Petrobras já tem três propostas pela Fafen

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O GOVERNADOR BELIVALDO CHAGAS LIDEROU AUTORIDADES SERGIPANAS DURANTE AUDIÊNCIA COM A DIRETORIA DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO. EMPRESA RECEBE PROPOSTAS PARA ARRENDAMENTO DA FAFEN
O GOVERNADOR BELIVALDO CHAGAS LIDEROU AUTORIDADES SERGIPANAS DURANTE AUDIÊNCIA COM A DIRETORIA DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO. EMPRESA RECEBE PROPOSTAS PARA ARRENDAMENTO DA FAFEN

Os participantes da reunião na sede da Petrobras
Os participantes da reunião na sede da Petrobras

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/03/2019 às 06:38:00

 

O governador Beli-
valdo Chagas vol-
tou a debater a importância do funcionamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) para a economia sergipana. Nesta sexta-feira (22), em reunião com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, na sede da empresa no Rio de Janeiro, o governador questionou quais são as medidas efetivas que o Estado tem que tomar para poder contribuir com a continuidade da operação da Fafen em Sergipe. 
A reunião foi acompanhada pelo secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Márcio Felix, o senador por Sergipe, Alessandro Vieira, o deputado federal Laércio Oliveira, o deputado estadual José Sobral, o ex-governador Albano Franco e os secretários de estado José Augusto (Desenvolvimento Econômico) e José Sales Neto (Comunicação).
Roberto Castello explicou que para a estatal de petróleo a Fafen é estruturalmente inviável devido ao preço do gás. De acordo com ele, a Unidade registra um prejuízo anual de R$ 250 milhões. Em hibernação, esse valor é de R$ 10 milhões mensais. 
A decisão inicial da Petrobras era vender, porém não foi encontrado comprador. Agora, a empresa oferta arredamento e já há três empresas interessadas. A informação é que o governo pode contribuir tornando o negócio mais atrativo. 
O governador afirmou que trabalhará para viabilizar o sucesso do arrendamento, haja vista a necessidade de se manter a Fafen em operação não só pela dependência nacional de fertilizantes, mas pela manutenção de empregos, da cadeia produtiva e da arrecadação de ICMS para o Estado.
"O governo fará o que for preciso para evitar o fechamento da Fafen. Temos uma cadeira produtiva na região que gera emprego, renda e impostos. São mais de 5 mil empregos indiretos! Além disso, o fechamento da Unidade tornará o Brasil totalmente dependente da importação de fertilizantes ", disse, informando que próximo dia 09, estará com o governador da Bahia, Rui Costa, discutindo o tema no Ministério de Minas e Energias.
Laércio Oliveira falou sobre a participação da Fafen na economia do estado e solicitou que a Petrobras reveja o fechamento até o arrendamento. Com fábricas em Sergipe, em Laranjeiras, e na Bahia, em Camaçari, a Fafen tem potencial para empregar 1.500 trabalhadores e gerar mais de 5 mil empregos indiretos.  Em hibernação desde janeiro, as unidades eram responsáveis por 30% da produção de fertilizantes do País, que importa 70% dela a fim de abastecer a produção nacional de alimentos.
O senador Alessandro Vieira propôs que o governo Federal assuma a Fafen enquanto a Petrobras negocia com investidores, evitando, assim, a hibernação.
Para o ex-governador Albano Franco a concretização desse processo de arrendamento é de fundamental importância para a economia sergipana, pela importância da FAFEN como empresa-mãe do Polo de Fertilizantes de Sergipe, entre outros efeitos diretos e indiretos da empresa na economia do Estado.

O governador Beli- valdo Chagas vol- tou a debater a importância do funcionamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) para a economia sergipana. Nesta sexta-feira (22), em reunião com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, na sede da empresa no Rio de Janeiro, o governador questionou quais são as medidas efetivas que o Estado tem que tomar para poder contribuir com a continuidade da operação da Fafen em Sergipe. 
A reunião foi acompanhada pelo secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Márcio Felix, o senador por Sergipe, Alessandro Vieira, o deputado federal Laércio Oliveira, o deputado estadual José Sobral, o ex-governador Albano Franco e os secretários de estado José Augusto (Desenvolvimento Econômico) e José Sales Neto (Comunicação).
Roberto Castello explicou que para a estatal de petróleo a Fafen é estruturalmente inviável devido ao preço do gás. De acordo com ele, a Unidade registra um prejuízo anual de R$ 250 milhões. Em hibernação, esse valor é de R$ 10 milhões mensais. 
A decisão inicial da Petrobras era vender, porém não foi encontrado comprador. Agora, a empresa oferta arredamento e já há três empresas interessadas. A informação é que o governo pode contribuir tornando o negócio mais atrativo. 
O governador afirmou que trabalhará para viabilizar o sucesso do arrendamento, haja vista a necessidade de se manter a Fafen em operação não só pela dependência nacional de fertilizantes, mas pela manutenção de empregos, da cadeia produtiva e da arrecadação de ICMS para o Estado.
"O governo fará o que for preciso para evitar o fechamento da Fafen. Temos uma cadeira produtiva na região que gera emprego, renda e impostos. São mais de 5 mil empregos indiretos! Além disso, o fechamento da Unidade tornará o Brasil totalmente dependente da importação de fertilizantes ", disse, informando que próximo dia 09, estará com o governador da Bahia, Rui Costa, discutindo o tema no Ministério de Minas e Energias.
Laércio Oliveira falou sobre a participação da Fafen na economia do estado e solicitou que a Petrobras reveja o fechamento até o arrendamento. Com fábricas em Sergipe, em Laranjeiras, e na Bahia, em Camaçari, a Fafen tem potencial para empregar 1.500 trabalhadores e gerar mais de 5 mil empregos indiretos.  Em hibernação desde janeiro, as unidades eram responsáveis por 30% da produção de fertilizantes do País, que importa 70% dela a fim de abastecer a produção nacional de alimentos.
O senador Alessandro Vieira propôs que o governo Federal assuma a Fafen enquanto a Petrobras negocia com investidores, evitando, assim, a hibernação.
Para o ex-governador Albano Franco a concretização desse processo de arrendamento é de fundamental importância para a economia sergipana, pela importância da FAFEN como empresa-mãe do Polo de Fertilizantes de Sergipe, entre outros efeitos diretos e indiretos da empresa na economia do Estado.