"Borracharia Macabra": polícia faz novas buscas por corpos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Peritos fazem buscas na área da borracharia
Peritos fazem buscas na área da borracharia

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 09/05/2019 às 23:07:00

 

Gabriel Damásio 
Equipes da Polícia Civil, 
do Corpo de Bombei
ros e dos institutos Médico-Legal (IML), de Criminalística, e de Análises e Pesquisas Forenses (IAPF) fizeram ontem novas buscas no entorno de uma borracharia no conjunto Marcos Freire 2, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju), onde os restos mortais de três vítimas foram encontradas na semana passada. A varredura foi motivada pela suspeita de que o responsável pela borracharia, Joaenaldo dos Santos da Silva, o 'Naldo Borracheiro', 36 anos, pode ter cometido outros assassinatos, além dos quatro crimes que ele já confessou. O suspeito foi preso no último dia 2 pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).
Os trabalhos concentraram-se na oficina e nos terrenos ao redor dela, que incluem uma casa abandonada vizinha à borracharia. Nesta incursão, as equipes da Secretaria de Segurança Pública (SSP) tiveram o apoio de pesquisadores do Departamento de Geologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Eles utilizaram um equipamento que consegue detectar movimentações recentes em determinadas áreas de terra, o que inclui escavações. A perita Suzana Maciel, antropóloga forense e odontolegista do IML, confirmou numa entrevista à TV Atalaia que, durante os trabalhos de buscas, foram encontrados alguns fragmentos de ossos pertencentes aos esqueletos dos cadáveres achados anteriormente. 
"O trabalho começou na quinta-feira [passada]. Como ele é intenso, e realmente tem muita coisa para procurar, nós voltamos para ver se ainda localizamos mais material que possa nos ajudar na identificação das vítimas e na resolução dos casos. Nós localizamos alguns fragmentos de ossos, que complementam aquilo que a gente já tinha começado a encontrar. A maioria dos corpos estava esqueletizada, e nós esperávamos encontrá-los assim, inclusive os fragmentos, explicou Susana, referindo-se ao estágio avançado de decomposição dos corpos. Ela disse que os locais indicados pelos geólogos foram escavados, resultando nas descobertas dos fragmentos. Cães farejadores dos Bombeiros também ajudaram nos trabalhos. 
Sobre a suspeita de que outras vítimas podem ter sido mortas e enterradas no entorno da borracharia, Susana Maciel não descartou totalmente esta hipótese, mas destacou que isto ainda não foi confirmado pelas investigações e que a prioridade da polícia, neste momento, é identificar as quatro vítimas mortas por 'Naldo' e esclarecer como e porquê tais crimes aconteceram. Parentes das três vítimas encontradas na borracharia já compareceram ao IML e estão reunindo dados e documentos que podem ajudar na identificação, como prontuários médicos, exames e materiais genéticos para a realização de testes de DNA. 
Os peritos e investigadores ainda não conseguiram identificar a quarta vítima de 'Naldo', cujo corpo estava enterrado em uma casa na Piabeta, também em socorro, onde o réu confesso morou sete anos antes de se mudar para o Marcos Freire. A polícia suspeita que os restos mortais sejam de uma mulher que desapareceu há cerca de oito anos, mas nenhum parente apareceu ainda para reclamar os restos. Pelo planejamento definido pelas equipes, as escavações aconteceram ontem à tarde nesta área da antiga residência do suspeito.
Ao ser preso, o borracheiro admitiu a autoria das quatro mortes, deu detalhes de como executou as vítimas e indicou os locais onde os corpos foram enterrados. A frieza da confissão foi o que mais chamou a atenção dos policiais. "Ele deixou claro que não tem remorso, que não se arrepende e que faria tudo novamente porque acha que agiu corretamente. São motivações fúteis. Ele alegou que tinha encontrado uma das vítimas, foram para casa dele e supostamente ela teria tentado roubar um objeto dele. Já em outro caso, o acusado contou que ficou chateado porque uma das vítimas, que era amigo dele, disse que ele era traficante de drogas e que, segundo palavras do próprio acusado, ele apenas era usuário", disse na semana passada a delegada Luciana Pereira, do DHPP. 

