Defesa Civil mantém alerta sobre riscos em função das chuvas e ventos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
CASAS E PRÉDIOS FORAM DESTELHADOS PELOS VENTOS
CASAS E PRÉDIOS FORAM DESTELHADOS PELOS VENTOS

Técnicos da Defesa Civil vistoriam apartamento no 17 de Março
Técnicos da Defesa Civil vistoriam apartamento no 17 de Março

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/03/2019 às 06:34:00

 

Milton Alves Júnior
Mais de dez árvores 
desabaram nas 
últimas 72 horas, e ao menos 50 necessitaram de poda emergencial. Esse é o balanço parcial apresentado pela Defesa Civil Municipal após o início do mal tempo que predominou em Aracaju e nos demais bairros da Região Metropolitana. Apresentando maior vulnerabilidade, 14 prédios erguidos no bairro Santa Maria, zona Sul da capital sergipana, tiveram a respectiva área externa interditada em virtude da queda sequencial de telhas durante o registro de rajadas de ventos com até 50 km/h. Além do condomínio, três casas também com risco de colapso foram temporariamente interditadas.
Algumas dessas medidas preventivas foram aplicadas ainda na noite de quinta-feira, 21, e devem permanecer por tempo ilimitado, ou até que os serviços de manutenção sejam concluídos e uma nova inspeção aprove a regularidade estrutural. Moradores pediram apoio da Prefeitura de Aracaju e já na manhã de ontem grupos de operários foram encaminhados ao local para tentar reparar a destruição provocada pela corrente de ar. De acordo com o major Sílvio Prado, coordenador geral da Defesa Civil de Aracaju, apesar da insatisfação apresentada por alguns condôminos, o bloqueio se fez necessário justamente para manterá integridade física dos moradores, funcionários e visitantes do condomínio.
"Recebemos pedido de vistoria por parte de alguns moradores e quando nossas equipes chegaram ao local se depararam com os riscos. Para se ter uma ideia, ao menos 120 apartamentos nos 30 prédios afetados e a parte externa de 14 prédios está isolada pelo risco de queda do telhado. Essa medida se faz necessária e visa cessar qualquer possibilidade de dano maior às pessoas." O serviço de manutenção foi realizado, através da Empresa Municipal de Obras e Urbanismo (Emurb). Diante da representatividade da destruição provocada pela natureza, todo o serviço ser concluído entre 15 e 30 dias. O Centro de Meteorologia de Sergipe indicou que as chuvas atingiram um índice pluviométrico de 60 milímetros.
Para este final de semana as chuvas devem alcançar até 8 milímetros na capital. No interior a região do Baixo São Francisco e Alto Sertão foram as que receberam maior número de chuvas com a média de 100mm. O Centro Agreste recebeu uma média de 80mm, centro Sul e Sul 50mm a 60mm, Capital, Grande Aracaju e Regiões dos Vales Cotinguiba e Riachuelo apontam 50mm. A Defesa Civil pede que se porventura a população se deparar com rachaduras, inclinação de árvores e postes, movimentação de massas (nos morros), é preciso que se entre em contato com a Defesa Civil, por meio do número emergencial 199. O serviço funciona 24h por dia, todos os dias da semana.
"Nosso trabalho apesar de ser realizado por órgãos diferentes, ele acaba sendo integrado. Defesa Civil Estadual, Municipal, Corpo de Bombeiros e a Emsurb com um só foco que é evitar acidentes. Estamos em estado de alerta e em caso de riscos podem nos acionar o mais rápido possível", concluiu Silvio Prado.

Milton Alves Júnior

Mais de dez árvores  desabaram nas  últimas 72 horas, e ao menos 50 necessitaram de poda emergencial. Esse é o balanço parcial apresentado pela Defesa Civil Municipal após o início do mal tempo que predominou em Aracaju e nos demais bairros da Região Metropolitana. Apresentando maior vulnerabilidade, 14 prédios erguidos no bairro Santa Maria, zona Sul da capital sergipana, tiveram a respectiva área externa interditada em virtude da queda sequencial de telhas durante o registro de rajadas de ventos com até 50 km/h. Além do condomínio, três casas também com risco de colapso foram temporariamente interditadas.
Algumas dessas medidas preventivas foram aplicadas ainda na noite de quinta-feira, 21, e devem permanecer por tempo ilimitado, ou até que os serviços de manutenção sejam concluídos e uma nova inspeção aprove a regularidade estrutural. Moradores pediram apoio da Prefeitura de Aracaju e já na manhã de ontem grupos de operários foram encaminhados ao local para tentar reparar a destruição provocada pela corrente de ar. De acordo com o major Sílvio Prado, coordenador geral da Defesa Civil de Aracaju, apesar da insatisfação apresentada por alguns condôminos, o bloqueio se fez necessário justamente para manterá integridade física dos moradores, funcionários e visitantes do condomínio.
"Recebemos pedido de vistoria por parte de alguns moradores e quando nossas equipes chegaram ao local se depararam com os riscos. Para se ter uma ideia, ao menos 120 apartamentos nos 30 prédios afetados e a parte externa de 14 prédios está isolada pelo risco de queda do telhado. Essa medida se faz necessária e visa cessar qualquer possibilidade de dano maior às pessoas." O serviço de manutenção foi realizado, através da Empresa Municipal de Obras e Urbanismo (Emurb). Diante da representatividade da destruição provocada pela natureza, todo o serviço ser concluído entre 15 e 30 dias. O Centro de Meteorologia de Sergipe indicou que as chuvas atingiram um índice pluviométrico de 60 milímetros.
Para este final de semana as chuvas devem alcançar até 8 milímetros na capital. No interior a região do Baixo São Francisco e Alto Sertão foram as que receberam maior número de chuvas com a média de 100mm. O Centro Agreste recebeu uma média de 80mm, centro Sul e Sul 50mm a 60mm, Capital, Grande Aracaju e Regiões dos Vales Cotinguiba e Riachuelo apontam 50mm. A Defesa Civil pede que se porventura a população se deparar com rachaduras, inclinação de árvores e postes, movimentação de massas (nos morros), é preciso que se entre em contato com a Defesa Civil, por meio do número emergencial 199. O serviço funciona 24h por dia, todos os dias da semana.
"Nosso trabalho apesar de ser realizado por órgãos diferentes, ele acaba sendo integrado. Defesa Civil Estadual, Municipal, Corpo de Bombeiros e a Emsurb com um só foco que é evitar acidentes. Estamos em estado de alerta e em caso de riscos podem nos acionar o mais rápido possível", concluiu Silvio Prado.