Matadouros: mais um prefeito preso

Rita Oliveira


  • O prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) recebeu ontem, em seu gabinete, a visita do coordenador da bancada federal de Sergipe, deputado federal Fábio Reis (MDB). No encontro, foi reafirmada a importância da parceria entre a gestão municipal e os parlamentares

 

No dia 7 de novembro de 2018 o prefeito 
Valmir de Francisquinho (PR-Itabaiana) 
foi preso na Operação Abate Final, que investiga um desvio anual de quase R$ 2 milhões da Prefeitura Municipal de Itabaiana em decorrência de desvios de taxas recolhidas no matadouro da cidade.
A ação é fruto de uma investigação do Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap) com a Promotoria do Patrimônio Público e o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco).
Além do prefeito de Itabaiana, foram presos o secretário municipal da Agricultura, Erotildes José de Jesus; Jamerson da Trindade Mota, Breno Veríssimo Melo de Jesus e Manoel Messias de Souza.
Valmir só passou 15 dias preso, uma vez que em 22 de novembro ganhou a liberdade após  o desembargador Diógenes Barreto, do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE), conceder Recurso de Agravo Regimental impetrado por sua defesa e estabelecer medidas cautelares.
Ele continua afastado do comando da prefeitura de Itabaiana, que permanece sendo administrada pela vice Carminha Mendonça. Valmir também está proibido de ter acesso às dependências dos órgãos da prefeitura municipal e do matadouro.
No mesmo dia que Valmir de Francisquinho ganhou liberdade o desembargador Roberto Porto, do Tribunal de Justiça de Sergipe, determinou que o prefeito de Lagarto, Valmir Monteiro (PSC), fosse afastado do cargo por um período de 180 dias por suposta irregularidades referentes, também, ao matadouro municipal. Ele teria passado a administração do matadouro para o amigo pessoal  Eronildes Almeida de Carvalho.
Valmir, que não foi preso como o colega prefeito de Itabaiana, reassumiu a prefeitura de Lagarto no dia 28 de dezembro passado, ou seja, 36 dias após o seu afastamento. Nesse período respondeu pelo comando do município a vice Hilda Ribeiro (SD).
Mas ontem chegou o dia do Valmir, o Monteiro, ser preso na Operação Leak, que investiga crime de lavagem de dinheiro referente a suposto desvio de recursos do matadouro municipal. Promotores de Justiça do Gaeco, delegados e policiais do Deotap cumpriram mandados de busca e apreensão em Aracaju e Lagarto, assim como mandado de prisão de Valmir, do genro Igor Ribeiro Costa Aragão e dos c onsiderados "laranjas" Joel do Nascimento Cruz e Gildo Pinto dos Santos, referente ao matadouro municipal.
Como a operação vazou, nenhum dos quatro estava em suas residências no início da manhã de ontem e não foram encontrados documentos. O prefeito e o genro, que já eram considerados fugitivos, se apresentaram no final da manhã no Deotap acompanhados dos seus advogados. Depois que foram ouvidos fizeram exame de corpo de delito e foram conduzidos para o Presídio Militar, em Aracaju.
 Os sócios da JML Comércio Atacadista de Fumo LTDA, Joel e Gildo, ainda não tinham se apresentado a polícia até o fechamento da coluna ontem. Os promotores de Justiça acham que a empresa é laranja e pertence ao prefeito Valmir, em razão dos sócios serem comissionados (com salário em torno de R$ 1.500,00) e não terem uma vida condizente com o dinheiro faturado pela empresa.
Pelo andar da carruagem, outros prefeitos que estão sendo investigados na questão dos matadouros municipais podem ser presos, se houver indícios de que têm culpa no cartório.
O Brasil está mudando e os políticos continuam achando que vão ficar impunes...

