Todos vão querer se salvar

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O vereador Jason Neto afirmou que o seu partido deverá se reunir com o governador Belivaldo Chagas nessa sexta-feira para discutir a questão da chapa majoritária. Revela que o PDT abriu da chapa majoritária para facilitar a composição com o PRB, mas como
O vereador Jason Neto afirmou que o seu partido deverá se reunir com o governador Belivaldo Chagas nessa sexta-feira para discutir a questão da chapa majoritária. Revela que o PDT abriu da chapa majoritária para facilitar a composição com o PRB, mas como

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/05/2018 às 06:21:00

 

Nas eleições deste ano não veremos 
uma unidade da chapa majoritária. Di
ficilmente os candidatos vão pedir votos para os companheiros de chapa, uma vez que vão priorizar apenas suas candidaturas, olhando apenas para o seu umbigo.
Na chapa a ser encabeçada pelo governador Belivaldo Chagas (PSD) os dois pré-candidatos ao Senado só vão pedir votos para eles mesmos. Nem o ex-governador Jackson Barreto (MDB) deve pedir votos para o presidente do PT, Rogério Carvalho, nem o petista pedirá votos para o emedebista.
Rogério, sempre que pode, alfineta Jackson Barreto nas redes sociais e nas entrevistas que concede. Chegou a declarar que o Senado não deve ser aposentadoria para ex-governadores. Petistas da Articulação de Esquerda, que é a corrente da deputada estadual Ana Lúcia, externam publicamente que não votarão em JB e, inclusive, defendem que o PT saia com chapa puro sangue.
Jackson se mantém em silêncio com relação a Rogério, mas aliados já externaram que não votam com ele para o Senado. Um deles é o deputado federal Fábio Reis (MDB), que defende Eliane Aquino (PT) como vice, mas não Rogério como senador.
É certo que tanto Jackson quanto Rogério venham a pedir votos para Belivaldo Chagas.
Pela oposição, no agrupamento político do deputado federal André Moura (PSC) e do senador Eduardo Amorim (PSDB), cujo lançamento de parte da chapa ocorrerá amanhã, às 7h, na sede do PSDB, a situação também não será diferente.
André, que vai para a disputa para o Senado, dificilmente pedirá votos para o companheiro de chapa, que deve ser mesmo o presidente de honra do PRB, Heleno Silva.  Os apoios que conseguiu dos prefeitos, graças aos recursos do governo federal que está conseguindo liberar para os municípios, foi só para votar com ele. O mesmo acontecerá com Heleno, que deverá trabalhar apenas o seu nome para senador junto aos evangélicos.
Todo esse cenário político tem a ver com os grandes nomes da política sergipana que vão disputar as duas vagas para o Senado: Jackson Barreto, Rogério Carvalho, André Moura, Heleno Silva e ainda tem o senador Valadares, que pode concorrer a reeleição na chapa encabeçada pelo deputado federal Valadares Filho (PSB).
O eleitor que não anular o seu voto decepcionado com a classe política vai votar em um governador e senador de uma coligação e em um outro senador de outra coligação. Os próprios candidatos majoritários e proporcionais também votarão assim. O voto nas eleições 2018 será um verdadeiro sarapatel de coruja.
Trocando em miúdos, nas eleições deste ano dificilmente, mais dificilmente mesmo, serão eleitos dois senadores de uma mesma coligação. Deverá ser um da oposição e um da situação.
Que a coluna tenha conhecimento, somente em uma única eleição foram eleitos o governador e os dois senadores da mesma coligação. Foi a de 2010, quando foram eleitos Marcelo Déda (governador) com Valadares e Eduardo Amorim (senadores). Este fenômeno não se repitará em outubro deste ano.         

Nas eleições deste ano não veremos  uma unidade da chapa majoritária. Di ficilmente os candidatos vão pedir votos para os companheiros de chapa, uma vez que vão priorizar apenas suas candidaturas, olhando apenas para o seu umbigo.
Na chapa a ser encabeçada pelo governador Belivaldo Chagas (PSD) os dois pré-candidatos ao Senado só vão pedir votos para eles mesmos. Nem o ex-governador Jackson Barreto (MDB) deve pedir votos para o presidente do PT, Rogério Carvalho, nem o petista pedirá votos para o emedebista.
Rogério, sempre que pode, alfineta Jackson Barreto nas redes sociais e nas entrevistas que concede. Chegou a declarar que o Senado não deve ser aposentadoria para ex-governadores. Petistas da Articulação de Esquerda, que é a corrente da deputada estadual Ana Lúcia, externam publicamente que não votarão em JB e, inclusive, defendem que o PT saia com chapa puro sangue.
Jackson se mantém em silêncio com relação a Rogério, mas aliados já externaram que não votam com ele para o Senado. Um deles é o deputado federal Fábio Reis (MDB), que defende Eliane Aquino (PT) como vice, mas não Rogério como senador.
É certo que tanto Jackson quanto Rogério venham a pedir votos para Belivaldo Chagas.
Pela oposição, no agrupamento político do deputado federal André Moura (PSC) e do senador Eduardo Amorim (PSDB), cujo lançamento de parte da chapa ocorrerá amanhã, às 7h, na sede do PSDB, a situação também não será diferente.
André, que vai para a disputa para o Senado, dificilmente pedirá votos para o companheiro de chapa, que deve ser mesmo o presidente de honra do PRB, Heleno Silva.  Os apoios que conseguiu dos prefeitos, graças aos recursos do governo federal que está conseguindo liberar para os municípios, foi só para votar com ele. O mesmo acontecerá com Heleno, que deverá trabalhar apenas o seu nome para senador junto aos evangélicos.
Todo esse cenário político tem a ver com os grandes nomes da política sergipana que vão disputar as duas vagas para o Senado: Jackson Barreto, Rogério Carvalho, André Moura, Heleno Silva e ainda tem o senador Valadares, que pode concorrer a reeleição na chapa encabeçada pelo deputado federal Valadares Filho (PSB).
O eleitor que não anular o seu voto decepcionado com a classe política vai votar em um governador e senador de uma coligação e em um outro senador de outra coligação. Os próprios candidatos majoritários e proporcionais também votarão assim. O voto nas eleições 2018 será um verdadeiro sarapatel de coruja.
Trocando em miúdos, nas eleições deste ano dificilmente, mais dificilmente mesmo, serão eleitos dois senadores de uma mesma coligação. Deverá ser um da oposição e um da situação.
Que a coluna tenha conhecimento, somente em uma única eleição foram eleitos o governador e os dois senadores da mesma coligação. Foi a de 2010, quando foram eleitos Marcelo Déda (governador) com Valadares e Eduardo Amorim (senadores). Este fenômeno não se repitará em outubro deste ano.

 

Verdadeira salada

O entendimento de lideranças políticas é que prefeitos, deputados estaduais, deputados federais e vereadores tanto da oposição quanto da situação vão votar para governador em Belivaldo Chagas e para senador em Jackson Barreto e André Moura. Assim como em Eduardo Amorim para governador e para senador em André e Jackson. Haverá também os que votarão em Valadares Filho para governador e em Valadares para o Senado, dando o segundo voto de senador a outro candidato de outra coligação. E por ai vai com os demais candidatos majoritários.

 

Só um compromisso

No agrupamento de André Moura, por exemplo, muitos aliados só fecharam compromisso em votar com o deputado federal para o Senado. É o caso dos deputados estaduais do PSC: Gilmar Carvalho, Venâncio Fonseca e Capitão Samuel.

 

Se estranhando

Por falar em Capitão Samuel e Gilmar Carvalho a coluna recebeu a informação de que os dois deputados estão em pé de guerra por espaços políticos. Ontem mesmo um não gostou de ver o outro na audiência com o governador Belivaldo Chagas para reivindicar pleito dos policiais militares e bombeiros reformados. O detalhe é que a audiência foi marcada por intermédio de Gilmar.

 

Mais um que fica 1

O vereador Pastor Alves (PRB) disse ontem no programa do colega vereador Jason Neto, na Aperipê, que vai votar em Belivaldo Chagas para governador e que exige que tanto o presidente do PRB, Jony Marcos, quanto Heleno Silva expliquem o motivo que deixaram o governo para ir para a oposição. Ressaltou que as lideranças do seu partido sempre foram "muito beneficiadas" pelo governo.

 

 Mais um que fica 2

O vereador Alves não é o único do PRB que não aceita a ida do partido para a oposição e que vai permanecer na base governista. O deputado estadual Jairo de Glória também fará isso. O deputado, inclusive, esteve ao lado de Belivaldo na ida a municípios do sertão nessa segunda e terça-feira para entrega de sementes aos pequenos agricultores. Além de Alves e Jairo, o ex-prefeito Ivan Leite e o ex-deputado estadual Mardoqueu Bodano vão permanecer na base do governo.  

 

Declarando apoio

No final da tarde de ontem um grupo de vereadores foi ao Palácio de Despachos fazer uma visita a Belivaldo, falar das eleições e declarar seu apoio. Estiveram com o governador Jason Neto (PDT), Tiaguinho Batalha (PMB), Nitinho (PSD), Pastor Alves (PRB), Fábio Meireles (PPS), Dr. Gonzaga (MDB), Palhaço Soneca (PPS) e Bigode (MDB).   

