A situação de Luciano

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 18/01/2019 às 06:51:00

 

Termina hoje o prazo de 48 horas que a 
presidente do Tribunal Superior Eleito-
ral (TSE), ministra Rosa Weber, concedeu para que o Ministério Público Eleitoral (MPE) e a coligação do candidato a governador Eduardo Amorim fossem ouvidos sobre a diplomação do presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Bispo (MDB). Ela estabeleceu esse prazo para que possa decidir nos autos o destino político do parlamentar.
Com isso, é grande a expectativa sobre a decisão da ministra. É que Luciano é o nome de consenso dos parlamentares e do governador Belivaldo Chagas (PSD) para continuar presidente da Assembleia no biênio 2019/2020, cuja eleição acontecerá no próximo dia 1º de fevereiro.
Se a decisão de Rosa Weber não for favorável a Bispo, já na próxima semana os deputados Garibalde Mendonça (MDB), Jeferson Andrade (PSD) e Zezinho Guimarães (MDB) vão se movimentar bem para conseguir o apoio dos colegas deputados e do próprio governador para ser o candidato a presidente.
Por ter três aliados na disputa Belivaldo poderá atuar para conseguir um nome de consenso para a presidência - como fez anteriormente quando estavam na disputa do cargo Luciano, Garibalde e Jeferson - ou lavar as mãos com fez Pilatos.
Pelo que se escuta de alguns deputados da base governista, Belivaldo não terá um grande apoio em torno do nome de Jeferson Andrade por dois fatores: por ele ser do PSD, que já tem o governador, e pelo fato do seu pai ser o presidente do Tribunal de Contas do Estado, o conselheiro Ulices Andrade, o que deixaria "muito poderosa" a família Andrade.
Segundo um parlamentar, se o governador fizer a opção de apoio a Jeferson no caso de Luciano Bispo permanecer inelegível o deputado Zezinho Guimarães baterá chapa. Será candidato a presidente com o apoio da oposição.
Zezinho, inclusive, tem declarado que já tem 10 votos e só precisa de um para conquistar a presidência da Assembleia. Isso porque com mais um voto e o dele, somará os 12 votos necessários para ser eleito presidente por ser o mais velho na idade com relação a Jeferson e até mesmo a Garibalde.
Trocando em miúdos, caso Luciano Bispo não consiga reverter sua situação jurídica até o final do mês, Belivaldo terá que ter grande habilidade política para não correr o risco de ter uma Angélica Guimarães na presidência da Assembleia e comer o pão que o diabo amassou como fez Marcelo Déda.

Termina hoje o prazo de 48 horas que a  presidente do Tribunal Superior Eleito- ral (TSE), ministra Rosa Weber, concedeu para que o Ministério Público Eleitoral (MPE) e a coligação do candidato a governador Eduardo Amorim fossem ouvidos sobre a diplomação do presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Bispo (MDB). Ela estabeleceu esse prazo para que possa decidir nos autos o destino político do parlamentar.
Com isso, é grande a expectativa sobre a decisão da ministra. É que Luciano é o nome de consenso dos parlamentares e do governador Belivaldo Chagas (PSD) para continuar presidente da Assembleia no biênio 2019/2020, cuja eleição acontecerá no próximo dia 1º de fevereiro.
Se a decisão de Rosa Weber não for favorável a Bispo, já na próxima semana os deputados Garibalde Mendonça (MDB), Jeferson Andrade (PSD) e Zezinho Guimarães (MDB) vão se movimentar bem para conseguir o apoio dos colegas deputados e do próprio governador para ser o candidato a presidente.
Por ter três aliados na disputa Belivaldo poderá atuar para conseguir um nome de consenso para a presidência - como fez anteriormente quando estavam na disputa do cargo Luciano, Garibalde e Jeferson - ou lavar as mãos com fez Pilatos.
Pelo que se escuta de alguns deputados da base governista, Belivaldo não terá um grande apoio em torno do nome de Jeferson Andrade por dois fatores: por ele ser do PSD, que já tem o governador, e pelo fato do seu pai ser o presidente do Tribunal de Contas do Estado, o conselheiro Ulices Andrade, o que deixaria "muito poderosa" a família Andrade.
Segundo um parlamentar, se o governador fizer a opção de apoio a Jeferson no caso de Luciano Bispo permanecer inelegível o deputado Zezinho Guimarães baterá chapa. Será candidato a presidente com o apoio da oposição.
Zezinho, inclusive, tem declarado que já tem 10 votos e só precisa de um para conquistar a presidência da Assembleia. Isso porque com mais um voto e o dele, somará os 12 votos necessários para ser eleito presidente por ser o mais velho na idade com relação a Jeferson e até mesmo a Garibalde.
Trocando em miúdos, caso Luciano Bispo não consiga reverter sua situação jurídica até o final do mês, Belivaldo terá que ter grande habilidade política para não correr o risco de ter uma Angélica Guimarães na presidência da Assembleia e comer o pão que o diabo amassou como fez Marcelo Déda.

