Deso ainda não foi notificada de multa sobre Lagoa Doce

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 06/04/2019 às 08:16:00

 

Milton Alves Júnior
Um atraso no sistema 
operacional dos Cor
reios pode estar contribuindo para que a direção da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), ainda não tenha recebido um comunicado oficializando a aplicação de multa por supostamente desrespeitar a legislação ambiental. Segundo acusações apresentadas pela Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), a Deso iniciou irregularmente o serviço de aterramento da Lagoa Doce, localizado no bairro Jabotiana, em Aracaju. Conforme destacado pela Adema, até o último dia 28 de março o processo de alvará que autoriza a construção de uma estação de tratamento de esgoto ainda estava em processo de tramitação e não poderia ser iniciada.
Essa penalidade inicial orçada em dez mil reais foi protocolada nos Correios na última segunda-feira. Ainda nesta semana, a produção de uma segunda multa - já prevista e previamente anunciada pela Adema -, também segue em tramitação e deve chegar à sede da Deso, em Aracaju, nos próximos dez dias úteis. A penalidade financeira posterior ocorreu após peritos da Adema identificarem que a própria Deso voltou a desrespeitar a legislação por ter feito alargamento de uma pista na região sem a devida autorização. O valor desde ser semelhante à primeira multa, mas pode sofrer reajuste para mais caso a equipe técnica compreenda que houve reincidência.
Em nota encaminhada pela Deso no início desta semana ao JORNAL DO DIA, a companhia informa que 25% do volume da lagoa será aterrado, não causando nenhum prejuízo ao bioma local. Essa estação está em execução nesse local por reunir condições topográficas favoráveis para um empreendimento desse tipo. Ele estará próximo a margem do rio, e também está em um local mais baixo, que facilita o deslocamento do efluente até o ponto de tratamento para ser dada a destinação final. O serviço conta ainda com a instalação da tubulação que levará o esgoto doméstico para ser tratado. O prazo de conclusão é de 540 dias e o investimento está orçado em mais de R$ 100 milhões.

Milton Alves Júnior

Um atraso no sistema  operacional dos Cor reios pode estar contribuindo para que a direção da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), ainda não tenha recebido um comunicado oficializando a aplicação de multa por supostamente desrespeitar a legislação ambiental. Segundo acusações apresentadas pela Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), a Deso iniciou irregularmente o serviço de aterramento da Lagoa Doce, localizado no bairro Jabotiana, em Aracaju. Conforme destacado pela Adema, até o último dia 28 de março o processo de alvará que autoriza a construção de uma estação de tratamento de esgoto ainda estava em processo de tramitação e não poderia ser iniciada.
Essa penalidade inicial orçada em dez mil reais foi protocolada nos Correios na última segunda-feira. Ainda nesta semana, a produção de uma segunda multa - já prevista e previamente anunciada pela Adema -, também segue em tramitação e deve chegar à sede da Deso, em Aracaju, nos próximos dez dias úteis. A penalidade financeira posterior ocorreu após peritos da Adema identificarem que a própria Deso voltou a desrespeitar a legislação por ter feito alargamento de uma pista na região sem a devida autorização. O valor desde ser semelhante à primeira multa, mas pode sofrer reajuste para mais caso a equipe técnica compreenda que houve reincidência.
Em nota encaminhada pela Deso no início desta semana ao JORNAL DO DIA, a companhia informa que 25% do volume da lagoa será aterrado, não causando nenhum prejuízo ao bioma local. Essa estação está em execução nesse local por reunir condições topográficas favoráveis para um empreendimento desse tipo. Ele estará próximo a margem do rio, e também está em um local mais baixo, que facilita o deslocamento do efluente até o ponto de tratamento para ser dada a destinação final. O serviço conta ainda com a instalação da tubulação que levará o esgoto doméstico para ser tratado. O prazo de conclusão é de 540 dias e o investimento está orçado em mais de R$ 100 milhões.