TCE contabiliza mais de 360 fiscalizações em portais da transparência

Cidades

 

Entre os meses de janeiro e dezembro de 2018, o Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE) acumulou exatas 361 fiscalizações em portais da transparência de prefeituras, câmaras municipais, órgãos de previdência, secretarias e demais jurisdicionados.
A ação foi conduzida pela equipe técnica da Diretoria de Controle Externo, Obras e Serviços (Dceos), por meio da Coordenadoria de Auditoria Operacional, tendo como referência a métrica adotada pela Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla), coordenada pelo Ministério da Justiça.
Nesse sentido, em cada portal visitado, são buscadas informações referentes a receitas, despesas, processos licitatórios, folha de pagamento, segurança do site, entre outras. 
"Além de avaliarmos os portais, temos disponibilizado nosso corpo técnico para orientar e esclarecer dúvidas dos jurisdicionados que almejam obter melhores desempenhos nas rodadas seguintes", observa o presidente do TCE, conselheiro Ulices Andrade.
Apenas no ano passado, foram divulgadas duas rodadas de avaliações, de modo que ficou evidente a perspectiva de crescimento nas médias dos municípios a partir da ação da Corte de Contas. 
"Há poucos anos víamos municípios que sequer tinham seu Portal da Transparência - hoje todas as prefeituras e câmaras têm. Além disso, a média das notas de transparência dos municípios avaliados pelo TCE subiu de 5, em anos anteriores, para 8, no último ano", avalia a diretora da Dceos, Ana Stella Porto.

Entre os meses de janeiro e dezembro de 2018, o Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE) acumulou exatas 361 fiscalizações em portais da transparência de prefeituras, câmaras municipais, órgãos de previdência, secretarias e demais jurisdicionados.
A ação foi conduzida pela equipe técnica da Diretoria de Controle Externo, Obras e Serviços (Dceos), por meio da Coordenadoria de Auditoria Operacional, tendo como referência a métrica adotada pela Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla), coordenada pelo Ministério da Justiça.
Nesse sentido, em cada portal visitado, são buscadas informações referentes a receitas, despesas, processos licitatórios, folha de pagamento, segurança do site, entre outras. "Além de avaliarmos os portais, temos disponibilizado nosso corpo técnico para orientar e esclarecer dúvidas dos jurisdicionados que almejam obter melhores desempenhos nas rodadas seguintes", observa o presidente do TCE, conselheiro Ulices Andrade.
Apenas no ano passado, foram divulgadas duas rodadas de avaliações, de modo que ficou evidente a perspectiva de crescimento nas médias dos municípios a partir da ação da Corte de Contas. 
"Há poucos anos víamos municípios que sequer tinham seu Portal da Transparência - hoje todas as prefeituras e câmaras têm. Além disso, a média das notas de transparência dos municípios avaliados pelo TCE subiu de 5, em anos anteriores, para 8, no último ano", avalia a diretora da Dceos, Ana Stella Porto.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS