Ataque as universidades

Rita Oliveira


  • O ex-deputado federal André Moura (PSC) continua atuando forte na política sergipana. Ontem foi a Poço Verde participar da procissão da Santa Cruz, ao lado do prefeito Iggor Oliveira.

 

Nesses pouco mais de quatro meses de 
governo o presidente Jair Bolsonaro e 
seus ministros estão sempre surpreendendo o povo brasileiro com declarações equivocadas que, em muitos casos, são desfeitas publicamente  logo em seguida.
Na quarta- feira passada foi a vez do ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) mostrar o despreparo do governo de extrema direita que está no poder. Em entrevista à Globo News, Lorenzoni, ao defender universidades particulares, comparou a Universidade Federal de Sergipe (UFS) com a Universidade Tiradentes (Unit), afirmando que o custo da federal é de R$ 980 milhões e o custo da particular é de R$ 310 milhões. 
Ao comprar o orçamento da UFS com o da Unit em uma rede nacional de TV, o ministro esqueceu de computar, por ignorância ou má fé, a quantidade de alunos de cada uma, que a UFS tem Hospital Universitário; Hospital Veterinário; os Campi de Lagarto, Itabaiana, Nossa Senhora da Glória e Laranjeiras; Residência Universitária; Bolsas para estudantes; Restaurante Universitário; além de professores e servidores, que aposentados são remun erados pela instituição.
O ministro chegou a falar também que a UFS não possui programas de pós-graduação com nota máxima do MEC. Dos 54 programas de pós-graduação, quatro deles foram avaliados com nota cinco pela Capes, e doutorado existem vários avaliados com nota máxima. E de acordo com o Ranking Universitário Folha (RUF) de 2017, que avaliou 196 instituições públicas e privadas d e ensino superior de todo o país, a UFS, entre as instituições do Nordeste, manteve-se em 6º lugar e, no âmbito nacional, em 38º.  Já a Unit ficou no 99º lugar. Em pesquisa, a UFS ficou em 42º e a Unit em 84º, em ensino a UFS ocupou o 75º e a Unit 170º. 
Usar comparativamente as duas universidades não é parâmetro para argumentar o público e o privado educacionais, pelo fato de não existir vários itens nas duas instituições de ensino superior ao mesmo tempo.  Vale ressaltar que 84% dos pesquisadores em produtividade no CNPq estão na UFS e que 90% dos alunos de mestrado e doutorado em Sergipe estão na UFS.
Trocando em miúdos, a intenção do ministro foi desqualificar as universidades públicas para justificar o corte de 30% que o governo Bolsonaro fará no orçamento anual, conforme já anunciado.  O que deve estar por trás esses cortes é levar as universidades públicas ao sucateamento, por serem o foco dos grandes protestos de uma geração que pensa.
Estudaram na UFS os principais quadros da política, medicina, direito, engenharia e economia de Sergipe. Muitos exercendo atividades em outros Estados. O saudoso Marcelo Déda, o mais brilhante político sergipano dos últimos tempos, se formou em direito na UFS, foi presidente do DCE e teve uma intensa militância estudantil. Da mesma forma que o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira e, gerações anteriores, como Jackson Barreto, Wellington Mangueira, João Aug usto Gama, Benedito de Figueiredo e tantos outros que arriscaram suas vidas no combate à ditadura militar, hoje defendida por Bolsonaro e seus ministros e aliados.
Vale lembrar que o governo Bolsonaro quer acabar com as faculdades de Filosofia e Sociologia por entender que a função do governo é "respeitar o dinheiro do contribuinte, ensinar os jovens a ler, escrever e a fazer conta",  ou seja, não quer que o povo pense, apenas que trabalhe...
Querer acabar com a educação pública no Brasil é só o começo do que está por vir nos próximos três anos e sete meses...

