Centro de Aracaju possui grande potencial turístico

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
PRAÇA FAUSTO CARDOSO, CENTRO DE ARACAJU: CIDADE COMEMORA 164 ANOS E PREFEITURA VAI PROMOVER HOJE APENAS MISSA NA IGREJA DO SANTO ANTONIO E HOMENAGEM A INÁCIO BARBOSA
PRAÇA FAUSTO CARDOSO, CENTRO DE ARACAJU: CIDADE COMEMORA 164 ANOS E PREFEITURA VAI PROMOVER HOJE APENAS MISSA NA IGREJA DO SANTO ANTONIO E HOMENAGEM A INÁCIO BARBOSA

Setor de artesanato no Mercado Municipal de Aracaju
Setor de artesanato no Mercado Municipal de Aracaju

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 16/03/2019 às 14:50:00

 

O Centro de Aracaju 
possui grande po
tencial turístico. Assim como em diversos lugares pelo mundo a fora, é no centro da cidade que a vida histórica de Aracaju se inicia. Neste 17 de março, a capital sergipana completa 164 anos e em um pequeno passeio pela sua região central, é possível conhecer um pouco da sua história, admirar belas paisagens, provar sabores e registrar momentos que só Aracaju pode proporcionar.
Esse mais de um século e meio de existência começou a nascer na Colina do Santo Antônio, e foi neste berço da cidade que os sergipanos puderam ver a sua capital crescer, se desenvolver e atrair pessoas de vários lugares do Brasil e do mundo. A visita ao local vale muito a pena, pois além de conhecer esse marco histórico, é possível ver um dos mais belos cenários da cidade, com uma vista panorâmica que permite visualizar o centro e até mesmo à Ilha de Santa Luzia.
No topo da colina está a charmosa Igreja de Santo Antônio, um local histórico, pois nela aconteceu a Assembleia Provincial que definiu a mudança da capital de São Cristóvão para Aracaju. A igreja construída com traços do século XIX, foi elevada à paróquia em dezembro de 1915 e atrai anualmente centenas de fieis e turistas que vão admirar sua arquitetura gótica.
Descendo a Colina do Santo Antônio e se dirigindo à frente do Rio Sergipe estão os Mercados Centrais, cujo repertório de variedades culturais do nordeste é enorme. "Aqui tem bastante coisa característica da região, fora o habitual que são roupas e artesanatos. Tem um potencial turístico significativo, principalmente para estrangeiros que podem conhecer mais dessa cultura",  observa o turista Edson Ferrônio, natural de São Paulo.
Gastronomia - O turista que anda pelas vielas do mercado pode visualizar o artesanato de diversas formas: cerâmica, palha, tecido, e adquirir produtos variados como redes, brinquedos em madeira, bolsas e muito mais. Além disso, a variedade de opções gastronômicas é significativa. Pratos tipicamente sergipanos, com sabor de comida caseira, fazem o turista sentir que Aracaju é sua segunda casa. "Sempre que venho a Aracaju faço questão de passar pelos mercados. Gosto de ver os objetos em rendas, provar as comidas e curtir um pouco desse ambiente", afirma a terapeuta paulista Giseli Costa.
Andando mais um pouco pela avenida Ivo do Prado, é possível visualizar o antigo Terminal Hidroviário, que hoje abriga o Espaço Zé Peixe. Inaugurado em maio de 2015 pelo Governo do Estado, o local recebeu um investimento de mais de 1,2 milhões de reais para abrigar o memorial do ícone aracajuano conhecido pelos feitos no Rio Sergipe.
Sua área possui os registros das atividades protagonizados pelo prático que conduzia as embarcações que entravam e saiam de Aracaju, pela boca da Barra do Rio Sergipe.  O local conta também com uma vista incrível para o rio, e abriga um tototó, canoa de madeira a motor, que por muito anos foi a principal forma de travessia entre a capital e o município da Barra dos Coqueiros, na Ilha de Santa Luzia. Os tototós hoje são patrimônio cultural dos sergipanos.

O Centro de Aracaju  possui grande po tencial turístico. Assim como em diversos lugares pelo mundo a fora, é no centro da cidade que a vida histórica de Aracaju se inicia. Neste 17 de março, a capital sergipana completa 164 anos e em um pequeno passeio pela sua região central, é possível conhecer um pouco da sua história, admirar belas paisagens, provar sabores e registrar momentos que só Aracaju pode proporcionar.
Esse mais de um século e meio de existência começou a nascer na Colina do Santo Antônio, e foi neste berço da cidade que os sergipanos puderam ver a sua capital crescer, se desenvolver e atrair pessoas de vários lugares do Brasil e do mundo. A visita ao local vale muito a pena, pois além de conhecer esse marco histórico, é possível ver um dos mais belos cenários da cidade, com uma vista panorâmica que permite visualizar o centro e até mesmo à Ilha de Santa Luzia.
No topo da colina está a charmosa Igreja de Santo Antônio, um local histórico, pois nela aconteceu a Assembleia Provincial que definiu a mudança da capital de São Cristóvão para Aracaju. A igreja construída com traços do século XIX, foi elevada à paróquia em dezembro de 1915 e atrai anualmente centenas de fieis e turistas que vão admirar sua arquitetura gótica.
Descendo a Colina do Santo Antônio e se dirigindo à frente do Rio Sergipe estão os Mercados Centrais, cujo repertório de variedades culturais do nordeste é enorme. "Aqui tem bastante coisa característica da região, fora o habitual que são roupas e artesanatos. Tem um potencial turístico significativo, principalmente para estrangeiros que podem conhecer mais dessa cultura",  observa o turista Edson Ferrônio, natural de São Paulo.

Gastronomia - O turista que anda pelas vielas do mercado pode visualizar o artesanato de diversas formas: cerâmica, palha, tecido, e adquirir produtos variados como redes, brinquedos em madeira, bolsas e muito mais. Além disso, a variedade de opções gastronômicas é significativa. Pratos tipicamente sergipanos, com sabor de comida caseira, fazem o turista sentir que Aracaju é sua segunda casa. "Sempre que venho a Aracaju faço questão de passar pelos mercados. Gosto de ver os objetos em rendas, provar as comidas e curtir um pouco desse ambiente", afirma a terapeuta paulista Giseli Costa.
Andando mais um pouco pela avenida Ivo do Prado, é possível visualizar o antigo Terminal Hidroviário, que hoje abriga o Espaço Zé Peixe. Inaugurado em maio de 2015 pelo Governo do Estado, o local recebeu um investimento de mais de 1,2 milhões de reais para abrigar o memorial do ícone aracajuano conhecido pelos feitos no Rio Sergipe.
Sua área possui os registros das atividades protagonizados pelo prático que conduzia as embarcações que entravam e saiam de Aracaju, pela boca da Barra do Rio Sergipe.  O local conta também com uma vista incrível para o rio, e abriga um tototó, canoa de madeira a motor, que por muito anos foi a principal forma de travessia entre a capital e o município da Barra dos Coqueiros, na Ilha de Santa Luzia. Os tototós hoje são patrimônio cultural dos sergipanos.