Sobe para 24 total de mortos na tragédia na Muzema, no Rio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/04/2019 às 08:15:00

 

Akemi Nitahara 
Agência Brasil  
Morreu ontem (22) Adilma Ramos Rodrigues, de 35 anos, vítima do desabamento de dois edifícios na comunidade da Muzema, na zona oeste do Rio de Janeiro, no dia 12.
Com isso, sobe para 24 o número de mortes. Há sete sobreviventes.
Equipes que atuam na busca e resgate de pessoas após o desabamento dos dois prédios ontem de manhã na comunidade da Muzema, continuam as buscas. A Rioluz providenciou iluminação para que as atividades prossigam durante a noite.
Adilma estava internada em estado grave no Hospital Municipal Lourenço Jorge, mas foi transferida na noite de quinta-feira (18) para a rede privada, a pedido da família, segundo informou a Secretaria Municipal de Saúde.
 Em nota, o Hospital Unimed-Rio informou que ela foi admitida na unidade no dia 18, "após ser vítima de politraumatismo e passar por prévias abordagens, incluindo parada cardíaca por 10 minutos em outra instituição".
 Segundo o hospital, ela permaneceu sedada, entubada, em ventilação mecânica e com "uso de amina vasopressora e diálise contínua".
Na noite do dia 19 a paciente apresentou "quadro de sepse, com hemoculturas positivas", ou seja, infecção generalizada, o que foi piorado com grave alteração no sangue, chamada de discrasia sanguínea, e disfunção hepática.
 Na noite de anteontem, Adilma teve insuficiência respiratória, chamada tecnicamente de "síndrome de desconforto respiratório e hipoxemia refratária", culminando no óbito às 4h40 da madrugada de hoje.
 Adilma era casada com o pastor Cláudio Rodrigues, de 40 anos, que foi a primeira vítima do desabamento. Ele foi enterrado no dia 14, no Cemitério do Pechincha, na região de Jacarepaguá, também na zona oeste.

Morreu ontem (22) Adilma Ramos Rodrigues, de 35 anos, vítima do desabamento de dois edifícios na comunidade da Muzema, na zona oeste do Rio de Janeiro, no dia 12.Com isso, sobe para 24 o número de mortes. Há sete sobreviventes.
Equipes que atuam na busca e resgate de pessoas após o desabamento dos dois prédios ontem de manhã na comunidade da Muzema, continuam as buscas. A Rioluz providenciou iluminação para que as atividades prossigam durante a noite.
Adilma estava internada em estado grave no Hospital Municipal Lourenço Jorge, mas foi transferida na noite de quinta-feira (18) para a rede privada, a pedido da família, segundo informou a Secretaria Municipal de Saúde.
 Em nota, o Hospital Unimed-Rio informou que ela foi admitida na unidade no dia 18, "após ser vítima de politraumatismo e passar por prévias abordagens, incluindo parada cardíaca por 10 minutos em outra instituição".
 Segundo o hospital, ela permaneceu sedada, entubada, em ventilação mecânica e com "uso de amina vasopressora e diálise contínua".
Na noite do dia 19 a paciente apresentou "quadro de sepse, com hemoculturas positivas", ou seja, infecção generalizada, o que foi piorado com grave alteração no sangue, chamada de discrasia sanguínea, e disfunção hepática.
 Na noite de anteontem, Adilma teve insuficiência respiratória, chamada tecnicamente de "síndrome de desconforto respiratório e hipoxemia refratária", culminando no óbito às 4h40 da madrugada de hoje.
 Adilma era casada com o pastor Cláudio Rodrigues, de 40 anos, que foi a primeira vítima do desabamento. Ele foi enterrado no dia 14, no Cemitério do Pechincha, na região de Jacarepaguá, também na zona oeste.