Gualberto sugere cautela a oposição para preservar imagem da Alese

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/04/2019 às 12:03:00

 

A arrogância de membros da oposição na Assembleia Legislativa foi mais uma vez alvo de critica do vice-presidente da Casa, deputado Francisco Gualberto (PT), na sessão desta quarta-feira. Após perder uma votação de emenda no plenário, a deputada Kitty Lima esbravejou contra os colegas na tribuna e foi seguida por outros membros da oposição. Um deles chegou a afirmar que 'a turma nova chegou, sabe fazer direito e vai fazer. E a turma velha não sabe e sempre fez errado', numa alusão aos deputados mais antigos. "Acho isso de uma prepotência extraordinária", resumiu Gualberto.
Para o vice-presidente, a queixa de Kitty Lima, que teve uma emenda a um projeto de lei de sua autoria rejeitada, não tem fundamento. O projeto, inclusive, foi aprovado por unanimidade, mas a emenda não. "Abrir um precedente desse, em nome de que 'eu sou o novo e vou virar de cabeça para baixo a Assembleia Legislativa', isso não permitiremos. Achamos bastante incoerente", explicou Francisco Gualberto. Para ele, a Alese conta com assessores jurídicos competentes e com larga experiência, assim como o seu mandato, que é assessorado pelo escritório do advogado Paulo Ernani e também pelo advogado João Garcez.
Francisco Gualberto ressalta que é um defensor intransigente da Casa legislativa. "Defender a Casa não é querer criar as condições impossíveis para que ela atue. Aí não estou defendendo, e sim expondo a Casa", argumenta, lembrando que a Assembleia Legislativa segue a Constituição estadual, e por isso não pode gerar despesas ao Executivo através de seus projetos de lei apresentados. "Para a Casa funcionar bem, não significa legislar sobre o que não pode fazer. Eu tenho tranquilidade em defender isso", disse.

A arrogância de membros da oposição na Assembleia Legislativa foi mais uma vez alvo de critica do vice-presidente da Casa, deputado Francisco Gualberto (PT), na sessão desta quarta-feira. Após perder uma votação de emenda no plenário, a deputada Kitty Lima esbravejou contra os colegas na tribuna e foi seguida por outros membros da oposição. Um deles chegou a afirmar que 'a turma nova chegou, sabe fazer direito e vai fazer. E a turma velha não sabe e sempre fez errado', numa alusão aos deputados mais antigos. "Acho isso de uma prepotência extraordinária", resumiu Gualberto.
Para o vice-presidente, a queixa de Kitty Lima, que teve uma emenda a um projeto de lei de sua autoria rejeitada, não tem fundamento. O projeto, inclusive, foi aprovado por unanimidade, mas a emenda não. "Abrir um precedente desse, em nome de que 'eu sou o novo e vou virar de cabeça para baixo a Assembleia Legislativa', isso não permitiremos. Achamos bastante incoerente", explicou Francisco Gualberto. Para ele, a Alese conta com assessores jurídicos competentes e com larga experiência, assim como o seu mandato, que é assessorado pelo escritório do advogado Paulo Ernani e também pelo advogado João Garcez.
Francisco Gualberto ressalta que é um defensor intransigente da Casa legislativa. "Defender a Casa não é querer criar as condições impossíveis para que ela atue. Aí não estou defendendo, e sim expondo a Casa", argumenta, lembrando que a Assembleia Legislativa segue a Constituição estadual, e por isso não pode gerar despesas ao Executivo através de seus projetos de lei apresentados. "Para a Casa funcionar bem, não significa legislar sobre o que não pode fazer. Eu tenho tranquilidade em defender isso", disse.