Nesses pouco mais de quatro meses de  governo o presidente Jair Bolsonaro e  seus ministros estão sempre surpreendendo o povo brasileiro com declarações equivocadas que, em muitos casos, são desfeitas publicamente  logo em seguida.
Na quarta- feira passada foi a vez do ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) mostrar o despreparo do governo de extrema direita que está no poder. Em entrevista à Globo News, Lorenzoni, ao defender universidades particulares, comparou a Universidade Federal de Sergipe (UFS) com a Universidade Tiradentes (Unit), afirmando que o custo da federal é de R$ 980 milhões e o custo da particular é de R$ 310 milhões. 
Ao comprar o orçamento da UFS com o da Unit em uma rede nacional de TV, o ministro esqueceu de computar, por ignorância ou má fé, a quantidade de alunos de cada uma, que a UFS tem Hospital Universitário; Hospital Veterinário; os Campi de Lagarto, Itabaiana, Nossa Senhora da Glória e Laranjeiras; Residência Universitária; Bolsas para estudantes; Restaurante Universitário; além de professores e servidores, que aposentados são remun erados pela instituição.
O ministro chegou a falar também que a UFS não possui programas de pós-graduação com nota máxima do MEC. Dos 54 programas de pós-graduação, quatro deles foram avaliados com nota cinco pela Capes, e doutorado existem vários avaliados com nota máxima. E de acordo com o Ranking Universitário Folha (RUF) de 2017, que avaliou 196 instituições públicas e privadas d e ensino superior de todo o país, a UFS, entre as instituições do Nordeste, manteve-se em 6º lugar e, no âmbito nacional, em 38º.  Já a Unit ficou no 99º lugar. Em pesquisa, a UFS ficou em 42º e a Unit em 84º, em ensino a UFS ocupou o 75º e a Unit 170º. 
Usar comparativamente as duas universidades não é parâmetro para argumentar o público e o privado educacionais, pelo fato de não existir vários itens nas duas instituições de ensino superior ao mesmo tempo.  Vale ressaltar que 84% dos pesquisadores em produtividade no CNPq estão na UFS e que 90% dos alunos de mestrado e doutorado em Sergipe estão na UFS.
Trocando em miúdos, a intenção do ministro foi desqualificar as universidades públicas para justificar o corte de 30% que o governo Bolsonaro fará no orçamento anual, conforme já anunciado.  O que deve estar por trás esses cortes é levar as universidades públicas ao sucateamento, por serem o foco dos grandes protestos de uma geração que pensa.
Estudaram na UFS os principais quadros da política, medicina, direito, engenharia e economia de Sergipe. Muitos exercendo atividades em outros Estados. O saudoso Marcelo Déda, o mais brilhante político sergipano dos últimos tempos, se formou em direito na UFS, foi presidente do DCE e teve uma intensa militância estudantil. Da mesma forma que o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira e, gerações anteriores, como Jackson Barreto, Wellington Mangueira, João Aug usto Gama, Benedito de Figueiredo e tantos outros que arriscaram suas vidas no combate à ditadura militar, hoje defendida por Bolsonaro e seus ministros e aliados.
Vale lembrar que o governo Bolsonaro quer acabar com as faculdades de Filosofia e Sociologia por entender que a função do governo é "respeitar o dinheiro do contribuinte, ensinar os jovens a ler, escrever e a fazer conta",  ou seja, não quer que o povo pense, apenas que trabalhe...
Querer acabar com a educação pública no Brasil é só o começo do que está por vir nos próximos três anos e sete meses...

Deliberações da UFS 1

Durante plenária ontem na Universidade Federal de Sergipe (UFS), que discutiu as declarações do ministro Onixy Lorenzoni (Casa Civil), foi definido o dia 15 de maio como de greve geral da educação e dia 14 de maio de adesão a greve geral. Foi estabelecido ainda adesão a um grande ato em defesa das universidades na próxima segunda-feira, 6, no Monumento da Democracia (Central Park), que fica na própria UFS.

Deliberações da UFS 2

Ainda na plenária, foi definido ainda que o reitor da UFS, Angelo Antoniolli , encaminharia um pedido de retratação da Globo News, onde o ministro concedeu a entrevista; e que o sindicato nacional dos trabalhadores publicaria uma nota de repúdio ao ataque às universidades.

Em defesa da UFS 1

O deputado federal Fábio Reis (MDB), coordenador da bancada sergipana na Câmara Federal, saiu ontem em defesa da UFS. "A UFS é a única instituição de ensino do Estado que conta com dois hospitais universitários, um em Aracaju e outro em Lagarto, minha cidade. Esses hospitais atendem exclusivamente pelo SUS, incluindo atendimento especializado para crianças portadoras de microcefalia. Nos campus há pesquisa para prevenção e tratamento de doenças como chikungunya e zika vírus, que atingem grande parte da população brasileira", afirmou.

Em defesa da UFS 3

Fábio Reis destaca que a UFS consta no 38º lugar entre as melhores universidades do País pelo ranking da Folha de SP, além de ter papel fundamental na pesquisa científica do Brasil. "Diferentemente do que disse o ministro, as bases de dados do Ministério da Educação indicam a UFS com desempenho muito acima em relação a outras instituições de ensino superior do Estado. Não podemos nos equivocar quando falamos de educação. Sergipe tem duas das melhores universidades do País", finalizou o parlamentar.