Ponto de vista 

Segundo um aliado do governador Belivaldo Chagas (PSD) ele não discutirá eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa até decisão oficial da justiça sobre a inelegibilidade ou não do presidente Luciano Bispo (MDB). Avalia que se Luciano não puder ser candidato e o governador decidir não interferir, o novo presidente da Alese será Zezinho Guimarães (MDB).

Fazendo as contas

Acredita que os dez votos que Zezinho Guimarães tem declarado que já contam são: os quatro do PPS (Georgeo Andrade, Kitty Lima, Samuel Carvalho e Dilson de Agripino), três do PSC (Gilmar Carvalho, Vanderbal Marinho e Ibrain Monteiro), um do PSDB (Maria Mendonça), um do PR (Talyson Costa) e um do PTB (Rodrigo Valadares). "Com o dele só falta um voto mesmo", avalia.

Mesmo entendimento

Revela que o entendimento de Garibalde Mendonça e Zezinho Guimarães é que a presidência da Assembleia no biênio 2019/2020 deve ser mantida com o partido por entenderem que o PSD já tem o governo do Estado e o PT a vice-governadora e um senador. "Acham que se não for assim esse governo será apenas de dois partidos: o PSD e PT", declarou, enfatizando que os dois parlamentares emedebistas estão muito afinados nesse discurso.

Heleno alfineta JB 1

Do ex-deputado federal Heleno Silva (PRB) em resposta as críticas do ex-governador Jackson Barreto (MDB) feitas à coluna com relação ao fato dele e Jony Marcos terem deixado, às vésperas das eleições, a base aliada do governo que participavam e ido para o outro lado: "Há 20 anos atrás, em 1998, Jackson deixou a oposição e fez um acordo com Albano Franco, que ganhou o governo, e ele acabou perdendo o Senado para Maria do Carmo. Logo depois Jackson admitiu que cometeu um erro e a população não aceitou. Ele recomeçou a vida política como deputado federal. Também não tenho o direito de reconhecer que errei ao sair do nosso grupo?".

Heleno alfineta JB 2

Prossegue Heleno na alfinetada ao ex-governador: "Será Jackson o mais indicado a atirar pedras em mim e em Jony?  Reconheço que em certos momentos políticos difíceis da minha vida, Jackson foi muito importante. Não guardo mágoas! Vida que segue...".      

Fake News

Do senador Antônio Carlos Valadares (PSB) sobre divulgação de que o deputado federal André Moura (PSC) assegurou R$ 50 milhões para Prefeitura de Aracaju, que beneficiarão as comunidades do Marivan, Japãozinho e Soledade: "Fake News de André Moura. Em 2016, como coordenador da bancada, propus emenda impositiva (não precisa de padrinho pra liberar) no valor de R$ 124 milhões para Aju, a qual se tornou lei. André se apropria de parte da emenda já liberada e se apresenta como autor".

Tudo parado

Em visita ontem ao Jornal do Dia, o vereador Lucas Aribé (PSB) reclamou da demora na análise de projetos na Câmara Municipal de Aracaju. "Espero que este ano os vereadores estejam com mais disposição para o trabalho", diz o vereador, que aguarda desde 2017 um parecer a um projeto numa comissão técnica, para que a matéria possa continuar tramitando.

