O dia do silêncio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 06/05/2019 às 22:43:00

 

* Raymundo Mello
(publicação de Raymundinho Mello, seu filho)
Hoje, 7 de maio, comemora-se o 
"Dia do Silêncio". Um dia que mui-
to diz, sem precisar que nada se diga... 
Como sou um admirador do 'silêncio' e o considero tão vital quanto o ar que respiro, celebro a data nos 365 dias do ano. Para mim, todo dia é dia de se fazer um pouco de silêncio. No mundo "apressado" em que vivemos, fruto de uma sociedade tão consumista, individualista e indiferente, e com opiniões tão massificadas, o silenciar por alguns minutos é como encontrar um poço de águas límpidas quando se está num deserto morrendo de sede...
No seu belo artigo "São José, o santo do silêncio" - publicado na edição n.º 3818, de 17 e 18/03/2016 do nosso 'Jornal do Dia' - o nosso prezadíssimo 'Arcebispo Emérito de Maceió, Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB' (que aqui escreve regularmente às quintas-feiras), assim se expressa:
- São José foi o santo do silêncio. Diante dos evidentes sinais da misteriosa maternidade virginal de Maria, José, o homem justo, soube guardar silêncio heróico, que muito lhe custou. Em todo o Evangelho, não se lê uma única palavra sua, nem na busca de uma pousada em Belém para Maria, que estava para dar à luz o Deus Menino, nem diante dos pastores e dos Magos que vieram adorá-lo, nem na fuga para o Egito, nem na perda de Jesus no Templo aos 12 anos (só Maria fala em nome dos dois), nem, afinal, nos longos anos vividos em Nazaré, com Maria e Jesus, criança, adolescente e homem feito. São José é o santo do silêncio, patrono da vida contemplativa. Paulo VI chama o silêncio "a admirável e indispensável condição do espírito, na vida moderna barulhenta e hipersensibilizada". E que São José com seu silêncio "nos ensine o recolhimento, a interioridade, a disposição para escutar as boas inspirações e as palavras dos verdadeiros mestres. Que ele nos ensine a necessidade da meditação, da vida pessoal e interior, da oração que só Deus escuta no segredo".
Concluo lembrando uma frase que o notável professor de Química da 'Universidade Federal de Sergipe', hoje emérito, 'Manoel Francisco de Andrade Filho', muito conhecido como "Chico", ensinava aos alunos como recurso mnemônico para facilitar a memorização dos nomes dos elementos químicos classificados como semimetais - Boro (B), Silício (Si), Germânio (Ge), Arsênio (As), Antimônio (Sb), Telúrio (Te) e Polônio (Po) - na 'Classificação Periódica dos Elementos Químicos' ou 'Tabela Periódica', construída com palavras iniciadas com os símbolos destes elementos: "(B) Basta (Si) silenciar; (Ge) geralmente, (As) assim, (Sb) saberemos (Te) ter (Po) posição" - "Basta silenciar; geralmente, assim, saberemos ter posição". Nunca esqueci a frase, nem tampouco a sequência destes elementos químicos. Mais que uma frase, um provérbio!
Que tenhamos um bom "Dia do Silêncio"...
* Raymundo Mello é Memorialista
raymundopmello@yahoo.com.br

* Raymundo Mello

(publicação de Raymundinho Mello, seu filho)

Hoje, 7 de maio, comemora-se o  "Dia do Silêncio". Um dia que mui- to diz, sem precisar que nada se diga... 
Como sou um admirador do 'silêncio' e o considero tão vital quanto o ar que respiro, celebro a data nos 365 dias do ano. Para mim, todo dia é dia de se fazer um pouco de silêncio. No mundo "apressado" em que vivemos, fruto de uma sociedade tão consumista, individualista e indiferente, e com opiniões tão massificadas, o silenciar por alguns minutos é como encontrar um poço de águas límpidas quando se está num deserto morrendo de sede...
No seu belo artigo "São José, o santo do silêncio" - publicado na edição n.º 3818, de 17 e 18/03/2016 do nosso 'Jornal do Dia' - o nosso prezadíssimo 'Arcebispo Emérito de Maceió, Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB' (que aqui escreve regularmente às quintas-feiras), assim se expressa:
- São José foi o santo do silêncio. Diante dos evidentes sinais da misteriosa maternidade virginal de Maria, José, o homem justo, soube guardar silêncio heróico, que muito lhe custou. Em todo o Evangelho, não se lê uma única palavra sua, nem na busca de uma pousada em Belém para Maria, que estava para dar à luz o Deus Menino, nem diante dos pastores e dos Magos que vieram adorá-lo, nem na fuga para o Egito, nem na perda de Jesus no Templo aos 12 anos (só Maria fala em nome dos dois), nem, afinal, nos longos anos vividos em Nazaré, com Maria e Jesus, criança, adolescente e homem feito. São José é o santo do silêncio, patrono da vida contemplativa. Paulo VI chama o silêncio "a admirável e indispensável condição do espírito, na vida moderna barulhenta e hipersensibilizada". E que São José com seu silêncio "nos ensine o recolhimento, a interioridade, a disposição para escutar as boas inspirações e as palavras dos verdadeiros mestres. Que ele nos ensine a necessidade da meditação, da vida pessoal e interior, da oração que só Deus escuta no segredo".
Concluo lembrando uma frase que o notável professor de Química da 'Universidade Federal de Sergipe', hoje emérito, 'Manoel Francisco de Andrade Filho', muito conhecido como "Chico", ensinava aos alunos como recurso mnemônico para facilitar a memorização dos nomes dos elementos químicos classificados como semimetais - Boro (B), Silício (Si), Germânio (Ge), Arsênio (As), Antimônio (Sb), Telúrio (Te) e Polônio (Po) - na 'Classificação Periódica dos Elementos Químicos' ou 'Tabela Periódica', construída com palavras iniciadas com os símbolos destes elementos: "(B) Basta (Si) silenciar; (Ge) geralmente, (As) assim, (Sb) saberemos (Te) ter (Po) posição" - "Basta silenciar; geralmente, assim, saberemos ter posição". Nunca esqueci a frase, nem tampouco a sequência destes elementos químicos. Mais que uma frase, um provérbio!
Que tenhamos um bom "Dia do Silêncio"...

* Raymundo Mello é Memorialistaraymundopmello@yahoo.com.br