Cavou a própria sepultura

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O ex-governador Jackson Barreto (MDB) retornou de viagem de férias na terça-feira, às 13h, e no final da tarde ganhou festa surpresa pela passagem do seu aniversário no último domingo (6), organizada pela sua secretária Aninha.  Entre os presentes os amig
O ex-governador Jackson Barreto (MDB) retornou de viagem de férias na terça-feira, às 13h, e no final da tarde ganhou festa surpresa pela passagem do seu aniversário no último domingo (6), organizada pela sua secretária Aninha. Entre os presentes os amig

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/05/2018 às 00:46:00

 

O estilo Almeida Lima todos conhe-
cem: arrogante, ostentador e cen-
tralizador. Como gestor tem o perfil de uma pessoa que resolve as coisas a qualquer custo.
Quando Almeida assumiu a Secretaria da Saúde no governo Jackson Barreto (MDB), foi logo dizendo que o problema na área não era de recursos, mas de gestão. Se indispôs de cara com a família Reis, que havia assumido a Fundação Hospitalar de Saúde, quando tirou toda a autonomia da fundação passando para a sua secretaria.
Almeida convenceu Jackson a levar o Estado  a  assumir o Hospital Cirurgia para resolver os constantes problemas que resultavam na greve de médicos e prejuízos para a população que ficava sem o devido atendimento, seja médico ou cirúrgico.
Mesmo o estado tendo assumido a administração do Cirurgia os mesmos problemas continuam existindo, assim como os do Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE), com pacientes levando meses internados esperando por uma cirurgia.     
Em meio a crise financeira do Estado, que levou ao atraso no pagamento dos salários dos servidores públicos e parcelamento dos vencimentos dos aposentados e pensionistas, Almeida, indiferente a essa realidade, transformou o antigo prédio do Mistão, na Av. Rio de Janeiro, no Taj Mahal, para ser a nova sede da Secretaria da Saúde que sempre funcionou na Praça General Valadão e que tinha acabado de passar por uma reforma.
Almeida, para querer agradar Jackson Barreto nas suas últimas horas como governador, inaugurou o Centro de Nefrologia, sem que estivesse pronto para funcionar. Um dia após a inauguração foi todo desmontado para conclusão da obra, provocando uma ampla repercussão negativa para o governo até na imprensa nacional.
Belivaldo Chagas (PSD) assumiu o comando da máquina do Estado no dia 7 de abril, um sábado, e já na segunda-feira logo cedo foi fazer uma visita surpresa ao HUSE visando ver "in loco" o seu funcionamento e se inteirar da situação do Centro de Nefrologia. Não gostou do que viu e disse que o hospital não deveria funcionar como hotelaria, com as pessoas passando meses internadas aguardando um procedimento cirúrgico.
Cobrou ações do secretário Almeida Lima nesse sentido e um prazo para o funcionamento do Centro de Nefrologia.
Foi nesse episódio que Belivaldo demonstrou publicamente o descontentamento com Almeida. A partir daí, mudou a superintendência do HUSE e dos hospitais regionais, o DAF e o secretário Executivo da Saúde, deixando engessado AL.
A insatisfação aumentou quando foi recebendo relatórios da Saúde com algumas ações de Almeida do tipo efetuar pagamentos por ofício, sem que o registro fosse feito no sistema, e querer fazer o PSS, com a contratação de cerca de 1.900 pessoas para trabalhar na área da saúde sem um estudo sobre o impacto na folha de pessoal.
Belivaldo já estava condicionado a tirar Almeida da Saúde, mas resolver apressar sua saída com o episódio lamentável da humilhação a que submeteu uma paciente de oncologia que tudo que reivindicava era um exame de Petscam para continuar viva.
Bem ao seu estilo de ir "in loco" ver os problemas e tentar resolver, o governador foi ontem de manhã visitar Edilma Maria em sua residência, que se encontra em estado de metástase, que narrou toda a humilhação sofrida por Almeida, que a deixou sem poder andar por falta de força nas pernas.
Esse episódio lamentável e sub-humano foi a gota d´água para o governador bater o martelo sobre a saída de Almeida da Secretaria da Saúde, o que se concretizou na tarde de ontem mesmo.
Trocando em miúdos, Almeida acabou cavando a sua própria sepultura na Saúde do Estado...

