Voo da Avianca é cancelado após decisão judicial

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Em séria crise financeira, Avianca cancelou rotas e negocia venda de ativos
Em séria crise financeira, Avianca cancelou rotas e negocia venda de ativos

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/04/2019 às 08:00:00

 

Jonas Valente 
Agência Brasil 
Uma aeronave da Avianca foi impedida de decolar ontem em Brasília (DF), em razão de uma proibição judicial. Credores que arrendam aviões para a companhia aérea obtiveram uma liminar para a penhora do veículo com vistas a receber os valores devido pela empresa a eles. A Avianca está em recuperação judicial desde o fim do ano passado.
O avião estava previsto para fazer o trecho de Brasília até o aeroporto de Congonhas, em São Paulo (SP), no início da noite de ontem. Os passageiros já haviam embarcado. Oficiais de Justiça apresentaram a liminar e impediram que o avião levantasse voo.
Segundo a Avianca, a liminar foi "derrubada imediatamente", mas não a tempo para evitar que o voo fosse cancelado. De acordo com a companhia aérea, os passageiros foram realocados em um voo à 1h18. Eles chegaram a São Paulo por volta das 2h30. A assessoria informou que, além da realocação, foi fornecido vale-alimentação. "A Avianca Brasil informa que tomou as medidas necessárias, e que os passageiros impactados foram reacomodados no voo que partiu de Brasília à 1h18. A empresa informa que segue operando normalmente", afirma a companhia em nota.
A disputa entre a Avianca e credores vem ocorrendo há vários meses. Uma assembleia ocorre nesta sexta-feira entre as partes para tentar chegar a um acordo. As dívidas da Avianca somavam mais de R$ 500 milhões. Em janeiro, a empresa chegou a devolver suas aeronaves. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também cancelou o registro de alguns aviões arrendados no início do ano.
A companhia aérea negocia a venda de ativos. A Azul anunciou interesse em adquirir 30 aviões e 70 slots (termo usado na aviação para se referir ao direito de pousar ou decolar em aeroportos congestionados). Nesta semana, as empresas aéreas Gol e Latam também informaram ter intenção de entrar na disputa.

Uma aeronave da Avianca foi impedida de decolar ontem em Brasília (DF), em razão de uma proibição judicial. Credores que arrendam aviões para a companhia aérea obtiveram uma liminar para a penhora do veículo com vistas a receber os valores devido pela empresa a eles. A Avianca está em recuperação judicial desde o fim do ano passado.
O avião estava previsto para fazer o trecho de Brasília até o aeroporto de Congonhas, em São Paulo (SP), no início da noite de ontem. Os passageiros já haviam embarcado. Oficiais de Justiça apresentaram a liminar e impediram que o avião levantasse voo.
Segundo a Avianca, a liminar foi "derrubada imediatamente", mas não a tempo para evitar que o voo fosse cancelado. De acordo com a companhia aérea, os passageiros foram realocados em um voo à 1h18. Eles chegaram a São Paulo por volta das 2h30. A assessoria informou que, além da realocação, foi fornecido vale-alimentação. "A Avianca Brasil informa que tomou as medidas necessárias, e que os passageiros impactados foram reacomodados no voo que partiu de Brasília à 1h18. A empresa informa que segue operando normalmente", afirma a companhia em nota.
A disputa entre a Avianca e credores vem ocorrendo há vários meses. Uma assembleia ocorre nesta sexta-feira entre as partes para tentar chegar a um acordo. As dívidas da Avianca somavam mais de R$ 500 milhões. Em janeiro, a empresa chegou a devolver suas aeronaves. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também cancelou o registro de alguns aviões arrendados no início do ano.
A companhia aérea negocia a venda de ativos. A Azul anunciou interesse em adquirir 30 aviões e 70 slots (termo usado na aviação para se referir ao direito de pousar ou decolar em aeroportos congestionados). Nesta semana, as empresas aéreas Gol e Latam também informaram ter intenção de entrar na disputa.