No dia 7 de novembro de 2018 o prefeito  Valmir de Francisquinho (PR-Itabaiana)  foi preso na Operação Abate Final, que investiga um desvio anual de quase R$ 2 milhões da Prefeitura Municipal de Itabaiana em decorrência de desvios de taxas recolhidas no matadouro da cidade.
A ação é fruto de uma investigação do Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap) com a Promotoria do Patrimônio Público e o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco).
Além do prefeito de Itabaiana, foram presos o secretário municipal da Agricultura, Erotildes José de Jesus; Jamerson da Trindade Mota, Breno Veríssimo Melo de Jesus e Manoel Messias de Souza.
Valmir só passou 15 dias preso, uma vez que em 22 de novembro ganhou a liberdade após  o desembargador Diógenes Barreto, do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE), conceder Recurso de Agravo Regimental impetrado por sua defesa e estabelecer medidas cautelares.
Ele continua afastado do comando da prefeitura de Itabaiana, que permanece sendo administrada pela vice Carminha Mendonça. Valmir também está proibido de ter acesso às dependências dos órgãos da prefeitura municipal e do matadouro.
No mesmo dia que Valmir de Francisquinho ganhou liberdade o desembargador Roberto Porto, do Tribunal de Justiça de Sergipe, determinou que o prefeito de Lagarto, Valmir Monteiro (PSC), fosse afastado do cargo por um período de 180 dias por suposta irregularidades referentes, também, ao matadouro municipal. Ele teria passado a administração do matadouro para o amigo pessoal  Eronildes Almeida de Carvalho.
Valmir, que não foi preso como o colega prefeito de Itabaiana, reassumiu a prefeitura de Lagarto no dia 28 de dezembro passado, ou seja, 36 dias após o seu afastamento. Nesse período respondeu pelo comando do município a vice Hilda Ribeiro (SD).
Mas ontem chegou o dia do Valmir, o Monteiro, ser preso na Operação Leak, que investiga crime de lavagem de dinheiro referente a suposto desvio de recursos do matadouro municipal. Promotores de Justiça do Gaeco, delegados e policiais do Deotap cumpriram mandados de busca e apreensão em Aracaju e Lagarto, assim como mandado de prisão de Valmir, do genro Igor Ribeiro Costa Aragão e dos c onsiderados "laranjas" Joel do Nascimento Cruz e Gildo Pinto dos Santos, referente ao matadouro municipal.
Como a operação vazou, nenhum dos quatro estava em suas residências no início da manhã de ontem e não foram encontrados documentos. O prefeito e o genro, que já eram considerados fugitivos, se apresentaram no final da manhã no Deotap acompanhados dos seus advogados. Depois que foram ouvidos fizeram exame de corpo de delito e foram conduzidos para o Presídio Militar, em Aracaju.
 Os sócios da JML Comércio Atacadista de Fumo LTDA, Joel e Gildo, ainda não tinham se apresentado a polícia até o fechamento da coluna ontem. Os promotores de Justiça acham que a empresa é laranja e pertence ao prefeito Valmir, em razão dos sócios serem comissionados (com salário em torno de R$ 1.500,00) e não terem uma vida condizente com o dinheiro faturado pela empresa.
Pelo andar da carruagem, outros prefeitos que estão sendo investigados na questão dos matadouros municipais podem ser presos, se houver indícios de que têm culpa no cartório.
O Brasil está mudando e os políticos continuam achando que vão ficar impunes...

Operação Leak 1

Ontem, em entrevista à imprensa, promotores de justiça do Gaeco do Ministério Público de Sergipe (MP/SE) confirmaram o vazamento de informações e ocultação de provas sobre a Operação Leak. Acreditam que isso ocorreu no final da tarde da quinta-feira, em razão de todos os investigados terem saído no mesmo hor&aacu te;rio de suas residências, terem recebido ligações, levados provas e documentos. 

Operação Leak 2

De acordo com os promotores, um ofício já foi encaminhado a Corregedoria do Tribunal de Justiça de Sergipe para que investigue o vazamento, que possibilitou a retirada de documentos e que nenhum dos acusados fosse preso em suas residências. "Ainda não sabemos de onde partiu as informações, mas já temos alguns indícios", afirmou o promotor Bruno Melo, enfatizando que o vazamento atingiu um "índice elevado" jamais visto. 

Operação Leak 3

O promotor Bruno admitiu existir um esquema dos matadouros, com violação aos crimes da lei de licitação pública. Ressaltou existir sonegação fiscal e lavagem de dinheiro, em razão do dinheiro do abate do animal não ir para os cofres dos municípios, mas para o bolso dos prefeitos. 

Operação Leak 4

Disse ainda o promotor que o genro de Valmir Monteiro tem um patrimônio que não condiz com o seu salário de comissionado da Assembleia Legislativa (R$ 1.300,00). Revelou que comprou um apartamento, que pagou em dinheiro, no valor de cerca de R$ 500 mil, e uma fazenda avaliada em R$ 2 milhões.  

De volta

Se o prefeito Valmir Monteiro ficar preso por mais de 10 dias assumirá interinamente o comando do município a vice-prefeita Hilda Ribeiro (SD), esposa do deputado federal Gustinho Ribeiro (SD). Quando assumiu a prefeitura no final do ano passado Hilda exonerou quase todos os secretários, que foram renomeados por Valmir quando voltou ao comando do município.  Isso provocou uma crise entre o prefeito e o deputado, que acabou sendo contornada.

