Em reunião com João Daniel e Sindisan, governador garante interesse em manter Deso pública

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Aspecto da reunião do governador com dirigentes do Sindisan
Aspecto da reunião do governador com dirigentes do Sindisan

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/04/2019 às 10:11:00

 

O interesse em manter a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) como empresa pública externado pelo governador Belivaldo Chagas em reunião realizada com o deputado federal João Daniel (PT/SE) e diretoria do Sindicato dos Trabalhadores da Deso, Cohidro e sistemas próprios (Sindisan) foi registrado em discurso feito pelo parlamentar na sessão da Câmara dos Deputados desta terça-feira, dia 16. Durante a reunião, ocorrida na noite da última sexta-feira, dia 12, o governador foi bem claro em seu projeto para a Deso.
"Seu projeto é termos uma empresa forte, estatal que resolva os problemas da população sergipana e melhore a cada dia os serviços prestados aos sergipanos", acrescentou João Daniel. Ele parabenizou a postura do sindicato, em nome de todos os trabalhadores e trabalhadoras da empresa, pela luta que têm travado para evitar a privatização da Companhia.
Nesta segunda-feira, o deputado federal João Daniel também participou de audiência pública realizada em conjunto pelas Comissões de Desenvolvimento Urbano (CDU), de Legislação Participativa (CLP), Direitos Humanos e Minorias (CDHM), e pela Comissão de Integração Nacional e Desenvolvimento Regional e da Amazônia (Cindra), para debater a medida provisória 868/2018, que trata sobre a privatização das empresas de água e saneamento do país. "Esta MP do governo Bolsonaro e Temer quer o fim da água e saneamento públicos para os brasileiros. Mas nós continuamos na luta, na defesa da água e saneamento como sendo direitos da população e não como mercadoria", afirmou o parlamentar.
Entre os pontos da MP 868/18, ela traz mudanças na prestação de serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário, manejo de resíduos sólidos e de águas pluviais em todo País. Durante a audiência, o presidente do Sindicato dos Urbanitários do Pará, Pedro Blois, ressaltou que a privatização vai aumentar o valor da tarifa e não vai universalizar o acesso.

O interesse em manter a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) como empresa pública externado pelo governador Belivaldo Chagas em reunião realizada com o deputado federal João Daniel (PT/SE) e diretoria do Sindicato dos Trabalhadores da Deso, Cohidro e sistemas próprios (Sindisan) foi registrado em discurso feito pelo parlamentar na sessão da Câmara dos Deputados desta terça-feira, dia 16. Durante a reunião, ocorrida na noite da última sexta-feira, dia 12, o governador foi bem claro em seu projeto para a Deso.
"Seu projeto é termos uma empresa forte, estatal que resolva os problemas da população sergipana e melhore a cada dia os serviços prestados aos sergipanos", acrescentou João Daniel. Ele parabenizou a postura do sindicato, em nome de todos os trabalhadores e trabalhadoras da empresa, pela luta que têm travado para evitar a privatização da Companhia.
Nesta segunda-feira, o deputado federal João Daniel também participou de audiência pública realizada em conjunto pelas Comissões de Desenvolvimento Urbano (CDU), de Legislação Participativa (CLP), Direitos Humanos e Minorias (CDHM), e pela Comissão de Integração Nacional e Desenvolvimento Regional e da Amazônia (Cindra), para debater a medida provisória 868/2018, que trata sobre a privatização das empresas de água e saneamento do país. "Esta MP do governo Bolsonaro e Temer quer o fim da água e saneamento públicos para os brasileiros. Mas nós continuamos na luta, na defesa da água e saneamento como sendo direitos da população e não como mercadoria", afirmou o parlamentar.
Entre os pontos da MP 868/18, ela traz mudanças na prestação de serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário, manejo de resíduos sólidos e de águas pluviais em todo País. Durante a audiência, o presidente do Sindicato dos Urbanitários do Pará, Pedro Blois, ressaltou que a privatização vai aumentar o valor da tarifa e não vai universalizar o acesso.