O estilo Almeida Lima todos conhe- cem: arrogante, ostentador e cen- tralizador. Como gestor tem o perfil de uma pessoa que resolve as coisas a qualquer custo.
Quando Almeida assumiu a Secretaria da Saúde no governo Jackson Barreto (MDB), foi logo dizendo que o problema na área não era de recursos, mas de gestão. Se indispôs de cara com a família Reis, que havia assumido a Fundação Hospitalar de Saúde, quando tirou toda a autonomia da fundação passando para a sua secretaria.
Almeida convenceu Jackson a levar o Estado  a  assumir o Hospital Cirurgia para resolver os constantes problemas que resultavam na greve de médicos e prejuízos para a população que ficava sem o devido atendimento, seja médico ou cirúrgico.
Mesmo o estado tendo assumido a administração do Cirurgia os mesmos problemas continuam existindo, assim como os do Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE), com pacientes levando meses internados esperando por uma cirurgia.     
Em meio a crise financeira do Estado, que levou ao atraso no pagamento dos salários dos servidores públicos e parcelamento dos vencimentos dos aposentados e pensionistas, Almeida, indiferente a essa realidade, transformou o antigo prédio do Mistão, na Av. Rio de Janeiro, no Taj Mahal, para ser a nova sede da Secretaria da Saúde que sempre funcionou na Praça General Valadão e que tinha acabado de passar por uma reforma.
Almeida, para querer agradar Jackson Barreto nas suas últimas horas como governador, inaugurou o Centro de Nefrologia, sem que estivesse pronto para funcionar. Um dia após a inauguração foi todo desmontado para conclusão da obra, provocando uma ampla repercussão negativa para o governo até na imprensa nacional.
Belivaldo Chagas (PSD) assumiu o comando da máquina do Estado no dia 7 de abril, um sábado, e já na segunda-feira logo cedo foi fazer uma visita surpresa ao HUSE visando ver "in loco" o seu funcionamento e se inteirar da situação do Centro de Nefrologia. Não gostou do que viu e disse que o hospital não deveria funcionar como hotelaria, com as pessoas passando meses internadas aguardando um procedimento cirúrgico.
Cobrou ações do secretário Almeida Lima nesse sentido e um prazo para o funcionamento do Centro de Nefrologia.
Foi nesse episódio que Belivaldo demonstrou publicamente o descontentamento com Almeida. A partir daí, mudou a superintendência do HUSE e dos hospitais regionais, o DAF e o secretário Executivo da Saúde, deixando engessado AL.
A insatisfação aumentou quando foi recebendo relatórios da Saúde com algumas ações de Almeida do tipo efetuar pagamentos por ofício, sem que o registro fosse feito no sistema, e querer fazer o PSS, com a contratação de cerca de 1.900 pessoas para trabalhar na área da saúde sem um estudo sobre o impacto na folha de pessoal.
Belivaldo já estava condicionado a tirar Almeida da Saúde, mas resolver apressar sua saída com o episódio lamentável da humilhação a que submeteu uma paciente de oncologia que tudo que reivindicava era um exame de Petscam para continuar viva.
Bem ao seu estilo de ir "in loco" ver os problemas e tentar resolver, o governador foi ontem de manhã visitar Edilma Maria em sua residência, que se encontra em estado de metástase, que narrou toda a humilhação sofrida por Almeida, que a deixou sem poder andar por falta de força nas pernas.
Esse episódio lamentável e sub-humano foi a gota d´água para o governador bater o martelo sobre a saída de Almeida da Secretaria da Saúde, o que se concretizou na tarde de ontem mesmo.
Trocando em miúdos, Almeida acabou cavando a sua própria sepultura na Saúde do Estado...

 

Antecipando os fatos

Na visita do governador Belivaldo Chagas (PSD) à residência da paciente de oncologia Edilma Maria, ele acabou se emocionando e indo às lágrimas com o seu relato de humilhação pelo secretário Almeida Lima (Saúde).  BC, que estava acompanhado dos secretários Rosman Pereira (Seplag) e Sales Neto (Secom), saiu dizendo que tomaria as devidas providências.

 

A exoneração

Logo após ter deixado a casa de Edilma, o governador marcou uma conversa com o ex-governador Jackson Barreto (MDB) para comunicar da decisão de exonerar Almeida, que é primo de JB, por consideração e respeito ao amigo. No meio da tarde chamou Almeida ao Palácio de Despachos e comunicou a sua exoneração, que deve ser publicada no Diário Oficial do Estado de hoje.

 

O interino

Responderá interinamente pelo comando da Saúde no Estado o recém-empossado secretário Executivo da Secretaria da Saúde, Dr. Valberto Oliveira. Com 32 anos de formação em Medicina, Valberto exerceu a profissão no município de Aracaju e nos Hospitais Cirurgia, Huse e da Unimed, além de atuar como professor de Residência Médica de Cirurgia.

