Siri na Lata agita Centro de Aracaju contra Reforma da Previdência

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
PELO 14º ANO CONSECUTIVO, O BLOCO SIRI NA LATA DESFILOU PELAS RUAS CENTRAIS DE ARACAJU, PROTESTANDO CONTRA A REFORMA DAPREVIDÊNCIA PROPOSTA POR BOLSONARO
PELO 14º ANO CONSECUTIVO, O BLOCO SIRI NA LATA DESFILOU PELAS RUAS CENTRAIS DE ARACAJU, PROTESTANDO CONTRA A REFORMA DAPREVIDÊNCIA PROPOSTA POR BOLSONARO

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 01/03/2019 às 22:33:00

 

Quem não quer trabalhar até morrer sem conseguir se aposentar desfilou pelas ruas de Aracaju junto ao Bloco Carnavalesco da Central Única dos Trabalhadores, o Siri na Lata. Na 14ª edição do desfile de protesto da CUT/SE, o frevo quente juntou os trabalhadores contra a Reforma da Previdência do Governo Bolsonaro, que consegue ser ainda pior do que a Reforma do ilegítimo Temer.
Roberto Silva, vice-presidente do SINTESE e Diretor de Formação da CUT/SE, deu o recado para a população do Centro de Aracaju. "A CUT é contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro que ataca os direitos dos trabalhadores, que impede que os trabalhadores se aposentem. A proposta de Bolsonaro é para trabalharmos até morrer sem ter direito à aposentadoria. Por isso estamos nas ruas, no carnaval e na luta contra a Reforma da Previdência".
A diretora de Comunicação da CUT/SE e dirigente do SINDIJOR, Carol Santos, afirmou que a luta contra a Reforma da Previdência só está começando. "Estamos nessa luta contra a Reforma da Previdência. Quem já está aposentado também será afetado. A Reforma de Bolsonaro vai prejudicar toda a população, principalmente os trabalhadores do campo e as mulheres. Por isso no carnaval não podemos esquecer que a Reforma está na pauta do Congresso Nacional. E no dia Internacional da Mulher, dia 8 de março, vamos ocupar as ruas do Brasil inteiro construindo um marco contra a Reforma da Previdência".
Na luta contra a Hibernação/Privatização da FAFEN/SE, o petroleiro Ivan Calazans dirigente da Federação Única dos Petroleiros (FUP) também participou do protesto. "Estamos juntos na luta para barrar a Reforma da Previdência e para barrar as Privatizações no Brasil, com certeza vamos ter unidade no movimento sindical, pois os trabalhadores entendem como as privatizações prejudicam e colocam em risco a população, além de contribuir com o desmonte do Estado brasileiro. Ainda é possível reverter o processo de Hibernação da FAFEN/SE que já está em andamento, é preciso que haja vontade política para intervir em favor de Sergipe e em favor do Brasil".

Quem não quer trabalhar até morrer sem conseguir se aposentar desfilou pelas ruas de Aracaju junto ao Bloco Carnavalesco da Central Única dos Trabalhadores, o Siri na Lata. Na 14ª edição do desfile de protesto da CUT/SE, o frevo quente juntou os trabalhadores contra a Reforma da Previdência do Governo Bolsonaro, que consegue ser ainda pior do que a Reforma do ilegítimo Temer.
Roberto Silva, vice-presidente do SINTESE e Diretor de Formação da CUT/SE, deu o recado para a população do Centro de Aracaju. "A CUT é contra a Reforma da Previdência de Bolsonaro que ataca os direitos dos trabalhadores, que impede que os trabalhadores se aposentem. A proposta de Bolsonaro é para trabalharmos até morrer sem ter direito à aposentadoria. Por isso estamos nas ruas, no carnaval e na luta contra a Reforma da Previdência".
A diretora de Comunicação da CUT/SE e dirigente do SINDIJOR, Carol Santos, afirmou que a luta contra a Reforma da Previdência só está começando. "Estamos nessa luta contra a Reforma da Previdência. Quem já está aposentado também será afetado. A Reforma de Bolsonaro vai prejudicar toda a população, principalmente os trabalhadores do campo e as mulheres. Por isso no carnaval não podemos esquecer que a Reforma está na pauta do Congresso Nacional. E no dia Internacional da Mulher, dia 8 de março, vamos ocupar as ruas do Brasil inteiro construindo um marco contra a Reforma da Previdência".
Na luta contra a Hibernação/Privatização da FAFEN/SE, o petroleiro Ivan Calazans dirigente da Federação Única dos Petroleiros (FUP) também participou do protesto. "Estamos juntos na luta para barrar a Reforma da Previdência e para barrar as Privatizações no Brasil, com certeza vamos ter unidade no movimento sindical, pois os trabalhadores entendem como as privatizações prejudicam e colocam em risco a população, além de contribuir com o desmonte do Estado brasileiro. Ainda é possível reverter o processo de Hibernação da FAFEN/SE que já está em andamento, é preciso que haja vontade política para intervir em favor de Sergipe e em favor do Brasil".