Procon fiscaliza farmácias em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Fiscal do Procon analisa medicamentos em farmácia
Fiscal do Procon analisa medicamentos em farmácia

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/05/2019 às 23:07:00

 

Com o objetivo de 
promover a garan-
tia dos direitos dos consumidores aracajuanos, o Programa Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Aracaju), realizou, entre os dias 13 e 17 de maio, uma fiscalização nas farmácias da capital. Atéo início desta sexta-feira, 22 estabelecimentos, dos quais quatro foram autuados por exporem produtos à venda sem a devida precificação. 
De acordo com o coordenador geral do Procon Aracaju, Igor Lopes, essa conduta viola o direito básico à informação, previsto no Art. 6° do inciso III do Código de Defesa do Consumidor (CDC). Além deste aspecto, foram observados outros pontos da lei consumerista. "Foi verificada ainda a questão do prazo de validade e a disponibilização de, pelo menos, um exemplar do CDC, em local visível e de fácil acesso. Outro ponto averiguado foi a obrigação do estabelecimento de informar previamente ao consumidor se há diferenciação de preços a partir da forma do pagamento - dinheiro ou cartão", explica o coordenador. 
Para Victor Hugo Gomes da Silva, a ação é fundamental para garantir a segurança dos consumidores. O consumidor chama atenção, principalmente, para o perigo de consumir medicamentos vencidos. "Eu acho essencial porque remédios vencidos podem causar muitos problemas que, embora na visão de algumas pessoas pareçam pequenos, são preocupantes", aponta Victor Hugo.
Por isso, é importante que o consumidor também esteja atento na hora das compras, como aponta Igor Lopes. "É necessário sempre observar as embalagens, pois elas devem estar sempre lacradas e obrigatoriamente trazer informações como datas de fabricação e validade, número de lote, nome e registro do técnico responsável, bem como registro do medicamento no Ministério da Saúde e identificação do fabricante. Além disso, é necessário atentar-se para qualidade da impressão da embalagem, evitando de comprar produtos cuja embalagem apresente rasgos, rasuras ou informações apagadas e raspadas", indica o coordenador.

Com o objetivo de  promover a garan- tia dos direitos dos consumidores aracajuanos, o Programa Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Aracaju), realizou, entre os dias 13 e 17 de maio, uma fiscalização nas farmácias da capital. Atéo início desta sexta-feira, 22 estabelecimentos, dos quais quatro foram autuados por exporem produtos à venda sem a devida precificação. 
De acordo com o coordenador geral do Procon Aracaju, Igor Lopes, essa conduta viola o direito básico à informação, previsto no Art. 6° do inciso III do Código de Defesa do Consumidor (CDC). Além deste aspecto, foram observados outros pontos da lei consumerista. "Foi verificada ainda a questão do prazo de validade e a disponibilização de, pelo menos, um exemplar do CDC, em local visível e de fácil acesso. Outro ponto averiguado foi a obrigação do estabelecimento de informar previamente ao consumidor se há diferenciação de preços a partir da forma do pagamento - dinheiro ou cartão", explica o coordenador. 
Para Victor Hugo Gomes da Silva, a ação é fundamental para garantir a segurança dos consumidores. O consumidor chama atenção, principalmente, para o perigo de consumir medicamentos vencidos. "Eu acho essencial porque remédios vencidos podem causar muitos problemas que, embora na visão de algumas pessoas pareçam pequenos, são preocupantes", aponta Victor Hugo.
Por isso, é importante que o consumidor também esteja atento na hora das compras, como aponta Igor Lopes. "É necessário sempre observar as embalagens, pois elas devem estar sempre lacradas e obrigatoriamente trazer informações como datas de fabricação e validade, número de lote, nome e registro do técnico responsável, bem como registro do medicamento no Ministério da Saúde e identificação do fabricante. Além disso, é necessário atentar-se para qualidade da impressão da embalagem, evitando de comprar produtos cuja embalagem apresente rasgos, rasuras ou informações apagadas e raspadas", indica o coordenador.