Gabriel Damásio

Equipes da Polícia Civil,  do Corpo de Bombei ros e dos institutos Médico-Legal (IML), de Criminalística, e de Análises e Pesquisas Forenses (IAPF) fizeram ontem novas buscas no entorno de uma borracharia no conjunto Marcos Freire 2, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju), onde os restos mortais de três vítimas foram encontradas na semana passada. A varredura foi motivada pela suspeita de que o responsável pela borracharia, Joaenaldo dos Santos da Silva, o 'Naldo Borracheiro', 36 anos, pode ter cometido outros assassinatos, além dos quatro crimes que ele já confessou. O suspeito foi preso no último dia 2 pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).
Os trabalhos concentraram-se na oficina e nos terrenos ao redor dela, que incluem uma casa abandonada vizinha à borracharia. Nesta incursão, as equipes da Secretaria de Segurança Pública (SSP) tiveram o apoio de pesquisadores do Departamento de Geologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Eles utilizaram um equipamento que consegue detectar movimentações recentes em determinadas áreas de terra, o que inclui escavações. A perita Suzana Maciel, antropóloga forense e odontolegista do IML, confirmou numa entrevista à TV Atalaia que, durante os trabalhos de buscas, foram encontrados alguns fragmentos de ossos pertencentes aos esqueletos dos cadáveres achados anteriormente. 
"O trabalho começou na quinta-feira [passada]. Como ele é intenso, e realmente tem muita coisa para procurar, nós voltamos para ver se ainda localizamos mais material que possa nos ajudar na identificação das vítimas e na resolução dos casos. Nós localizamos alguns fragmentos de ossos, que complementam aquilo que a gente já tinha começado a encontrar. A maioria dos corpos estava esqueletizada, e nós esperávamos encontrá-los assim, inclusive os fragmentos, explicou Susana, referindo-se ao estágio avançado de decomposição dos corpos. Ela disse que os locais indicados pelos geólogos foram escavados, resultando nas descobertas dos fragmentos. Cães farejadores dos Bombeiros também ajudaram nos trabalhos. 
Sobre a suspeita de que outras vítimas podem ter sido mortas e enterradas no entorno da borracharia, Susana Maciel não descartou totalmente esta hipótese, mas destacou que isto ainda não foi confirmado pelas investigações e que a prioridade da polícia, neste momento, é identificar as quatro vítimas mortas por 'Naldo' e esclarecer como e porquê tais crimes aconteceram. Parentes das três vítimas encontradas na borracharia já compareceram ao IML e estão reunindo dados e documentos que podem ajudar na identificação, como prontuários médicos, exames e materiais genéticos para a realização de testes de DNA. 
Os peritos e investigadores ainda não conseguiram identificar a quarta vítima de 'Naldo', cujo corpo estava enterrado em uma casa na Piabeta, também em socorro, onde o réu confesso morou sete anos antes de se mudar para o Marcos Freire. A polícia suspeita que os restos mortais sejam de uma mulher que desapareceu há cerca de oito anos, mas nenhum parente apareceu ainda para reclamar os restos. Pelo planejamento definido pelas equipes, as escavações aconteceram ontem à tarde nesta área da antiga residência do suspeito.
Ao ser preso, o borracheiro admitiu a autoria das quatro mortes, deu detalhes de como executou as vítimas e indicou os locais onde os corpos foram enterrados. A frieza da confissão foi o que mais chamou a atenção dos policiais. "Ele deixou claro que não tem remorso, que não se arrepende e que faria tudo novamente porque acha que agiu corretamente. São motivações fúteis. Ele alegou que tinha encontrado uma das vítimas, foram para casa dele e supostamente ela teria tentado roubar um objeto dele. Já em outro caso, o acusado contou que ficou chateado porque uma das vítimas, que era amigo dele, disse que ele era traficante de drogas e que, segundo palavras do próprio acusado, ele apenas era usuário", disse na semana passada a delegada Luciana Pereira, do DHPP.