Nota pública

A Prefeitura de Lagarto divulgou ontem nota sobre a Operação Like. Diz a nota: "A Prefeitura de Lagarto, através da Secretaria de Comunicação, informa que nas primeiras horas da manhã nesta sexta, 22, ocorreu uma operação investigativa nas dependências na sede administrativa da cidade. Todos os funcionários que se encontravam ou que chegaram para cumprir seu expediente de trabalho atuaram de forma a garantir total acesso aos agentes para a operação em questão. Ao final da ação, foi comunicado pelos agentes que apenas a documentação do contrato da Prefeitura com uma empresa denominada CAOL fora apreendida. Sem mais par a o presente momento, voltaremos a prestar esclarecimentos com total transparência e respeito a partir do desenrolar dos fatos".

SPU 1

O governo Bolsonaro já começa a substituir os cargos federais em Sergipe. Foi nomeado ontem para a Superintendência do Patrimônio da União (SPU) o Saulo Vieira, que é primeiro suplente de vereador de Aracaju e ex-presidente estadual do PSL, partido do presidente da República. Saulo atribui sua nomeação ao secretário de Desestatização do Governo Federal, Salim Mattar. 

SPU 2

Saulo Vieira substitui Marcos Alves na SPU, que era uma indicação da senadora Maria do Carmo Alves (DEM). 

Detran

O atual diretor administrativo do Detran, Marcos Sampaio Kuhe, deve assumir a presidência do órgão em substituição a Luciana Déda.  A direção do Detran continua sendo por indicação do deputado estadual Jeferson Andrade (PSD).

Adema

É quase certo mudança no comando da Adema, que tem como diretor presidente Gilvan Dias. O nome sairá de uma conversa do governador Belivaldo Chagas (PSD) com os pastores Virgínio e Joanan, da Assembleia de Deus. 

Elo

O ex-deputado estadual pastor Antônio (PSC) continua frequentando a Assembleia Legislativa, como interlocutor entre a Casa e a Unale (União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais), do qual é diretor. Ele ainda não sabe se em 2022 tentará novamente mandato de deputado federal ou se vai querer voltar a disputar mandato de deputado estadual. "Verei o cenário mais apropriado", declarou à coluna.

Audiência pública

Acontecerá na próxima segunda-feira uma audiência pública em defesa da Fafen-SE, com a presença do ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli. Será às 9h, no plenário da Assembleia Legislativa. A iniciativa é do deputado federal João Daniel (PT) e do deputado estadual Iran Barbosa (PT). A fábrica de fertilizantes de Sergipe vem sendo hibernada no governo Bolsonaro.

Laranjeiras

Na sessão da quinta, 21, o vereador José Carlos Sizino Franco (JJ) usou a tribuna da Câmara de Laranjeiras e denunciou a secretária municipal de Saúde, Lícia Torres Aguiar por suposta perseguição e ameaça aos servidores efetivos. Disse que ela responde a um processo, justamente por ausência das atividades no serviço público de Laranjeiras durante dois anos.

Veja essa ...

O primogênito do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), autorizou sua ex-funcionária Valdenice de Oliveira Meliga - irmã de dois milicianos presos, os gêmeos Alan e Alex Rodrigues Oliveira - a assinar em seu nome cheques de despesas da sua campanha para o Senado.  A revista IstoÉ deste fim de semana exibe dois desses cheques: um de R$ 3,5 mil e outro R$ 5 mil. Valdenice era lotada no gabinete de Flávio, quando deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), foco da investigação que tem o ex-policial Fabrício Queiroz  como suspeito de " movimentações atípicas" de milhões de reais.

Curtas

Os membros das 16 comissões temáticas da Assembleia Legislativa já foram definidos, de acordo com indicação dos blocos de oposição, situação e independentes. Só falta fechar os nomes dos presidentes, o que ocorrerá na próxima segunda-feira com o retorno do presidente Luciano Bispo (MDB), que tinha viajado na quinta para exames médicos de rotina.

O líder do governo na Assembleia Legislativa, Zezinho Sobral (PODE), deverá presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que é uma das mais importantes da Assembleia.

O deputado estadual Iran Barbosa (PT) será o líder do PT na Assembleia Legislativa nos próximos dois anos. O partido tem uma bancada de dois parlamentares na Alese: Francisco Gualberto (PT) e o próprio Iran.

O prefeito de Estância, Gilson Andrade, concederá um reajuste de 4% aos servidores públicos, considerando o índice de revisão que corresponde à variação da inflação medida no período dos últimos 12 meses, pelo INP C-IBGE. É um dos poucos gestores a conceder aumento ao servidor.


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS