Trinca de Ás no Quinta Instrumental

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Música de gente grande
Música de gente grande

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/11/2018 às 05:20:00

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
Pedro Mendonça, Julio 
Rego e Dudu Pruden-
te, a trinca de Ás reunida no grupo Membrana, respondem sozinhos por boa parte da música instrumental realizada aqui e agora, nas madrugadas da aldeia. Além da banda que sobe ao palco do teatro João Costa, hoje à noite, os músicos já meteram as mãos cheias de calos em meio mundo de projetos diferentes. Membrana, Café Pequeno, Burundanga Percussivo, e por aí vai. À frente de todos estes, eles comunicam alturas impossíveis sem jamais tirar os pés do chão.
Criada em 2000, a banda Membrana foi inspirada na música livre e nos grupos folclóricos sergipanos. E é prova muito viva de que, aqui, em se plantando tudo dá. 
Segundo Julio Rego, em uma das diversas declarações solicitadas por este Jornal do Dia, em oportunidade anterior, os Serigys sempre mandaram bem em matéria de música.
"A sensibilidade do sergipano para a música do é evidente, perceptível a olho nu - seja num show de arrocha lotado, no Mercado Municipal, seja num concerto igualmente prestigiado de música clássica, no Teatro Tobias Barreto. Por aqui sempre houve gente fazendo música com muita paixão, sempre houve artistas com nível de gente grande, em termos de criatividade e sintonia com a profunda riqueza dos cantos e sons de nosso folclore". Por isso o 'boom' da música instrumental, nos dias correntes.
Quinta Instrumental - O trio agradece a oportunidade de poder mostrar o seu trabalho para o público em um espaço como o Teatro João Costa e elogia o projeto idealizado pela Funcaju. 
"Sem dúvida é uma iniciativa de muita importância para os músicos sergipanos. Sergipe possui uma boa quantidade de artistas realizando trabalhos com qualidade nas mais diversas áreas musicais. Infelizmente, muitas vezes há uma certa padronização da música de massa que ofusca a visibilidade desses outros trabalhos. O Quinta Instrumental surge como uma alternativa, uma janela, uma respiração, uma esperança, um acolhimento", parabeniza Júlio Rego.
Para o show, o grupo promete um repertório surpreendente e deixa o convite para todos os sergipanos e turistas. "Saiam de casa nesta quinta feira, 8, às 20h. Ocupem uma das confortáveis poltronas do Teatro João Costa no belo Centro Cultural de Aracaju. Venham respirar música. Se você nunca foi lá ou ainda não vivenciou esse projeto, tá aí uma ótima oportunidade. É de graça. O resto deixe com a gente", avisou Júlio.
O projeto Quinta Instrumental, realizado pela Fundação Cultural Cidade de Aracaju, já faz parte da agenda dos sergipanos e acontece sempre às quintas-feiras, às 20h, no Centro Cultural de Aracaju, praça General Valadão.

Pedro Mendonça, Julio  Rego e Dudu Pruden- te, a trinca de Ás reunida no grupo Membrana, respondem sozinhos por boa parte da música instrumental realizada aqui e agora, nas madrugadas da aldeia. Além da banda que sobe ao palco do teatro João Costa, hoje à noite, os músicos já meteram as mãos cheias de calos em meio mundo de projetos diferentes. Membrana, Café Pequeno, Burundanga Percussivo, e por aí vai. À frente de todos estes, eles comunicam alturas impossíveis sem jamais tirar os pés do chão.
Criada em 2000, a banda Membrana foi inspirada na música livre e nos grupos folclóricos sergipanos. E é prova muito viva de que, aqui, em se plantando tudo dá. 
Segundo Julio Rego, em uma das diversas declarações solicitadas por este Jornal do Dia, em oportunidade anterior, os Serigys sempre mandaram bem em matéria de música.
"A sensibilidade do sergipano para a música do é evidente, perceptível a olho nu - seja num show de arrocha lotado, no Mercado Municipal, seja num concerto igualmente prestigiado de música clássica, no Teatro Tobias Barreto. Por aqui sempre houve gente fazendo música com muita paixão, sempre houve artistas com nível de gente grande, em termos de criatividade e sintonia com a profunda riqueza dos cantos e sons de nosso folclore". Por isso o 'boom' da música instrumental, nos dias correntes.

Quinta Instrumental - O trio agradece a oportunidade de poder mostrar o seu trabalho para o público em um espaço como o Teatro João Costa e elogia o projeto idealizado pela Funcaju. 
"Sem dúvida é uma iniciativa de muita importância para os músicos sergipanos. Sergipe possui uma boa quantidade de artistas realizando trabalhos com qualidade nas mais diversas áreas musicais. Infelizmente, muitas vezes há uma certa padronização da música de massa que ofusca a visibilidade desses outros trabalhos. O Quinta Instrumental surge como uma alternativa, uma janela, uma respiração, uma esperança, um acolhimento", parabeniza Júlio Rego.
Para o show, o grupo promete um repertório surpreendente e deixa o convite para todos os sergipanos e turistas. "Saiam de casa nesta quinta feira, 8, às 20h. Ocupem uma das confortáveis poltronas do Teatro João Costa no belo Centro Cultural de Aracaju. Venham respirar música. Se você nunca foi lá ou ainda não vivenciou esse projeto, tá aí uma ótima oportunidade. É de graça. O resto deixe com a gente", avisou Júlio.
O projeto Quinta Instrumental, realizado pela Fundação Cultural Cidade de Aracaju, já faz parte da agenda dos sergipanos e acontece sempre às quintas-feiras, às 20h, no Centro Cultural de Aracaju, praça General Valadão.