Apoio aos caminhoneiros

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Para o vereador de Aracaju, Fábio Meireles (PPS), a greve dos caminhoneiros expõe \"a força de mobilização do brasileiro\".  \"Quando o governo é justo, o país tem segurança; mas, quando o governo cobra impostos demais, a nação acaba na desgra
Para o vereador de Aracaju, Fábio Meireles (PPS), a greve dos caminhoneiros expõe \"a força de mobilização do brasileiro\". \"Quando o governo é justo, o país tem segurança; mas, quando o governo cobra impostos demais, a nação acaba na desgra

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/05/2018 às 03:48:00

 

A greve dos caminhoneiros realmente 
paralisou o país e serviu para mostrar 
aos governantes de plantão a força que tem esse segmento, que transporta cerca de 80% da economia do Brasil.
Mesmo sofrendo com os transtornos da falta de combustível, das filas quilométricas para abastecimento e de cancelamento de voos, além da ameaça de desabastecimento, a população apoia a mobilização dos caminhoneiros pelos constantes aumentos abusivos do preço do diesel.
O povo sabe que os caminhoneiros não são responsáveis por esses problemas provenientes da paralisação. A população tem consciência que a responsabilidade é única e exclusiva do governo e da política de preços da Petrobras.
Tanto é que no domingo, em vários pontos do país, a população vestiu camisa amarela, pegou a bandeira do Brasil e saiu em caminhada pelas rodovias para levar apoio aos caminhoneiros. Foi prestar solidariedade e demonstrar indignação com o que está ai. 
Isso porque o povo também está sofrendo com os frequentes reajustes da gasolina, que em Sergipe está custando R$ 4,50 o litro, pelo fato do governo Michel Temer ter dolarizado o preço do combustível, como se o brasileiro recebesse em dólar e não em real.
A mobilização do povo a favor dos caminhoneiros foi espontânea, não foi organizada por nenhum partido político ou central sindical. Isso é um recado aos políticos de que o gigante está acordando.
Até os paneleiros, que batiam panelas constantemente pelo impeachment de Dilma Rousseff, voltaram no domingo, pela primeira vez, a bater panela no momento que o presidente Temer discursava anunciando uma Medida Provisória como cinco pontos a favor dos caminhoneiros.
Foi a primeira vez que os paneleiros se manifestaram nestes dois anos do governo Temer, que ajudaram a colocar no Planalto com o golpe.
O lamentável da paralisação dos caminhoneiros é a manifestação de muitos pedindo a intervenção dos militares.
Os jovens de hoje que defendem a volta da ditadura deveriam ler sobre o que aconteceu durante o período negro e tortuoso do país sobre o comando dos militares. Precisam saber o que é o livre arbítrio, a cassação de direitos, o que foi o AI-5, o que é a tortura, o "desaparecimento" de pais e filhos nos porões da ditadura, o que é o fim da liberdade de imprensa e o que é a  concentração de renda no período da intervenção militar.
Já as pessoas acima de 55 anos querendo a volta dos militares ao poder só pode ser por amnésia ou Alzheimer precoce pelo esquecimento da barbárie e da repressão vivida no país durante a ditadura.
Não dá para defender moralmente e eticamente uma intervenção militar. Os problemas do país pioraram com a intervenção militar. Não faltou quem enriqueceu no Brasil acobertado pelos militares.
A corrupção no país sempre ocorreu, a diferença é que na época da ditadura ela não podia ser denunciada. Os jornais só podiam ser rodados, após fiscalização dos militares. Os programas "jornalísticos" de rádio como tem hoje em Sergipe, para todo gosto, não existiam. Era só a "Voz do Brasil".
Trocando em miúdos, a defesa pela intervenção militar é de uma insanidade que não tem tamanho. O que precisa é aperfeiçoar a democracia, que permite a liberdade de expressão e o direito de ir e vir do cidadão.

A greve dos caminhoneiros realmente  paralisou o país e serviu para mostrar  aos governantes de plantão a força que tem esse segmento, que transporta cerca de 80% da economia do Brasil.
Mesmo sofrendo com os transtornos da falta de combustível, das filas quilométricas para abastecimento e de cancelamento de voos, além da ameaça de desabastecimento, a população apoia a mobilização dos caminhoneiros pelos constantes aumentos abusivos do preço do diesel.
O povo sabe que os caminhoneiros não são responsáveis por esses problemas provenientes da paralisação. A população tem consciência que a responsabilidade é única e exclusiva do governo e da política de preços da Petrobras.
Tanto é que no domingo, em vários pontos do país, a população vestiu camisa amarela, pegou a bandeira do Brasil e saiu em caminhada pelas rodovias para levar apoio aos caminhoneiros. Foi prestar solidariedade e demonstrar indignação com o que está ai. 
Isso porque o povo também está sofrendo com os frequentes reajustes da gasolina, que em Sergipe está custando R$ 4,50 o litro, pelo fato do governo Michel Temer ter dolarizado o preço do combustível, como se o brasileiro recebesse em dólar e não em real.
A mobilização do povo a favor dos caminhoneiros foi espontânea, não foi organizada por nenhum partido político ou central sindical. Isso é um recado aos políticos de que o gigante está acordando.
Até os paneleiros, que batiam panelas constantemente pelo impeachment de Dilma Rousseff, voltaram no domingo, pela primeira vez, a bater panela no momento que o presidente Temer discursava anunciando uma Medida Provisória como cinco pontos a favor dos caminhoneiros.Foi a primeira vez que os paneleiros se manifestaram nestes dois anos do governo Temer, que ajudaram a colocar no Planalto com o golpe.
O lamentável da paralisação dos caminhoneiros é a manifestação de muitos pedindo a intervenção dos militares.
Os jovens de hoje que defendem a volta da ditadura deveriam ler sobre o que aconteceu durante o período negro e tortuoso do país sobre o comando dos militares. Precisam saber o que é o livre arbítrio, a cassação de direitos, o que foi o AI-5, o que é a tortura, o "desaparecimento" de pais e filhos nos porões da ditadura, o que é o fim da liberdade de imprensa e o que é a  concentração de renda no período da intervenção militar.
Já as pessoas acima de 55 anos querendo a volta dos militares ao poder só pode ser por amnésia ou Alzheimer precoce pelo esquecimento da barbárie e da repressão vivida no país durante a ditadura.
Não dá para defender moralmente e eticamente uma intervenção militar. Os problemas do país pioraram com a intervenção militar. Não faltou quem enriqueceu no Brasil acobertado pelos militares.
A corrupção no país sempre ocorreu, a diferença é que na época da ditadura ela não podia ser denunciada. Os jornais só podiam ser rodados, após fiscalização dos militares. Os programas "jornalísticos" de rádio como tem hoje em Sergipe, para todo gosto, não existiam. Era só a "Voz do Brasil".
Trocando em miúdos, a defesa pela intervenção militar é de uma insanidade que não tem tamanho. O que precisa é aperfeiçoar a democracia, que permite a liberdade de expressão e o direito de ir e vir do cidadão.

 

Raio X

O governador Belivaldo Chagas (PSD) voltou a se reuniu ontem com os secretários para reavaliação das medidas tomadas na última sexta-feira para manter o funcionamento dos serviços essenciais do Estado, como saúde e segurança pública. Foi avaliado que esses serviços ainda não foram afetados no Estado e decidido que, a exemplo de ontem, não haverá aula nas escolas da rede pública do estado.

 

Sobrou para Belivaldo 1

A oposição já começa a responsabilizar o Governo do Estado pelo preço elevado do combustível, uma vez que a alíquota do ICMS em Sergipe é de 29%. Afirmou o senador Valadares (PSB): "Governo Belivaldo não move uma palha sequer para reduzir alíquotas do ICMS, decisão que poderia contribuir para diminuir os preços dos combustíveis em benefício dos consumidores".

 

Sobrou para Belivaldo 2

Declarou o senador Eduardo Amorim (PSDB), pré-candidato a governador: De fato é inadmissível cobrar 29% em taxas no valor do combustível. Se eu tivesse governando Sergipe, teria criado um Conselho de Custos para que essas questões fossem tratadas de maneira efetiva". 

 

Alfinetando Temer 1

Os políticos de Sergipe continuam se manifestando com relação à greve dos caminhoneiros, que ainda prossegue mesmo com a MP do governo federal publicada ontem no Diário Oficial da União.  Declarou o presidente estadual do PT, Rogério Carvalho, pré-candidato a Senador: "Temer diz que a Petrobras foi produtiva nos últimos dois anos. Não foi bem essa a notícia que lemos em março deste ano! Os aliados de Temer se calam. Enganam as pessoas com medidas "fakes". O povo vai dar a resposta!".

 

Alfinetando Temer 2

Prosseguiu Rogério: "O ilegítimo não entendeu que o povo não quer migalhas ou esmolas. Nós queremos a Petrobras e o Pré-Sal de volta! Uma política de preços dos combustíveis soberana, que atenda aos brasileiros e não aos acionistas internacionais. E vem paralisação dos petroleiros!".

 

Alfinetando Temer 3

Disse o senador Valadares: "Um panelaço ou gasolinaço pode vir por aí. Agora é estancar aumentos (tendo como base a cotação do dólar), do gás de cozinha e da gasolina. Os ganhos das pessoas nessa fase de contração econômica não são corrigidos pelo dólar, nem sequer, na maioria dos casos, pela inflação".

 

Alfinetando Temer 4

Declarou o presidente do DEM, pré-candidato a governador, Mendonça Prado: "O governo Temer não acabou porque não começou. O Brasil está acéfalo, um barco sem direção. Vivemos um momento dificílimo nesta quadra da história. É preciso que o tempo passe rápido para nos livrarmos imediatamente desse descalabro".

 

Se afasta

O governador Belivaldo Chagas (PSD) se afasta amanhã do governo para fazer exames de revisão de um procedimento cirúrgico realizado em abril de 2017, em São Paulo.  Até o dia 04 de junho assume interinamente a administração estadual o presidente do Tribunal de Justiça de Sergipe, o desembargador Cezário Siqueira, já que o presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Bispo (MDB), não poderá assumir o comando do Executivo Estadual por motivos eleitorais.

 

Vai depender

Belivaldo pode reavaliar se manterá o seu afastamento na quarta-feira à tarde se ocorrer o agravamento da crise com a greve dos caminhoneiros, que já dura mais de uma semana. Não havendo, viajará e ficará fazendo o monitoramento da crise até por saber que o Estado ficará em "boas mãos".  

 

Com empresários

Belivaldo Chagas e o secretário Ademário Alves (Fazenda) participam hoje de reunião almoço organizada pela FCDL/SE e CDL/Aracaju. Ademário falará sobre o "Plano de Recuperação Econômico-Financeiro do Estado" e Belivaldo fará um balanço da situação de Sergipe e as perspectivas econômicas, envolvendo os setores produtivos, como o de comércio e serviços.

 

Sonora vaia 1

A deputada estadual Silvia Fontes (PDT) foi vaiada ontem, em Nossa Senhora do Socorro, durante solenidade de assinatura de ordem de serviço, por Belivaldo Chagas, para o início das obras de pavimentação asfáltica de ruas, avenidas e travessas do Conjunto João Alves.  Foi quando o cerimonial do governo a convidou para fazer uso da palavra.

 

Sonora vaia 2

Ao falar, após as vaias, a deputada disse "O povo socorrense perdeu a educação, que pena!" Isso foi motivo para outra vaia, que deve ter sido motivada pelo fato dela ser oposição ao prefeito padre Inaldo (PCdoB), que estava no evento ao seu lado.

 

No TSE

Está na pauta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desta terça-feira o julgamento do recurso especial apresentado pela defesa do prefeito Cristiano Beltrão (PSC-Ilha das Flores) por propaganda política e eleitoral. O relator é o ministro Tarcisio de Carvalho Neto.

 

Na Câmara

Câmara dos Deputados realiza hoje um debate sobre os sucessivos aumentos dos preços dos combustíveis no País.  Foram convidados pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, representantes da Petrobras, de distribuidoras, de postos, do governo e especialistas do setor. Durante as comissões gerais, qualquer convidado pode utilizar as tribunas do Plenário para expor ideias e opiniões. O objetivo, segundo Maia, é buscar ações imediatas para enfrentar a crise geopolítica global que encarece os combustíveis.

 

Novo secretário

O governador Belivaldo Chagas convidou o médico Hamilton Maciel para comandar a Secretaria de Estado da Saúde. Ele aceitou e deve assumir no dia sete de junho. A secretaria estava sendo comandada por Valberto de Oliveira Lima desde a saída de Almeida Lima.

 

Veja essa ...

Do senador Valadares alfinetando os adversários políticos de Sergipe pelas redes sociais: "A inveja de alguns é o culto dissimulado à admiração pelo que você é, pelas suas conquistas, ou pelo sucesso alcançado em sua carreira. O invejoso é atormentado por perguntas que martelam o seu cérebro e, no seu delírio doentio, não consegue responder: Por que ele, por que não eu? Afinal, ao me olhar no espelho, este me diz que sou o melhor, e por que diabos eu não ocupo o lugar dele? Esse é o desprezível sintoma do psicopata invejoso".

 

...e essa...

Do deputado federal André Moura (PSC), também pelas redes sociais: "Não perco meu tempo em redes sociais falando de A, B ou C, as uso para divulgar meu trabalho, para interagir com as pessoas. Meu tempo é voltado para o trabalho e para minha família".

 

Curtas

Desabafo do pré-candidato a Senador, Heleno Silva (PRB), que perdeu os programas de rádio que fazia nos finais de semana: "Enquanto tentam calar a nossa voz, aqueles que nos conhecem e confiam em nosso trabalho nos abrem os espaços e os microfones".

 

Heleno se referiu ao prefeito Gilson Andrade (PTC-Estância), que no sábado abriu espaço no programa que apresenta na rádio Xodó do município. O pré-candidato a Senador falou no programa junto com o pré-candidato a governador Eduardo Amorim e o deputado federal Jony Marcos (PRB).

 

Por conta da continuidade da paralisação dos caminhoneiros e da falta de combustível, não teve expediente ontem na Câmara Municipal de Aracaju nem na Assembleia Legislativa. Também não teve no Ministério Público de Sergipe.

 

Continuam suspensas as aulas na rede pública estadual e na Universidade Federal de Sergipe. A Unit também suspendeu as aulas ontem.

 

Governo federal pode aumentar impostos para compensar redução de tributos sobre diesel.  Quem não sabia que era o povo brasileiro que ia pagar, mais uma vez, a conta de uma dívida que não fez?