 

Inverdade

A coluna tem informações de que Almeida Lima teria comunicado ao então governador Jackson Barreto que o impacto na folha de pessoal com a realização do Processo Seletivo Simplificado (PSS) seria de R$ 44 milhões no ano. Levantamento feito mostrou que a folha teria um acréscimo de cerca de R$ 120 milhões anual com a contratação de cerca de 1.900 pessoas na área de saúde, ultrapassando a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

 

Novo estudo

Segundo o próprio governador, que ficou chateado com esses dados, um novo estudo será feito para saber quantas pessoas para a área de saúde podem ser contratadas de modo a não infringir a LRF. Revelou que se não tiver condições da realização do PSS este ano o dinheiro da inscrição será devolvido àqueles que se inscreveram.

 

A vice que deseja

Na entrevista que concedeu ontem pela manhã na Fan FM, ao radialista George Magalhães, o governador Belivaldo não deixou dúvidas que existe a possibilidade da vice-prefeita de Aracaju, Eliane Aquino, ser a sua vice na chapa do PSD para o governo. Disse que é grande a aceitação da população sobre a chapa Belivaldo/Eliane e que ela ser vice só depende dela, já que não ver problema do PT compor a chapa com dois cargos, sendo a outra vaga a de Rogério Carvalho para o Senado.

 

Chateação com o PRB

O governador externou ainda sua mágoa com relação a posição do PRB de entregar os cargos no governo e querer agir como o PSB em 2014, que fez isso como forma de pressão para compor a chapa governista encabeçada por Jackson Barreto.  Disse que se o PRB, que não assume que vai para a oposição, quiser retornar ao governo será sem cargos. "Cargos só no próximo governo", declarou.  

 

Fechando a torneira

Em reunião ontem do secretário Ademário Alves  (Fazenda) com os chefes dos DAF foi colocado a necessidade de apertar o cinto para que o governo tenha condições de pagar o salário dos servidores, aposentados e pensionistas logo no início de cada mês e sem parcelamento.  Informou a inexistência de cota orçamentária nos próximos 120 dias.

 

13º salário

O governo também trabalha para chegar ao meio do ano tendo conseguido pagar a metade do 13º salário dos servidores, uma vez que deixaram de ter uma antecipação no mês do seu aniversário.

 

Boulos em Sergipe

O presidenciável Guilherme Boulos (PSOL) estará em Sergipe cumprindo  uma extensa agenda no próximo dia 14 de maio ao lado do pré-candidato a governador Márcio Souza (PSOL) e do pré-candidato ao Senado Jossimário Mick (PSOL), que é o nome mais jovem do país para o Senado com 35 anos.

 

Ponto de vista

"Precisamos romper com esse ciclo vicioso de poder que se alterna em nosso Estado. Estamos carentes de novos nomes para ocupar a vaga no Senado e os pré-candidatos que têm se apresentados são em sua maioria fichas-sujas. Sergipe não pode ficar refém desses coronéis que utilizam da política como uma forma de sobrevivência. Uma nova forma de se fazer política é possível", afirma Jossimário.

 

Veja essa ...

Ontem, no primeiro "Papo Reto" com o governador Belivaldo Chagas pelo Facebook, com quase 20 mil pessoas alcançadas e 13 mil visualizações, o campeão nas indagações foi Almeida Lima com as pessoas querendo saber quando ele deixaria a Secretaria da Saúde. Foi criado até o hastag #ForaAlmeida. Se tornou insustentável a permanência de Almeida no comando da pasta, que só vinha desgastando o governo Belivaldo e até o próprio Jackson Barreto, que é pré-candidato ao Senado.

 

Curtas

Belivaldo Chagas quer no seu governo alguém com agilidade, que faça as coisas andar. Garante que mudará qualquer gestor que não andar no seu ritmo, até porque não tem muito tempo no governo.   

 

Na sessão plenária de ontem da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Gilmar Carvalho (PSC) relatou a humilhação sofrida pela paciente oncológica. "Edilma, com câncer, já com metástase, foi escancaradamente humilhada, pisoteada nos seus mais dignos direitos pelo secretário Almeida Lima, no Centro Administrativo da Saúde, onde não há divisórias, na presença de vários servidores", relatou, mostrando sua indignação.

 

 A telefonia móvel em Sergipe é pauta constante no gabinete do deputado federal Fábio Reis (MDB/SE). Ontem, o parlamentar e os vereadores Gilberto da Farinha e Fernando Moura se reuniram com representantes da Anatel e da Vivo para tratar da cobertura e da qualidade do serviço em Sergipe.

 

O pré-candidato a deputado federal Fábio Henrique (PDT) revela que não declarou em entrevista a imprensa que não votaria em Jackson Barreto para o Senado, apenas que tinha dificuldades em Socorro com o seu grupo por conta da opção de JB pelo grupo do prefeito Padre Inaldo (PCdoB).

 

Nas redes sociais o comentário ontem à tarde e noite foi a exoneração de Almeida Lima. A grande maioria festejando a sua saída e dizendo que já ia tarde. Impressionante!