Sem novidades

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Foi em clima de festa o anúncio da chapa majoritária da oposição liderada por André Moura e Eduardo Amorim. Heleno Silva chegou a declarar nas redes sociais: \"O PRB se soma à oposição para construir um novo Sergipe, onde o desenvolvimento e a justiça
Foi em clima de festa o anúncio da chapa majoritária da oposição liderada por André Moura e Eduardo Amorim. Heleno Silva chegou a declarar nas redes sociais: \"O PRB se soma à oposição para construir um novo Sergipe, onde o desenvolvimento e a justiça

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 19/05/2018 às 06:24:00

 

Não teve novidades no anúncio da chapa 
majoritária do agrupamento político lide
rado pelo deputado federal André Moura (PSC) e o senador Eduardo Amorim (PSDB), ocorrido na manhã de ontem, durante entrevista coletiva à imprensa realizada na sede do PSDB.
Foi confirmado o nome de Eduardo como pré-candidato ao governo e os de André e do presidente de honra do PRB, Heleno Silva, como pré-candidatos ao Senado.
A indicação do vice deverá ficar para o período das convenções, objetivando novas composições que venham fortalecer a chapa majoritária.
O mote dos três pré-candidatos majoritários pela oposição foi "coragem".  Durante discursos, Eduardo, André e Heleno ressaltaram sempre a coragem deles nas decisões tomadas para "mudar Sergipe".
Afirmou Eduardo: "Vamos, ao lado de André e Heleno, transformar em realidade o sonho de um Sergipe que promova vida mais digna, mais saúde, segurança e educação para os cidadãos. É preciso ter coragem para mudar e sabemos que a caminhada não será fácil, mas temos ao nosso lado pessoas dispostas, que trabalham unidas em prol do nosso povo".
Enfatizou ainda o pré-candidato ao governo: "Tenho dedicado os últimos 12 anos à política porque sei que tenho uma missão, e essa missão ainda não foi cumprida em sua totalidade. Luto e continuarei lutando pelo que é certo. Não desisti e não desistirei. É preciso ter coragem para mudar e é com essa força, dedicação e atitude, que seguirei com garra e perseverança na grande luta por dias melhores".
Afirmou Heleno durante discurso que era preciso ter coragem para sair do governo e ir para a oposição, quando o que muitos querem é ser governo. "Estamos fazendo a história do estado de Sergipe. Nós do PRB somos fortes e sabemos o que queremos. Para ter mudança, é preciso coragem e o PRB tem essa coragem", afirmou, enfatizando que seguirá ao lado de Eduardo e André lutando para melhorar a vida dos sergipanos. 
Declarou André em seu pronunciamento já como pré-candidato a senador: "Há quatro anos nosso grupo previu tudo o que vem acontecendo agora. Acompanho Eduardo na chapa majoritária e ele tem razão ao dizer que é preciso coragem para mudar o que aí está. Também foi preciso coragem de Heleno para optar por compor com a oposição. Tenho trabalhado e vou trabalhar ainda mais, ao lado deles, para alcançarmos a vitória".
O anuncio da chapa da oposição com as pré-candidaturas de Eduardo, André e Heleno foi prestigiado por prefeitos, vice-prefeitos, deputados e vereadores do agrupamento político de André e Eduardo, tanto da capital quanto do interior.
 Já as lideranças do agrupamento político de Heleno não compareceram, insatisfeitas com o fato de apenas ele e o presidente de honra do PRB, deputado federal Jony Marcos, terem decidido tirar o partido da base do governo e levar para a oposição sem ouvir a legenda.
Heleno e Jony podem pagar um preço muito caro por isso...

