O tempo

Opinião

 

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB
Começa o décimo nono ano do 
novo século. É o tempo que corre 
célere.
Vamos respigar no dicionário de citações de Goicoechea alguns ensinamentos de grandes sábios a propósito do Tempo.
Comecemos por Santo Agostinho em seu comentário ao livro bíblico Eclesiástico: "Ne dicas, priora tempora meliora fuere, quam nunc sunt; virtutes faciunt dies bonos, vitia malos" - "Não digas que o tempo passado era melhor que o de hoje; são as virtudes que fazem bons os dias e os vícios os tornam maus".
Já A. B. Acott adverte: "O tempo é nosso melhor amigo; é ele melhor que ninguém que nos ensina a sabedoria do silêncio".
"To choose time is to save time" - ensina-nos Francis Bacon: "Escolher o tempo é aproveitar o tempo".
Sábia a observação de A. de Gasparin: "Entre o passado que nos escapa e o futuro que desconhecemos, está o presente, onde se encontram nossos deveres". Semelhante a essa, é também a arguta observação de Gustave Flaubert, nos seus Pensées: "L´avenir nous tormente et le passé nous retient. Voilà pourquoi le présent nous échappe". O que seria mais ou menos isso: "O futuro nos atormenta e o passado nos amarra; é por isso que o presente nos escapa".
Diz Plínio, o Jovem, nas suas Epístolas latinas: "Se contas os anos, o tempo te parecerá breve; se consideras os acontecimentos, te parecerá um século". Ao que o grego Periandro acrescenta com pessimismo: "Não confies no tempo!".
E vou encerrar essas citações com a bela composição do Frei Zeca para a Editora Paulus: "O Tempo é a expressão da pressa. Saiu de algum lugar no passado e nunca mais parou. Hoje, passa pela estação do presente e segue adiante para a estação do futuro. Não envelhece, não se cansa, não se atrasa, não espera por ninguém. Atrás de si, ficam as faces da vida, os anos e as marcas da história. Paz e guerra. Progresso e decadência. Infância e adolescência. Puberdade e juventude. Maturidade e decrepitude. O futuro chega e se faz presente. O presente envelhece e se torna passado. E o Tempo prossegue seguro com destino certo para outro futuro".
Para nós, fiéis cristãos que temos fé, o tempo é a caminhada para o não-tempo, é a estrada que nos leva para o eterno, enfim, para o encontro definitivo com Aquele que é "o termo último de toda a expectativa humana" (Liturgia da Igreja).
No limiar deste ano novo, espero que meus leitores aproveitem dessas reflexões para um início feliz de um novo ano, com as melhores bênçãos de Deus.    
* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB é Arcebispo Emérito de Maceió
(foi Bispo Auxiliar de Aracaju - 1975 a 1980)
dedvaldo@salesianorecife.org.br

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB

Começa o décimo nono ano do  novo século. É o tempo que corre  célere.
Vamos respigar no dicionário de citações de Goicoechea alguns ensinamentos de grandes sábios a propósito do Tempo.
Comecemos por Santo Agostinho em seu comentário ao livro bíblico Eclesiástico: "Ne dicas, priora tempora meliora fuere, quam nunc sunt; virtutes faciunt dies bonos, vitia malos" - "Não digas que o tempo passado era melhor que o de hoje; são as virtudes que fazem bons os dias e os vícios os tornam maus".
Já A. B. Acott adverte: "O tempo é nosso melhor amigo; é ele melhor que ninguém que nos ensina a sabedoria do silêncio".
"To choose time is to save time" - ensina-nos Francis Bacon: "Escolher o tempo é aproveitar o tempo".
Sábia a observação de A. de Gasparin: "Entre o passado que nos escapa e o futuro que desconhecemos, está o presente, onde se encontram nossos deveres". Semelhante a essa, é também a arguta observação de Gustave Flaubert, nos seus Pensées: "L´avenir nous tormente et le passé nous retient. Voilà pourquoi le présent nous échappe". O que seria mais ou menos isso: "O futuro nos atormenta e o passado nos amarra; é por isso que o presente nos escapa".
Diz Plínio, o Jovem, nas suas Epístolas latinas: "Se contas os anos, o tempo te parecerá breve; se consideras os acontecimentos, te parecerá um século". Ao que o grego Periandro acrescenta com pessimismo: "Não confies no tempo!".
E vou encerrar essas citações com a bela composição do Frei Zeca para a Editora Paulus: "O Tempo é a expressão da pressa. Saiu de algum lugar no passado e nunca mais parou. Hoje, passa pela estação do presente e segue adiante para a estação do futuro. Não envelhece, não se cansa, não se atrasa, não espera por ninguém. Atrás de si, ficam as faces da vida, os anos e as marcas da história. Paz e guerra. Progresso e decadência. Infância e adolescência. Puberdade e juventude. Maturidade e decrepitude. O futuro chega e se faz presente. O presente envelhece e se torna passado. E o Tempo prossegue seguro com destino certo para outro futuro".
Para nós, fiéis cristãos que temos fé, o tempo é a caminhada para o não-tempo, é a estrada que nos leva para o eterno, enfim, para o encontro definitivo com Aquele que é "o termo último de toda a expectativa humana" (Liturgia da Igreja).
No limiar deste ano novo, espero que meus leitores aproveitem dessas reflexões para um início feliz de um novo ano, com as melhores bênçãos de Deus.    

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB é Arcebispo Emérito de Maceió(foi Bispo Auxiliar de Aracaju - 1975 a 1980)dedvaldo@salesianorecife.org.br

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS