Nem na tragédia oposição se une

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Vestindo uma camisa azul, o ex-deputado federal Heleno Silva (PRB) visitou ontem a ministra Damares Alves (Mulher, da Família e dos Direitos Humanos), que foi muito criticada nas redes sociais por declarar, antes da sua posse, que \"meninos vestem azu
Vestindo uma camisa azul, o ex-deputado federal Heleno Silva (PRB) visitou ontem a ministra Damares Alves (Mulher, da Família e dos Direitos Humanos), que foi muito criticada nas redes sociais por declarar, antes da sua posse, que \"meninos vestem azu

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/01/2019 às 06:23:00

 

A coluna tem colocado que em 2018 o 
maior fato político em Sergipe foi a 
derrota da oposição, com a não vitória nas urnas das suas lideranças. Tem destacado que a partir de 1º de fevereiro deste ano estarão sem mandatos os líderes dos seus agrupamentos: os senadores Antônio Carlos Valadares (PSB) e Eduardo Amorim (PSD); e os deputados federais Valadares Filho (PSB), André Moura (PSC) e Jony Marcos (PRB).
Também tem mostrado a coluna que a oposição no estado está destroçada e vai demorar para juntar os cacos, o que favorece, e muito, ao governador reeleito Belivaldo Chagas (PSD) que administrará este primeiro ano de governo, que será de grande dificuldade financeira por já começar com um déficit de R$ 500 milhões, sem uma oposição consistente.
André Moura, que não saiu vitorioso na disputa para o Senado, já declarou esta semana que acha "quase impossível" uma reaproximação política com os Valadares. Chegou a dizer que o senador Valadares, que não foi reeleito, "não tinha palavra" por não ter honrado compromissos assumidos nas eleições de 2016 em Aracaju para 2018, e que Valadares Filho, que perdeu para o governo, "não tinha personalidade".
Já ontem, em conversa com a coluna, o ex-deputado federal e ex-prefeito de Canindé do São Francisco, Heleno Silva (PRB), que disputou o Senado na coligação de Eduardo Amorim e perdeu, reconheceu que a oposição em Sergipe está "esfacelada".  Disse ainda que "nem na tragédia oposição se une".
"Um dos erros do PRB foi acompanhar essa turma que só pensa individualmente. Estávamos acostumados ao projeto em grupo. Já cortamos o cordão umbilical com a oposição desde o 2º turno das eleições, quando apoiamos Belivaldo Chagas. Entendemos que foi a decisão certa", disse Heleno, admitindo o grande equívoco de ter deixado a base do governo de quem era aliado há anos para ir para oposição só por conta da vaga de senador.
Heleno garante que o PRB apoiou Belivaldo no 2º turno não foi para ganhar espaço no governo, mas por reconhecer o erro político. "Não queremos conversa com a oposição. Hoje estamos próximos de Belivaldo, voltamos para o projeto de onde não deveríamos ter saído", afirmou, enfatizando que o seu partido - que perdeu representação na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados com a não reeleição dos deputados Jairo de Glória e Jony Marcos - será reconstruído no estado para as eleições 2020.
Trocando em miúdos, depois das declarações de André Moura e Heleno Silva, a oposição em Sergipe não vai ter nem caco para juntar. Vai continuar destroçada por um bom tempo...

A coluna tem colocado que em 2018 o  maior fato político em Sergipe foi a  derrota da oposição, com a não vitória nas urnas das suas lideranças. Tem destacado que a partir de 1º de fevereiro deste ano estarão sem mandatos os líderes dos seus agrupamentos: os senadores Antônio Carlos Valadares (PSB) e Eduardo Amorim (PSD); e os deputados federais Valadares Filho (PSB), André Moura (PSC) e Jony Marcos (PRB).
Também tem mostrado a coluna que a oposição no estado está destroçada e vai demorar para juntar os cacos, o que favorece, e muito, ao governador reeleito Belivaldo Chagas (PSD) que administrará este primeiro ano de governo, que será de grande dificuldade financeira por já começar com um déficit de R$ 500 milhões, sem uma oposição consistente.
André Moura, que não saiu vitorioso na disputa para o Senado, já declarou esta semana que acha "quase impossível" uma reaproximação política com os Valadares. Chegou a dizer que o senador Valadares, que não foi reeleito, "não tinha palavra" por não ter honrado compromissos assumidos nas eleições de 2016 em Aracaju para 2018, e que Valadares Filho, que perdeu para o governo, "não tinha personalidade".
Já ontem, em conversa com a coluna, o ex-deputado federal e ex-prefeito de Canindé do São Francisco, Heleno Silva (PRB), que disputou o Senado na coligação de Eduardo Amorim e perdeu, reconheceu que a oposição em Sergipe está "esfacelada".  Disse ainda que "nem na tragédia oposição se une".
"Um dos erros do PRB foi acompanhar essa turma que só pensa individualmente. Estávamos acostumados ao projeto em grupo. Já cortamos o cordão umbilical com a oposição desde o 2º turno das eleições, quando apoiamos Belivaldo Chagas. Entendemos que foi a decisão certa", disse Heleno, admitindo o grande equívoco de ter deixado a base do governo de quem era aliado há anos para ir para oposição só por conta da vaga de senador.
Heleno garante que o PRB apoiou Belivaldo no 2º turno não foi para ganhar espaço no governo, mas por reconhecer o erro político. "Não queremos conversa com a oposição. Hoje estamos próximos de Belivaldo, voltamos para o projeto de onde não deveríamos ter saído", afirmou, enfatizando que o seu partido - que perdeu representação na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados com a não reeleição dos deputados Jairo de Glória e Jony Marcos - será reconstruído no estado para as eleições 2020.
Trocando em miúdos, depois das declarações de André Moura e Heleno Silva, a oposição em Sergipe não vai ter nem caco para juntar. Vai continuar destroçada por um bom tempo...

Sedurbs 1

O sobrinho do ex-governador Jackson Barreto (MDB) e também do deputado estadual Garibalde Mendonça (MDB), Ubiraci Rabelo de Lima, pode ser o novo secretário de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (SEDURBS), em substituição a Valmor Barbosa. Bira, como é conhecido, é o atual diretor de Espaços Públicos e Abastecimento da Emsurb. A sua nomeação seria na cota do MDB.

Sedurbs 2

Bira pode ser confirmado o novo secretário da SEDURBS se o presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Bispo (MDB), conseguir assegurar seu próximo mandato parlamentar. É que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou seu mandato na próxima legislatura por improbidade administrativa quando prefeito de Itabaiana e já recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF). Se não reverter, Luciano pode ser o secretário na cota do MDB, que pleiteia a pasta. 

Primeiro escalão

Com a quase certa indicação de Bira para a SEDURBS, que é uma fusão das Secretarias de Infraestrutura e Meio Ambiente, o governador Belivaldo Chagas (PSD) só falta bater o martelo no primeiro escalão de duas das 14 secretarias existentes com a reforma administrativa. São elas: Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (SEDETEC) e do Turismo (SETUR).    

Cargo executivo

Ontem, na Jovem Pan FM, o deputado estadual reeleito Gilmar Carvalho (PSC) confirmou que será candidato a prefeito em 2020, seja em Aracaju, Nossa Senhora do Socorro ou Barra dos Coqueiros. "Tenho procurado estudar formas e maneiras de como resolver os graves problemas dos municípios, porque não é só ser candidato. E se nós chegarmos à conclusão de que temos a condição de administrar a capital, serei candidato. Mas tenho recebido apelos quando vou a Socorro e a Barra. Uma coisa é certa: serei candidato a prefeito", afirmou o parlamentar.

Postulantes a PMA

Com o deputado, que está animada com a boa votação que obteve nos municípios da grande Aracaju, já são pelo menos nove os que têm à pretensão de disputar a prefeitura da capital. Os interessados na PMA pela boa votação que tiveram nas eleições na capital: o deputado federal reeleito Laércio Oliveira (PP); o vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo; a vereadora Emília Correa (Patriota); o ex-presidente da OAB, Henry Clay (PPL); o ex-candidato a governador Milton Andrade (PMN); além do prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), que vai para reeleição; do deputado federal Valadares Filho (PSB), que estará sem mandato e nas últimas eleições disputou a PMA; e do próprio Gilmar.      

Agora no TCE 1

No início de dezembro passado Raoni Lemos foi nomeado pela então prefeita de Lagarto em exercício, Hilda Ribeiro (PD), como secretário municipal de Meio Ambiente e como secretário interino de Finanças. Exonerado com a volta do prefeito Valmir Monteiro (PSC), que estava afastado por decisão judicial pelo gerenciamento irregular do matadouro, Raoni foi nomeado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) para exercer o cargo em comissão de supervisor da Escola de Contas a partir de  7 de janeiro deste ano com salário de R$ 7.805,20.

Agora no TCE 2

Raoni foi muito criticado em Lagarto, pelas redes sociais, por ter viajado de férias para a Disney, nos Estados Unidos, dias depois da sua nomeação como secretário municipal. Agora assumiu cargo no TCE por indicação do conselheiro Luiz Augusto Ribeiro, pai do deputado Gustinho Ribeiro (SD), esposo de Hilda.

Expulsão

O Diretório Municipal do Rede Sustentabilidade de Estância saiu ontem com nota dizendo que em reunião ordinária do partido no dia 4 de janeiro foi decidido o encaminhamento do processo de expulsão da legenda do vereador Dionísio de Almeida Neto e requerimento judicial do seu mandato, através de uma ação declaratória de perca de mandato eletivo por infidelidade partidária, bem como o reconhecimento da ofensa ao estatuto partidário, ao artigo 22-A e a consequente a aplicação do artigo 26 da lei dos partidos políticos.

Longe do partido

A nota explica que o vereador tem sido inerte à vida partidária, negligencia os filiados e suas opiniões, falta a ações e eventos estaduais e locais do partido, se comprometeu a ser candidato a deputado estadual e depois desistiu passando a apoiar a candidata Janier Mota (PR-Itabaianinha) - eleita deputada estadual -, assim como Belivaldo Chagas e Jair Bolsonaro. Ressalta que o apoio a Janier, inclusive, deixou atônito os membros do partido estadual e municipal, setores da imprensa, políticos e sociedade local e que tais fatos ensejara m em um dossiê que fora entregue para conhecimento aos membros da executiva estadual que por obrigação devem agir de acordo com o estatuto. A nota cita ainda que Dionísio, recentemente, chegou a encaminhar a presidente municipal Maria de Fátima Moraes, a sua carta de desfiliação.

Veja essa ...

Circula pela internet um vídeo em que um homem com a bandeira do Brasil sobre os ombros questiona, em um supermercado, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, sobre as investigações do ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabrício Queiroz. "Por que o Queiroz não é pauta? A roubalheira do PT é pauta, mas a do PSL, do Queiroz não é pauta do governo? Ele [Moro] não pode falar sobre isso? Aí você quer me censurar por isso também?", questiona o manifestante no vídeo em que Moro aparece ao fundo na gravação, pagando a conta em outro caixa.

Curtas

O deputado Gilmar Carvalho disse ontem que se Luciano Bispo puder  exercer o mandato e for o candidato a presidente da Assembleia no biênio 2019/2020 terá seu apoio. "Não sendo Luciano, exigirei que seja respeitado o meu direito de participar", afirmou.

O prefeito Edvaldo Nogueira iniciou ontem a reforma administrativa na Prefeitura de Aracaju, ao anunciar o advogado e economista Eliziário Sobral como novo controlador-geral do município. Ele, que está se desligando da Controladoria Geral do Estado, será empossado no próximo dia 15. 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já conseguiu o apoio declarado de 10 partidos para sua tentativa de reeleição no cargo. Ontem o Solidariedade (SD) oficializou a aliança com o parlamentar fluminense e se juntou a PSL, PRB, PSD, PPS, PR, PSDB, PROS e Podemos, além do próprio DEM. Os partidos que se juntaram ao bloco de Maia somam 247 deputados eleitos em 2018.

Para ganhar em primeiro turno, o candidato à presidência da Câmara precisa da maioria absoluta dos votos, ou seja, 257 deputados. Caso contrário, a escolha vai para segundo turno. De Sergipe, já confirmaram voto a Rodrigo Maia os deputados federais eleitos Gustinho Ribeiro (SD) e Fábio Henrique (PDT).