Não teve novidades no anúncio da chapa  majoritária do agrupamento político lide rado pelo deputado federal André Moura (PSC) e o senador Eduardo Amorim (PSDB), ocorrido na manhã de ontem, durante entrevista coletiva à imprensa realizada na sede do PSDB.
Foi confirmado o nome de Eduardo como pré-candidato ao governo e os de André e do presidente de honra do PRB, Heleno Silva, como pré-candidatos ao Senado.
A indicação do vice deverá ficar para o período das convenções, objetivando novas composições que venham fortalecer a chapa majoritária.
O mote dos três pré-candidatos majoritários pela oposição foi "coragem".  Durante discursos, Eduardo, André e Heleno ressaltaram sempre a coragem deles nas decisões tomadas para "mudar Sergipe".
Afirmou Eduardo: "Vamos, ao lado de André e Heleno, transformar em realidade o sonho de um Sergipe que promova vida mais digna, mais saúde, segurança e educação para os cidadãos. É preciso ter coragem para mudar e sabemos que a caminhada não será fácil, mas temos ao nosso lado pessoas dispostas, que trabalham unidas em prol do nosso povo".
Enfatizou ainda o pré-candidato ao governo: "Tenho dedicado os últimos 12 anos à política porque sei que tenho uma missão, e essa missão ainda não foi cumprida em sua totalidade. Luto e continuarei lutando pelo que é certo. Não desisti e não desistirei. É preciso ter coragem para mudar e é com essa força, dedicação e atitude, que seguirei com garra e perseverança na grande luta por dias melhores".
Afirmou Heleno durante discurso que era preciso ter coragem para sair do governo e ir para a oposição, quando o que muitos querem é ser governo. "Estamos fazendo a história do estado de Sergipe. Nós do PRB somos fortes e sabemos o que queremos. Para ter mudança, é preciso coragem e o PRB tem essa coragem", afirmou, enfatizando que seguirá ao lado de Eduardo e André lutando para melhorar a vida dos sergipanos. 
Declarou André em seu pronunciamento já como pré-candidato a senador: "Há quatro anos nosso grupo previu tudo o que vem acontecendo agora. Acompanho Eduardo na chapa majoritária e ele tem razão ao dizer que é preciso coragem para mudar o que aí está. Também foi preciso coragem de Heleno para optar por compor com a oposição. Tenho trabalhado e vou trabalhar ainda mais, ao lado deles, para alcançarmos a vitória".
O anuncio da chapa da oposição com as pré-candidaturas de Eduardo, André e Heleno foi prestigiado por prefeitos, vice-prefeitos, deputados e vereadores do agrupamento político de André e Eduardo, tanto da capital quanto do interior.
 Já as lideranças do agrupamento político de Heleno não compareceram, insatisfeitas com o fato de apenas ele e o presidente de honra do PRB, deputado federal Jony Marcos, terem decidido tirar o partido da base do governo e levar para a oposição sem ouvir a legenda.
Heleno e Jony podem pagar um preço muito caro por isso...

 

Protesto silencioso

Entre as lideranças do PRB que não compareceram ao lançamento da pré-candidatura de Heleno Silva ao Senado, pela oposição, o deputado estadual Jairo de Glória, o ex-prefeito Ivan Leite, a vice-prefeita de Estância e pré-candidata a deputada estadual Adriana Leite, o vereador de Aracaju pastor Alves e o ex-deputado estadual Mardoqueu Bodano.

 

O que falar

Nas rodas políticas o comentário ontem não foi o anúncio de parte da chapa majoritária da oposição, pelo agrupamento de Eduardo Amorim e André Moura, mas o fato de Heleno e Jony Marcos terem deixado o governo, que foram beneficiados nesses anos todo com cargos e chefias, apenas por interesse próprio. Principalmente Heleno, que passou anos como chefe do escritório de representação de Sergipe em Brasília, estando sempre ao lado do governo no DF para resolver as questões do Estado.  Não faltou quem não os chamassem de "traíras".

 

Otimista

Heleno está confiante que 80% do partido marchará com o projeto da sua  candidatura ao Senado pela oposição. "Ainda estamos no lucro. Toda ruptura tem efeito colateral", afirmou, enfatizando que acredita que pelo menos o deputado Jairo de Glória, até as convenções em julho, ficará com ele e Jony por fazer parte da "família PRB".

 

Respeita os companheiros

Segundo Heleno, ele respeita a posição de lideranças do PRB que não estão aceitando a ida do partido para a oposição. Ressaltou que o "sonho do PRB" era disputar o Senado, sendo a primeira vez que o partido participará de uma chapa majoritária e será protagonista em uma eleição.

 

Justificativa

Reafirmou que o PRB deixou o governo por ter sido preterido da chapa majoritária governista, quando, há um ano, já estava acordado que os senadores da chapa seriam Jackson Barreto e Rogério Carvalho. Enfatizou que o partido sempre externou que queria espaço para o Senado e que a  história agora é caminhar com muita determinação, conversar com as pessoas, falar sobre tudo aquilo que pretende fazer.

 

No discurso

Heleno se mostrou já bem à vontade na oposição. Destacou em seu discurso após lançamento da sua pré-candidatura ao Senado: "Formamos um grupo unido. Estou num bloco onde todos são por um. Me sinto em família, acolhido, envolvido. Não tenho dúvidas que a história reserva capítulos daqueles que são fortes, e agora eu estou nele. A recompensa foi grande. Obrigado pelo acolhimento, amigos".

 

Ainda inelegível 1

Na última quinta-feira, um dia antes do anúncio da sua pré-candidatura ao Senado, o ministro relator do recurso especial impetrado pela defesa de  Heleno Silva na 6ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Sebastião Reis Júnior, não reconheceu o recurso. Com isso, o pré-candidato a senador do PRB segue inelegível para as eleições deste ano por conta da sua condenação no Tribunal Regional da 5ª Região a três anos de reclusão por crime de peculato no escândalo das ambulâncias, na Operação Sanguessuga.

 

Ainda inelegível 2

A decisão monocrática do ministro Sebastião Júnior na ação penal 0004005-35.2013.4.050000, às 16h36 do dia 17 de maio, será publicada no Diário Oficial do STJ da próxima segunda-feira, 21. A defesa de Heleno deve entrar com agravo regimental  no STJ para que o recurso especial possa ser analisado pelo plenário.  

 

Redução da pena

No dia 16 de abril deste ano foi julgado no STJ o habeas corpus nº 439166 impetrado pela defesa de Heleno Silva arguindo a prescrição ou diminuição da pena. Foi diminuída a pena em um ano, mantendo a condenação a dois anos de reclusão. Com isso, o ex-deputado federal continua condenado criminalmente por crime contra o patrimônio público e, consequentemente, inelegível nas eleições deste ano.  

 

Perdeu espaço

O anúncio das pré-candidaturas majoritárias da oposição ontem acabou sendo um pouco prejudicado pela notícia da prisão de três e a morte de oito bandidos durante troca de tiros com a polícia na Operação Rubicão, que visava prender os envolvidos no assassinato do capitão Manoel Oliveira, comandante da Companhia Integrada de Patrulhamento em Áreas de Caatinga. A imprensa estava mobilizada nas informações sobre a ação da polícia.

 

Aplausos da sociedade

De parabéns a polícia de Sergipe que em pouco mais de um mês conseguiu elucidar o bárbaro assassinato do capitão Oliveira, morto com mais de 30 tiros disparados. E que conseguiu ainda descobrir que os envolvidos fazem parte de crimes de tráfico, assalto a banco e pistolagem, tendo, inclusive, envolvimento nos assassinatos do ex-deputado Joaldo Barbosa, em janeiro de 2003; do presidente da Câmara de Vereadores de Carira, Jailton Martins de Carvalho, em junho de 2007; e do ex-prefeito de Pedro Alexandre (BA), Petrônio Pereira, em 2016.

 

Aproveitando a deixa

O pré-candidato a governador Eduardo Amorim aproveitou toda movimentação da imprensa sobre as mortes e prisões dos envolvidos no assassinato do capitão Oliveira para dizer, em discurso, que no seu governo os marginais não vão deitar e rolar como acontece nesse governo, onde bandidos matam até agentes de segurança. "No meu governo bandido vai tremer", frisou.

 

Chateado

Informações chegadas à coluna dão conta que o governador Belivaldo Chagas (PSD) teria ficado muito chateado com a nota do PDT pleiteando uma vaga na chapa majoritária, após a possibilidade do PT compor a chapa com dois nomes: de Rogério Carvalho para o Senado e de Eliane Aquino como vice. Teria sido informado que isso tinha partido da deputada estadual Silvia Fontes (PDT), que é esposa do presidente do partido, ex-prefeito Fábio Henrique, e pode ter a pretensão de ser a vice, já que Fábio deseja disputar mandato de deputado federal.

 

Procurando entendimento

Belivaldo já conversou com Fábio Henrique, antes de viajar à Brasília na quinta-feira, que disse que tudo se resolveria, que era só conversar para que se entendessem.   O PDT tem no governo a Secretaria de Turismo e a Deso.

 

Posse

Na próxima segunda-feira, Belivaldo empossará os novos presidentes da Sergas e Codise. Eugênio Dezen deixará a direção da Codise para assumir a Sergas e em seu lugar assume José Matos Lima Filho.  A posse dos dois ocorrerá às 11 horas, no auditório da Codise.

 

Veja essa ...

Ontem, em uma roda política na sede do PSDB, foi comentado que com o pré-lançamento da chapa de oposição do agrupamento político de André Moura e Eduardo Amorim, era só esperar pelos Valadares para que o grupo possa ganhar as eleições no primeiro turno. Foi colocado que com Valadares Filho de vice a chapa seria imbatível.

 

Curtas

Além de não ter sido o foco principal de notícias ontem, quando discursava, Eduardo Amorim acabou sendo prejudicado com a falta de energia. Terminou a leitura do seu discurso no gogó.

 

Eduardo externou ontem a sua vontade de ter uma mulher como sua vice. Ressalta que a sensibilidade de uma mulher pode ajudar muito no dia-a-dia do seu governo, no caso de ser eleito.

 

 O governador Belivaldo Chagas não foi ontem a Recife participar de reunião de governadores do Nordeste, por ter coisas urgentes a resolver em Sergipe, já que na quinta viajou a Brasília em busca de recursos. Mas ligou para os governadores dizendo que apoiava as decisões tomadas em benefício da região.

 

Ontem Belivaldo despachou na Secretaria de Estado da Saúde, que tem como secretário interino o médico Valberto Lima.

 

Petistas participaram ontem do Seminário da CNB Nordeste em Aracaju, que contou com as presenças de Ellen Costa, membro da executiva nacional do PT; Vivian Farias e Rodrigues Soares membros do diretório nacional do PT; do deputado federal e presidente da comissão dos direitos humanos da Câmara Federal, Paulão de Alagoas, e Sérgio Gabrielli economista e ex-presidente da Petrobras.

 

Entre os pontos debatidos, com a presença do vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo, a conjuntura política e o desenvolvimento regional.