 

Novas especulações

Um ex-prefeito da base aliada de André Moura e Eduardo Amorim disse ontem à coluna que os pré-candidatos a governador Valadares Filho e Eduardo voltaram a conversar. E não descartou a possibilidade de entendimento entre os dois, para VF ser o vice.

 

Desfazendo boatos 1

Em conversa com a coluna, o senador Valadares disse que não passa de boatos que Valadares Filho pode ser o vice de Eduardo Amorim. "Este assunto de VF nunca foi discutido no âmbito do PSB, notadamente neste momento, quando a sua pré-candidatura ao governo do Estado tornou-se um objetivo do PSB para dar um novo rumo à política e à gestão administrativa em Sergipe. É irreversível a sua candidatura há cerca de seis meses", assegura.

 

Desfazendo boatos 2

Ressalta o senador: "Esses revelam, antes de tudo, uma preocupação de nossos adversários em afastar boato incômodo da candidatura de um jovem de vida limpa que tem tudo para ganhar as eleições".

 

Prioridade

De Valadares, ao ser questionado se pode abrir mão de disputar a reeleição para fortalecer a pré-candidatura do filho a governador: "Estou focado na candidatura de Valadares Filho. O Senado só vamos discutir depois".

 

Sem muito interesse

O deputado federal Fábio Reis (MDB) conversará na próxima segunda-feira com o ex-governador Jackson Barreto sobre o convite do líder do partido na Câmara, Baleia Rossi (SP), e o presidente da legenda Romero Jucá (PR), para que assuma o comando do partido no Estado com a decisão de João Augusto Gama não querer mais presidir a legenda. Fábio disse que  não tem vaidade alguma para ocupar o cargo, mas que se for exigido que seja o presidente pode até aceitar.

 

Queimação

A imprensa nacional divulgou ontem que o ministro Alberto Beltrame  (Desenvolvimento Social) decidiu demitir o presidente do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) Francisco Lopes após o jornal O Globo revelar que ele contratou a empresa RSX Informática Ltda por R$ 8,8 milhões, cuja sede funcionava numa loja destinada a venda de bebidas, para fornecer programas de computador ao órgão. Foi noticiado, com foto, que Francisco Lopes era indicação do PSC, partido do líder do governo no Congresso, deputado André Moura (SE). E que, pelo acordo feito com o deputado, caberá ao PSC indicar o substituto de Lopes.

 

Veja essa ...

Do vereador Bittencourt (PCdoB), líder do prefeito na Câmara Municipal de Aracaju, sobre os embargos declaratórios solicitados pelo PSB alegando inconstitucionalidade sobre a Lei que alterou o IPTU de Aracaju e que serão apreciados pelo Tribunal de Justiça de Sergipe, com pedido de vistas ontem: "Os embargos apresentados pelo PSB não têm a menor intenção de promover qualquer reparação ou justiça. Eles estão poucos interessados nisso. O objetivo principal do partido de Valadares Pai e Filho, via Elber Batalha Filho, é criar elementos para prejudicar e desequilibrar a gestão de Edvaldo Nogueira, promovendo o caos".

 

...e essa...

Prosseguiu Bittencourt: "A maior tristeza deles é que a Prefeitura está indo bem, as coisas estão acontecendo, o que torna cada vez mais difícil sonhar com o PSB sobre o comando da Prefeitura de Aracaju. O Valadares Pai não terá na sua biografia, a possibilidade de presentear o filho com mais um mandato". 

 

Curtas

Um pedido de vistas da desembargadora Elvira Maria de Almeida Silva adiou para a próxima quarta-feira uma decisão do TJSE sobre os empréstimos das empresas de Edivan Amorim ao BNB.

 

O governador Belivaldo Chagas pediu empenho ao secretário da Fazenda para que trabalhe para que o salário de maio do servidor público, aposentado e pensionista seja pago até o dia 5 de junho e que a partir de junho sejam pagos dentro do mês.

 

Quando estava no sertão para entrega de sementes, na terça-feira passada, Belivaldo deparou com um piquete em Monte Alegre de estudantes da Escola 28 de Março. Bem ao seu estilo, desceu do carro e foi para a escola conversar.

 

Ouviu dos alunos o protesto da escola ter se transformado em tempo integral e não ter estrutura para isso, por não ter cozinha, refeitório, quadra esportiva nem diretor. O governador disse que tinha um projeto pronto e recursos para implantá-lo, determinando que ontem fossem apresentado aos alunos.  

 

No período de 7 a 9 de junho a Assembleia Legislativa estará promovendo o Fórum Sergipano de Direito Autoral, que enfocará a transparência como caminho para a cidadania.

 

O evento, que já tem confirmado o ex-ministro do TSE Henrique Neves como palestrante, será realizado no Teatro Tobias Barreto. As inscrições são gratuitas e ocorrerão através do site da Alese.