Em defesa da UFS 4

O senador Rogério Carvalho (PT) também saiu em defesa da instituição. "Sou professor e doutor da UFS com muita honra e me assusto ao ver tanto desconhecimento do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que é proporcional à ignorância com que este governo trata a nossa educação", criticou.

Aliança

O prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) tem dito que só conversará sobre as eleições 2020 no ano que vem e que está focado em administrar Aracaju. E ontem, na Fan FM, ao falar sobre a possibilidade do aliado PT ter candidatura própria a prefeito no ano que vem respondeu: "Minha aliança com o PT é histórica. Todas as vitórias que tivemos com o nosso bloco foi fruto da união que tivemos e essa unidade deve se manter. É claro que temos divergências, que são naturais porque somos de partidos diferentes, mas não existem problemas. Somo aliados".

 Indefinição 1

A saída do PCdoB ainda não está definida para Edvaldo Nogueira. Segundo o prefeito, ele ainda está pensando na possibilidade de sair do partido do qual faz parte há 38 anos. Revelou, inclusive, que terá uma conversa com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e assim que tomar uma posição conversará com o deputado federal Fábio Henrique, que, inclusive, já o convidou para ingressar na legenda. 

Indefinição 2

"Tenho muito carinho, respeito e admiração por Fábio Henrique. Não existe qualquer ação para atropelar a liderança dele. Não farei nada às escondidas. Lupi já me ligou e marcamos de conversar, mas quando isso ocorrer, eu divulgarei. Não vou tomar partido de ninguém e não tenho interesse de disputar partido. Não quero guerra. Eu vou para um partido para construir, colaborar. Para um partido que eu acredite e respeite", declarou.

Piso dos professores

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e a organização não governamental Todos Pela Educação vão apresentar conjuntamente uma proposta de emenda à Constituição para rever as regras do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). A proposta terá três pontos principais: mudar a forma de distribuição dos recursos, retirar do texto o cálculo de reajuste do piso nacional dos professores e elevar a complementação feita pela União de 10% para 15% do valor aplicado pelos Estados.

Vai recorrer

Tão logo o Governo do Estado seja noticiado da decisão do juiz da 1ª Vara Cível de São Cristóvão, Manoel Costa Neto, de anulação das provas objetivas do Concurso Público da Polícia Militar de Sergipe realizadas em 1º julho de 2018, ainda por conta da prisão dos dois irmãos presos por  tentativa de fraude, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) irá recorrer para garantir a normalidade e continuidade do certame. Vale lembrar que  todas as liminares que colocavam em dúvida a legalidade do concurso foram suspensas pelo Tribunal de Justiça de Sergipe no ano passado. 

Veja essa ...

Depois da Venezuela agora é a Argentina na mira do presidente Jair Bolsonaro. Durante live no Facebook,  Bolsonaro disse que torce para que nas eleições da Argentina, que acontecerão em outubro deste ano, a ex-presidente Cristina Kirchner não volte a ocupar o cargo para que a Argentina não se torne uma Venezuela. 

Curtas

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, não retornou a Brasília na quinta-feira passada, após receber o título de cidadã sergipana e aracajuana, na Assembleia Legislativa, sobre protesto de movimentos sociais. Passou ontem o dia em Aracaju, participando de atividades junto aos jovens aprendizes, índios e pessoas com deficiência. 

Segundo a revista Veja, a ministra teria comunicado ao presidente Bolsonaro sua intenção de deixar o governo por não ter mais "condições físicas e emocionais" para permanecer à frente do ministério. Em nota, ela negou que tenha pedido exoneração e que tudo foi um mal entendido já que disse a jornalistas que ficaria no governo até "onde minha saúde aguentar", fazendo com quem entendessem como pedido de demissão.

Ainda segundo a Veja, Damares, que declarou que pensa em voltar a morar em Sergipe, tem recebido ameaças de morte e, por orientação do Gabinete de Segurança Institucional, passou a morar em um hotel, em Brasília.  

Os eleitores que não votaram nem justificaram sua ausência às urnas por três eleições consecutivas têm até a próxima segunda-feira para regularizar sua situação perante a Justiça Eleitoral. Em caso de cancelamento, o eleitor poderá enfrentar alguns contratempos em relação a outros documentos que dependem da certidão de quitação eleitoral.

Até o momento, o maior índice de regularização está na região Norte (5,6%), seguida do Centro-Oeste (5,5%), do Sul (3,5%), do Nordeste (3,4%) e do Sudeste (3,0%).

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS