Deputados constrangidos com título a Bolsonaro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O deputado estadual eleito Samuel Carvalho (PPS) e o vereador Vagnerrogeris Lima (PSC) se aliaram e já começam a discutir a formação de uma 3ª via em Nossa Senhora do Socorro para as eleições 2020. A primeira reunião ocorreu ontem, com as presenças dos ve
O deputado estadual eleito Samuel Carvalho (PPS) e o vereador Vagnerrogeris Lima (PSC) se aliaram e já começam a discutir a formação de uma 3ª via em Nossa Senhora do Socorro para as eleições 2020. A primeira reunião ocorreu ontem, com as presenças dos ve

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/12/2018 às 04:29:00

 

Toda a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) a 
presidência da República girou em torno 
de muita polêmica, principalmente pelas suas declarações pouco ortodoxas carregadas de grande preconceito contra o Nordeste, as mulheres, homossexuais, negros, índios e movimentos sociais.
Nunca se viu na história do país tanto ódio e desavença política entre parentes e amigos como nas eleições deste ano, em razão da divisão do país entre o candidato da extrema direita Bolsonaro e o candidato do PT Fernando Haddad. Também jamais foi vista uma campanha tão baixo nível e movida a Fake News nas redes sociais como a registrada no pleito deste ano.
Aberta as urnas no segundo turno, com o país dividido, Bolsonaro ganhou as eleições com 55,13% dos votos válidos (57.797.847 votos). O Antipetismo acabou elegendo o capitão reformado presidente da República, junto com o tão polêmico vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), que defende, inclusive, o fim do pagamento do 13º salário aos trabalhadores.
Bolsonaro ganhou as eleições para o Planalto, mas perdeu no Nordeste. Em  Sergipe, inclusive, ele foi derrotado no segundo turno nos 75 municípios para o petista Fernando Haddad. Um total de 759.061 eleitores no estado votou em Haddad, o correspondente a 67,54% dos votos válidos e apenas 364.860 eleitores votaram em Bolsonaro, o equivalente a 32,46% dos votos válidos.
Sem entender que os sergipanos disseram "Ele Não", o deputado estadual Capitão Samuel (PSC) apresentou projeto de resolução propondo o título de cidadão sergipano para Bolsonaro.  Só causou constrangimento aos colegas parlamentares que não têm a intenção de ir de encontro ao povo sergipano que rejeitou nas urnas o presidente eleito.
O projeto, que tramita na Assembleia Legislativa há mais de duas semanas, chegou a ser aprovado ontem na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) com o voto contrário da deputada estadual Ana Lúcia (PT) e o afastamento do deputado Francisco Gualberto (PT) da presidência da CCJ, após se julgar impedido para votação. 
Como isso nunca ocorreu com relação à votação de concessão de título de cidadão sergipano a um homenageado, o presidente da Assembleia, Luciano Bispo (MDB), acabou retirando da pauta para votação em plenário a concessão do titulo a Bolsonaro. 
Que os deputados não votem pela aprovação do título de cidadão sergipano a Bolsonaro por não ser a vontade da grande maioria dos sergipanos, comprovada nas urnas. Sem falar que nada justifica essa honraria ao presidente eleito, partindo do princípio de que nunca fez nada por Sergipe nos 27 anos que passou como deputado federal somado ao tempo que era militar. Ao contrário, só discriminou os nordestinos...
Se o Capitão Samuel quer agradar a um militar reformado que vai ocupar o Palácio do Planalto nos próximos quatro anos e se promover por isso, que procure outra forma...

Toda a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) a  presidência da República girou em torno  de muita polêmica, principalmente pelas suas declarações pouco ortodoxas carregadas de grande preconceito contra o Nordeste, as mulheres, homossexuais, negros, índios e movimentos sociais.
Nunca se viu na história do país tanto ódio e desavença política entre parentes e amigos como nas eleições deste ano, em razão da divisão do país entre o candidato da extrema direita Bolsonaro e o candidato do PT Fernando Haddad. Também jamais foi vista uma campanha tão baixo nível e movida a Fake News nas redes sociais como a registrada no pleito deste ano.
Aberta as urnas no segundo turno, com o país dividido, Bolsonaro ganhou as eleições com 55,13% dos votos válidos (57.797.847 votos). O Antipetismo acabou elegendo o capitão reformado presidente da República, junto com o tão polêmico vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), que defende, inclusive, o fim do pagamento do 13º salário aos trabalhadores.
Bolsonaro ganhou as eleições para o Planalto, mas perdeu no Nordeste. Em  Sergipe, inclusive, ele foi derrotado no segundo turno nos 75 municípios para o petista Fernando Haddad. Um total de 759.061 eleitores no estado votou em Haddad, o correspondente a 67,54% dos votos válidos e apenas 364.860 eleitores votaram em Bolsonaro, o equivalente a 32,46% dos votos válidos.
Sem entender que os sergipanos disseram "Ele Não", o deputado estadual Capitão Samuel (PSC) apresentou projeto de resolução propondo o título de cidadão sergipano para Bolsonaro.  Só causou constrangimento aos colegas parlamentares que não têm a intenção de ir de encontro ao povo sergipano que rejeitou nas urnas o presidente eleito.
O projeto, que tramita na Assembleia Legislativa há mais de duas semanas, chegou a ser aprovado ontem na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) com o voto contrário da deputada estadual Ana Lúcia (PT) e o afastamento do deputado Francisco Gualberto (PT) da presidência da CCJ, após se julgar impedido para votação. 
Como isso nunca ocorreu com relação à votação de concessão de título de cidadão sergipano a um homenageado, o presidente da Assembleia, Luciano Bispo (MDB), acabou retirando da pauta para votação em plenário a concessão do titulo a Bolsonaro. 
Que os deputados não votem pela aprovação do título de cidadão sergipano a Bolsonaro por não ser a vontade da grande maioria dos sergipanos, comprovada nas urnas. Sem falar que nada justifica essa honraria ao presidente eleito, partindo do princípio de que nunca fez nada por Sergipe nos 27 anos que passou como deputado federal somado ao tempo que era militar. Ao contrário, só discriminou os nordestinos...
Se o Capitão Samuel quer agradar a um militar reformado que vai ocupar o Palácio do Planalto nos próximos quatro anos e se promover por isso, que procure outra forma...

Ele Não 1

Do deputado estadual Francisco Gualberto (PT), que se julgou impedido de presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) no momento da votação do título de cidadão sergipano a Jair Bolsonaro: "Não tenho condições políticas para votar num titulo de cidadania para uma pessoa como Jair Bolsonaro, por tudo o que ele representa de retrocesso e sem entrar no mérito de questionar o que ele (Bolsonaro) já fez de bom para Sergipe".

Ele Não 2

Declarou ainda Gualberto que ele não daria o título de cidadão sergipano a Bolsonaro pelo que ele representa para a educação do país. "Querem formar a extrema direita dentro das escolas. Isso sim, seria uma escola sem partido", argumenta o petista.

Efeito cascata

Os deputados estaduais aprovaram ontem, por maioria, reajuste salarial de mais de 16% para os salários dos membros do Poder Judiciário, Ministério Público Estadual, Defensoria Pública e Tribunal de Contas do Estado, baseado na Lei Federal nº 13.752/2018 que revisou o subsídio dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O deputado Georgeo Passos (REDE) votou contra afirmando que era contrário pelo aumento elevado para as classes que sempre têm privilégios. "O Poder Executivo vai pagar essa conta", avalia.

Acordão?

A coluna recebeu informações de um secretário municipal de Nossa Senhora do Socorro que em 2020 pode ser feito um acordão entre o prefeito Padre Inaldo (PCdoB) e os ex-prefeitos Zé Franco (PSDB) e Fábio Henrique (PDT) para confrontar com o deputado estadual eleito Samuel Carvalho (PPS), que tem pretensões de disputar a prefeitura municipal. Pelo acordo, Inaldo disputaria a reeleição tendo como vice o filho de Zé Franco (PSDB), o Manoelito Franco, e o grupo apoiaria a reeleição de Fábio a deputado federal em 2022.

Mudança geral 1

Do ex-prefeito Cabo Zé sobre a vice-prefeita Hilda Ribeiro está no exercício do cargo de prefeita de Lagarto, mediante o afastamento do prefeito Valmir Monteiro (PSC): "É o momento da família Ribeiro ressurgir. Acredito que Valmir não voltará mais a prefeitura pelas irregularidades de que é acusado, por isso defendo que ela faça uma reforma completa na administração municipal e, inclusive, uma auditoria".

Mudança geral 2

Revela Cabo Zé que ele defende a reforma no secretariado também pelo fato dos atuais secretários estarem bloqueando todas as informações para a prefeita em exercício, que não está sabendo da realidade do município. 

Coletiva

Às 7h de hoje, no saguão do Hotel Quality, haverá uma entrevista coletiva à imprensa concedida pelo deputado federal André Moura (PSC) e o ministro Gilberto Occhi (Saúde), onde serão anunciadas a entrega de dois veículos do tipo Van para a Apae e o Ciras, assim como a implantação de Academias da Saúde em Aracaju e outros municípios do interior sergipano com recursos viabilizados pelo parlamentar. Em seguida, o ministro vai inaugurar a nova sede do Núcleo Estadual do Ministério da Saúde em Sergipe. 

Médio prazo

Do senador Eduardo Amorim (PSDB) ao fazer um balanço do mandato, onde destacou a defesa pela melhoria na saúde e educação, bem como do fortalecimento de órgãos de controle e fiscalização: "Acreditamos que o protagonismo para as mudanças que o Brasil tanto precisa virá a médio prazo por intermédio de acesso à educação de qualidade, já que esta é um dos pilares para o desenvolvimento de uma nação".

Acompanhando tudo

De Eduardo, que a partir de fevereiro de 2019 estará sem mandato, uma vez que perdeu as eleições para governador: "A partir do próximo ano a vida toma outro rumo, é fato, mas o cuidado e a atenção ao outro permanecem imutáveis e, como cidadão, seguirei atento ao que acontece em Sergipe e no Brasil".

De volta

O deputado estadual reeleito Gilmar Carvalho (PSC) deve retornar ao comando de um programa de rádio matinal em janeiro do próximo ano. Está vendo a nova emissora, uma vez que a MIX FM passará a ser uma emissora que só tocará MPB. Até lá, Gilmar segue fazendo apenas o Cidade Alerta, na TV Atalaia. 

Último dia 

Encerra hoje o prazo máximo estabelecido pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para que os candidatos diplomáveis, eleitos e suplentes, apresentem documentos complementares. Quem postergar a apresentação de documentos não será diplomado no próximo dia 17 de dezembro. É que a legislação eleitoral determina que todos os candidatos eleitos, bem como os suplentes que serão diplomados, devem estar com suas contas julgadas e aprovadas antes da solenidade de diplomação. 

No TRE 1

Na sessão do pleno do TRE da última quarta-feira foram aprovadas, com ressalvas, as contas do deputado federal reeleito Laércio Oliveira (PP) e do deputado estadual eleito Iran Barbosa (PT). Os dois foram habilitados para diplomação.

No TRE 2

Ontem o pleno do TRE aprovou a prestação de contas do deputado estadual reeleito Francisco Gualberto (PT) e dos deputados estaduais eleitos Maísa Mitidieri (PSD) e Ibrain Monteiro (PSC). Foi retirada de pauta a prestação de contas do deputado federal eleito Bosco Costa (PR) e adiada a do deputado estadual não reeleito Moritos Matos (Rede).

No TRE 3

Ainda na sessão do pleno de ontem os membros do TRE declararam, por maioria, a incompetência da Corte para apreciar e julgar processo contra o deputado estadual não reeleito Jairo de Glória (PRB), em que é acusado de corrupção eleitoral pelo Ministério Público da União. Foi determinado o encaminhamento dos autos à 17ª Zona Eleitoral. 

Fim do prazo

Encerrou ontem o prazo para os eleitores que não votaram no primeiro turno das Eleições 2018, realizado no dia 7 de outubro, terem regularizado sua situação eleitoral. O não comparecimento injustificado no dia da eleição é irregularidade punível com multa e muitas restrições, como tomar posse em cargos públicos e não receber salário sendo servidor público. 

Veja essa ...

Do deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) sobre o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) ter anunciado 22 ministérios após a promessa de reduzi-los para 15 durante a campanha eleitoral: "Bolsonaro descumpriu a promessa de campanha antes de assumir. Até o número de ministros que apresentou era fake".

Curtas

À coluna chegou a informação que o deputado federal reeleito João Daniel (PT) vai querer manter Rose Rodrigues no comando da Secretaria de Estado da Agricultura no novo governo de Belivaldo Chagas.

Com a decisão de Belivaldo em manter João Eloy como secretário da Segurança Pública, caiu por terra o sonho do deputado estadual reeleito Capitão Samuel de comandar a SSP. Segundo um militar, Samuel teria externado esse sonho dentro da corporação.

O Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Ibama em Sergipe será inaugurado hoje, às 10h, no povoado de Areia Branca, região metropolitana de Aracaju. A reforma, ampliação e aquisição de equipamentos são oriundas da emenda parlamentar individual no valor R$ 420 mil destinada pelo deputado federal Adelson Barreto (PR).

Com a conclusão das obras e com aquisição de novos equipamentos o Cetas passa a oferecer um maior suporte às ações fiscalizadoras relacionadas à fauna no Estado, passando também a reabilitar aves e possibilitando a reintrodução delas em nosso estado, hoje, realizada nos estados da Bahia e Goiás.