Cesta básica em 18 capitais teve alta em abril, aponta Dieese

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O VALOR DA CESTA BÁSICA AUMENTOU EM TODAS AS CAPITAIS
O VALOR DA CESTA BÁSICA AUMENTOU EM TODAS AS CAPITAIS

A alta da cesta básica surpreendeu
A alta da cesta básica surpreendeu

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/05/2019 às 23:54:00

 

Em abril, o custo da 
cesta básica subiu 
em todas as 18 capitais analisadas pela Pesquisa Nacional da Cesta Básica, divulgada ontem (7), pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).
As altas mais expressivas ocorreram em Campo Grande (10,07%), São Luís (7,10%) e Aracaju (4,94%).
A cesta mais cara do país foi a de São Paulo, onde o conjunto de alimentos essenciais custava, em média, R$ 522,05, seguida pela cesta do Rio de Janeiro, R$ 515,58, e de Porto Alegre, R$ 499,38. As cestas mais baratas, em abril, eram as de Salvador, R$ 396,75, e Aracaju, R$ 404,68.
Nos primeiros quatro meses de 2019, todas as cidades analisadas pela pesquisa apresentaram alta acumulada. Os maiores aumentos foram observados em Vitória (23,47%) e Recife (22,45%). O menor aumento acumulado ocorreu em Florianópolis, com alta de 5,35%.
Salário mínimo - Com base na cesta mais cara do país, observada em São Paulo, o valor do salário mínimo em dezembro, necessário para suprir as despesas de um trabalhador e de sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, seria de R$ 4.385,75, o que equivale a 4,39 vezes o valor do salário mínimo atual, de R$ 998,00. (Elaine Patricia Cruz - Agência Brasil)

Em abril, o custo da  cesta básica subiu  em todas as 18 capitais analisadas pela Pesquisa Nacional da Cesta Básica, divulgada ontem (7), pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).
As altas mais expressivas ocorreram em Campo Grande (10,07%), São Luís (7,10%) e Aracaju (4,94%).
A cesta mais cara do país foi a de São Paulo, onde o conjunto de alimentos essenciais custava, em média, R$ 522,05, seguida pela cesta do Rio de Janeiro, R$ 515,58, e de Porto Alegre, R$ 499,38. As cestas mais baratas, em abril, eram as de Salvador, R$ 396,75, e Aracaju, R$ 404,68.
Nos primeiros quatro meses de 2019, todas as cidades analisadas pela pesquisa apresentaram alta acumulada. Os maiores aumentos foram observados em Vitória (23,47%) e Recife (22,45%). O menor aumento acumulado ocorreu em Florianópolis, com alta de 5,35%.

Salário mínimo - Com base na cesta mais cara do país, observada em São Paulo, o valor do salário mínimo em dezembro, necessário para suprir as despesas de um trabalhador e de sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, seria de R$ 4.385,75, o que equivale a 4,39 vezes o valor do salário mínimo atual, de R$ 998,00. (Elaine Patricia Cruz - Agência Brasil)