Identificada a primeira vítima da "Borracharia Macabra"

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/05/2019 às 00:53:00

 

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) confirmou a identificação da primeira vítima que teve seu corpo enterrado no local conhecido como "Borracharia Macabra", no conjunto Marcos Freire 2, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Segundo o Instituto Médico-Legal (IML), uma das ossadas encontradas no local pertence à dona-de-casa Maria Aparecida da Conceição, 45 anos, que estava desaparecida há pelo menos dois meses. A vítima foi identificada a partir de análises da arcada dentária - comparada com uma fotografia da vítima em vida - e de uma prótese dentária que ela utilizava.
O IML aponta que a morte foi causada por traumatismo crânio-encefálico provocado por agressões físicas. De acordo com a Polícia Civil, o borracheiro Josenaldo dos Santos da Silva, o 'Naldo Borracheiro', 36, era conhecido da vítima, já admitiu ser o autor do assassinato e alegou que cometeu o crime por causa de um pen-drive que teria desaparecido da oficina. Outras circunstâncias do crime, no entanto, ainda estão sendo investigadas. Os restos mortais de Maria Aparecida foram liberados ontem à tarde por parentes e serão sepultados. 

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) confirmou a identificação da primeira vítima que teve seu corpo enterrado no local conhecido como "Borracharia Macabra", no conjunto Marcos Freire 2, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Segundo o Instituto Médico-Legal (IML), uma das ossadas encontradas no local pertence à dona-de-casa Maria Aparecida da Conceição, 45 anos, que estava desaparecida há pelo menos dois meses. A vítima foi identificada a partir de análises da arcada dentária - comparada com uma fotografia da vítima em vida - e de uma prótese dentária que ela utilizava.
O IML aponta que a morte foi causada por traumatismo crânio-encefálico provocado por agressões físicas. De acordo com a Polícia Civil, o borracheiro Josenaldo dos Santos da Silva, o 'Naldo Borracheiro', 36, era conhecido da vítima, já admitiu ser o autor do assassinato e alegou que cometeu o crime por causa de um pen-drive que teria desaparecido da oficina. Outras circunstâncias do crime, no entanto, ainda estão sendo investigadas. Os restos mortais de Maria Aparecida foram liberados ontem à tarde por parentes e serão sepultados.