TCE fará auditoria na folha de pagamento do Estado

Política

 

Em sessão plenária na 
manhã de ontem, o 
colegiado do Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE) decidiu pela realização de uma auditoria na folha de pagamento do Governo do Estado, a fim de constatar possíveis irregularidades que estejam causando prejuízo aos cofres públicos. 
A medida foi proposta aos conselheiros pelo presidente do TCE, conselheiro Ulices Andrade, após solicitação do governador Belivaldo Chagas, e buscará rastrear situações como acumulações indevidas de cargos ou recebimentos acima do teto constitucional. "Recebemos um ofício do governador diante dos problemas financeiros que o Estado tem vivenciado, para que fizéssemos um cruzamento com dados do Estado e também dos municípios, verificando se há pagamentos indevidos", comentou Ulices.
Para isso, a equipe técnica da Diretoria de Modernização e Tecnologia (DMT) utilizará sistemas de tecnologia da informação que vêm sendo aprimorados justamente com esse intuito."É uma providência importante para identificar eventuais desconformidades em relação a servidores fantasmas, inclusão indevida de gratificações, acúmulo de vínculos, enfim, maneiras que possam levar a que se cumpra efetivamente a lei e que se possa evitar desperdício de recursos públicos", observou o procurador-geral do Ministério Público de Contas, João Augusto Bandeira de Mello.
Ainda de acordo com o presidente do TCE, a ação será similar ao trabalho feito pelo TCE de Minas Gerais, que recentemente utilizou de uma nova ferramenta tecnológica para equacionar e resolver a questão do acúmulo de cargos no Estado.

Em sessão plenária na  manhã de ontem, o  colegiado do Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE) decidiu pela realização de uma auditoria na folha de pagamento do Governo do Estado, a fim de constatar possíveis irregularidades que estejam causando prejuízo aos cofres públicos. 
A medida foi proposta aos conselheiros pelo presidente do TCE, conselheiro Ulices Andrade, após solicitação do governador Belivaldo Chagas, e buscará rastrear situações como acumulações indevidas de cargos ou recebimentos acima do teto constitucional. "Recebemos um ofício do governador diante dos problemas financeiros que o Estado tem vivenciado, para que fizéssemos um cruzamento com dados do Estado e também dos municípios, verificando se há pagamentos indevidos", comentou Ulices.
Para isso, a equipe técnica da Diretoria de Modernização e Tecnologia (DMT) utilizará sistemas de tecnologia da informação que vêm sendo aprimorados justamente com esse intuito."É uma providência importante para identificar eventuais desconformidades em relação a servidores fantasmas, inclusão indevida de gratificações, acúmulo de vínculos, enfim, maneiras que possam levar a que se cumpra efetivamente a lei e que se possa evitar desperdício de recursos públicos", observou o procurador-geral do Ministério Público de Contas, João Augusto Bandeira de Mello.
Ainda de acordo com o presidente do TCE, a ação será similar ao trabalho feito pelo TCE de Minas Gerais, que recentemente utilizou de uma nova ferramenta tecnológica para equacionar e resolver a questão do acúmulo de cargos no Estado.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS