Presidente do Inep diz que Enem está dentro do cronograma

Nacional

 

Jonas Valente
Agência Brasil  
A organização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está dentro do cronograma previsto, informou ontem (14) o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Elmer Vicenzi, em audiência pública na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados.
Até o dia da aplicação, nos dias 3 e 10 de novembro, o processo envolve diversas etapas e procedimentos. Professores universitários são selecionados por meio de uma chamada pública para atuar na formulação das questões e são capacitados com orientações sobre como criar uma pergunta, que o instituto chama de "item".
Esses profissionais então elaboram as questões, que são pré-testadas. O objetivo do pré-teste é aferir a "psicometria da prova", explicou o presidente. A partir disso, a prova é formatada, para ser impressa e depois distribuída aos locais de realização.
Vicenzi disse que uma novidade deste ano foi o novo sistema de inscrição. "A gente procurou trabalhar num sistema que fosse essa linguagem das redes sociais", disse. Para pessoas com deficiência, haverá provas em braile, com fontes ampliadas e com tradutor em libras e auxiliar de transcrição na hora do exame.
A previsão é de aplicação da prova em 1.727 municípios nas 27 unidades da Federação. As cidades são escolhidas por um conjunto de critérios, como a quantidade de matrículas daquele local pela média do estado, o número de inscritos na última região e microrregiões, entre outros.
O presidente do Inep afirmou que a gráfica escolhida é uma "gráfica de segurança" e que faz documentos de identificação. Um batalhão em São Paulo é o centro de distribuição, de onde saem as provas e vão para outros batalhões e para o consórcio aplicador. Além disso, há escoltas da Polícia Federal, Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros para o transporte.

A organização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está dentro do cronograma previsto, informou ontem (14) o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Elmer Vicenzi, em audiência pública na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados.
Até o dia da aplicação, nos dias 3 e 10 de novembro, o processo envolve diversas etapas e procedimentos. Professores universitários são selecionados por meio de uma chamada pública para atuar na formulação das questões e são capacitados com orientações sobre como criar uma pergunta, que o instituto chama de "item".
Esses profissionais então elaboram as questões, que são pré-testadas. O objetivo do pré-teste é aferir a "psicometria da prova", explicou o presidente. A partir disso, a prova é formatada, para ser impressa e depois distribuída aos locais de realização.
Vicenzi disse que uma novidade deste ano foi o novo sistema de inscrição. "A gente procurou trabalhar num sistema que fosse essa linguagem das redes sociais", disse. Para pessoas com deficiência, haverá provas em braile, com fontes ampliadas e com tradutor em libras e auxiliar de transcrição na hora do exame.
A previsão é de aplicação da prova em 1.727 municípios nas 27 unidades da Federação. As cidades são escolhidas por um conjunto de critérios, como a quantidade de matrículas daquele local pela média do estado, o número de inscritos na última região e microrregiões, entre outros.
O presidente do Inep afirmou que a gráfica escolhida é uma "gráfica de segurança" e que faz documentos de identificação. Um batalhão em São Paulo é o centro de distribuição, de onde saem as provas e vão para outros batalhões e para o consórcio aplicador. Além disso, há escoltas da Polícia Federal, Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros para o transporte.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS