção da legislação,

O deputado estadual Francisco Gualberto (PT) recebe hoje, às 16h, o título de cidadão aracajuano na Câmara de Vereadores da capital. O projeto havia sido apresentado pelo ex-vereador Emanuel Nascimento. Gualberto nasceu no povoado Caípe Velho, em São Cristóvão.

O pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) aprovou ontem, com ressalvas, as contas do ex-candidato a deputado estadual Daniel Fortes nas eleições 2018,