Sem planejamento

Lucas Aribé acha que a administração do prefeito Edvaldo Nogueira peca muito pela falta de planejamento e na relação com o servidor. "Ele só faz dizer que vem pagando os salários em dia, mas deixou os médicos passarem quase um ano em greve, não paga o piso do magistério e agora terceirizou o Hospital Nestor Piva. Tem muita coisa errada", acredita. Por coincidência, na quarta-feira, Lucas recebeu um telefonema de Edvaldo e deve ter uma audiência na prefeitura na próxima terça-feira.

Repensar o partido

O vereador também fez uma análise sobre a situação do seu partido, o PSB, que com a derrota nas eleições passadas ficou sem representantes na Câmara Federal e no Senado. "Ou o partido passa por grande reformulação ou continuará perdendo as eleições a cada dois anos, tanto na capital como no Estado", entende. Lucas também critica a divisão da oposição e os embates que são travados até hoje entre o senador Valadares e o deputado federal André Moura. "Não tem nem graça. Os dois agora estão desempregados e nem assim pensam em tentar chegar a um acordo para fortalecer a oposição".

Outro Bira

A coluna recebeu ontem a informação de que não é o diretor de Espaços Públicos e Abastecimento da Emsurb, Ubiracir Rabelo de Lima, quem deverá assumir a nova secretaria de Desenvolvimento Urbano e da Sustentabilidade (SEDURBS), mas Ubirajara Barreto Santos, que atualmente exerce o cargo de diretor de Obras da Emurb. Os dois são sobrinhos de Jackson Barreto e são chamados de Bira. 

Estância 1

O secretário Estadual de Organização do PT, Mário Dias, garante que não passam de Fake News as informações de que assumiria a Secretaria Municipal de Cultura de Estância. "Deixo claro que nunca houve uma conversa da direção municipal do PT de Estância com o prefeito Gilson Andrade sobre aliança política. O PT sempre teve e tem como alicerce para qualquer tipo de construção política, o diálogo com as instâncias partidárias e com sua militância. Não será diferente nesse pleito", afirma. 

Estância 2

Mário defende que o PT dialogue com todas as forças progressistas do município para que possa construir e fortalecer uma pré-candidatura majoritária do próprio partido nas eleições 2020. Enfatiza que vai trabalhar na construção de sua pré-candidatura a vereador do município. 

Veja essa ...

O novo secretário do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), o deputado Valdir Calatto (MDB-SC), é autor de projeto de lei que libera a caça de animais silvestres no país. A proposta permite a caça até em unidades de conservação ambiental, retira o porte de armas de fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e, ao mesmo tempo, flexibiliza a posse para proprietários rurais. Mais um equívoco do atrapalhado governo Bolsonaro.

...e essa...

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) nomeou o economista Murilo Resende Ferreira para assumir a coordenação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Em 2016, quando participou de uma audiência pública do MPF-GO sobre "doutrinação político-partidária no sistema de ensino", Murilo classificou os professores brasileiros como "manipuladores" e afirmou que a "ideologia de gênero" é usada pelos docentes que não querem "estudar de verdade".

Curtas

Everton Siqueira deixa a Superintendência Executiva da Secretaria de Educação e deve assumir a diretoria de tecnologia da Emgetis.

Do ex-presidente da OAB, Henri Clay: "Há muito tenho alertado que um dos objetivos centrais da reforma trabalhista é extinguir a Justiça do Trabalho. Bolsonaro agora revelou. Trata-se de devastador retrocesso social. Capitalismo sem proteção dos direitos sociais é barbári e. É preciso resistir!".

Henri Clay também acha muito estranha a suspensão da investigação do caso Queiroz pedida pelo senador Flávio Bolsonaro, ex-chefe do investigado. "Diante de cheques estranhos, o presidente Bolsonaro disse que Queiroz lhe devia, vende carro e faz rolo. Esse rolo foi para debaixo do tapete do Planalto", afirma.

Começa hoje à noite o Fest Verão 2019 idealizado há cinco anos por Fabiano Oliveira com o fim do Pré-Caju. A folia, que tem grandes atrações como Ivete Sangalo, Bell Marques e Wesley Safadão, aquece a economia local. Segundo Fabiano, neste final de semana é de 100% a ocupação dos hotéis,