Não dá para comparar

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 03/02/2018 às 10:30:00

O deputado federal André Moura (PSC), líder do governo no Congresso, conseguiu atrair cerca de 65 prefeitos para a visita do ministro Alexandre Baldy (Cidades) à Aracaju, na última quinta-feira, para assinatura de um convênio do Plano de Mobilidade Urbana de Aracaju com o prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) e outros convênios com prefeituras do interior.

O prefeito Marcos Santana (MDB-São Cristovão) está à frente de uma reunião que ocorre hoje entre prefeitos e o pré-candidato a governador Belivaldo Chagas (MDB). A reunião acontecerá em uma chácara no Povoado Pedreiras, no município, a partir das 9 ho4qw. Como esses dois eventos foram marcados em datas próximas, estando de um lado um pré-candidato a governador da base governista e do outro lado uma liderança da oposição que tem sempre seu nome cogitado para o governo, foi o suficiente para se propagar quem conseguirá reunir um maior número de prefeitos.

Essa comparação de força e prestigio político não tem lógica, uma vez que os eventos são distintos. Como líder do governo no Congresso, André Moura se tornou uma grande liderança política não só no estado. Demonstra grande influência política no governo Michel Temer e vem conseguindo liberar recursos para os municípios sergipanos, inclusive os que não são administrados por seus aliados, caso de Aracaju.
O governador Jackson Barreto (MDB) foi o primeiro a procurá-lo após o carnaval do ano passado em busca de ajuda para liberação de recursos para Sergipe nesse período de vacas magras. Abriu a porteira para que os prefeitos da oposição também fizessem isso, a exemplo de Edvaldo Nogueira (PCdoB).

Os prefeitos que André reuniu anteontem na recepção ao ministro das Cidades não foi somente pelo seu prestigio e influência, mas pelo interesse deles em conseguir recursos para seus municípios. Não foi para demonstrar apoio a uma pré-candidatura majoritária, até porque o líder nunca declarou que era pré-candidato a governador.
Já os prefeitos que participarem hoje da reunião na chácara do Povoado Pedreiras, em São Cristovão, com Belivaldo Chagas, vão com o objetivo de referendar apoio a sua pré-candidatura ao governo.
A medição de apoio político só deve ocorrer em eventos com os pré-candidatos postos à mesa.

À frente
O prefeito Marcos Santana (MDB-São Cristovão) está contando com o apoio do deputado federal João Daniel (PT) e do deputado estadual Francisco Gualberto (PT) na mobilização dos prefeitos a reunião neste sábado com o pré-candidato a governador Belivaldo Chagas (MDB). Vão marcar presença no evento o governador Jackson Barreto (MDB) e o deputado federal Fábio Reis (MDB).

Outras reuniões
Esta é a primeira reunião do ano de lideranças da base aliada do governador para referendar apoio a Belivaldo, que terá ainda as presenças de vice-prefeitos e ex-prefeitos. No ano passado ocorreram reuniões de apoio promovidas pelo PSD, PT, PDT e MDB.

Entendimento
partidário
O presidente de honra do PRB, ex-deputado federal Heleno Silva, disse ontem que o seu partido quer definir em abril as deliberações sobre as eleições deste ano. Reafirma que o PRB quer fazer parte da chapa majoritária governista indicando o candidato a senador ou a vice-governador.

Na contramão
Diferente dos aliados e auxiliares do governo, o secretário Almeida Lima (Saúde) defende que o governador Jackson Barreto fique no governo até o final do seu mandato, ou seja, que não se desincompatibilize do governo até 6 de abril para concorrer ao Senado. À Folha da Praia, Almeida afirmou que defende que JB permaneça governador até 31 de dezembro e redirecione algumas questões do governo para poder eleger o seu candidato a governador Belivaldo Chagas.

Em Brasília
Na próxima segunda-feira, às 15h, tem reunião dos governadores com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na pauta, o pedido de prioridade para a votação do projeto que trata da securitização das dívidas, que vai permitir que os estados "vendam" a bancos os chamados "direitos creditórios", ou seja, as dívidas de contribuintes com o governo.

Desanimado
O governador Jackson Barreto marcará presença na reunião dos governadores com o presidente da Câmara. Pela manhã, antes de ir a Brasília, participará de uma solenidade no Corpo de Bombeiros. JB anda desanimado com o agravamento da crise econômica do Estado e a não liberação do financiamento de R$ 560 milhões do Finisa para recuperação das estradas.

Eleições 2018
Além do publicitário Carlos Cauê, que deixou a Secretaria Municipal de Governo para trabalhar a pré-candidatura de Belivaldo Chagas a governador, mais um profissional de comunicação deixa seus cargos público para cuidar de uma pré-candidatura majoritária. É Augusto Aranha, que deixou a assessoria de comunicação da Emsurb para trabalhar com o pré-candidato Mendonça Prado (DEM).

Alfinetada 1
De Mendonça Prado, ex-aliado do governador Jackson Barreto, nas redes sociais: "O estado de Sergipe está totalmente desorganizado e o governo não está tendo coragem de tomar decisões que possam efetivamente mudar essa situação. Por essa razão, servidores estão recebendo em atraso, aposentados e pensionistas estão humilhados".

Alfinetada 2
Disse ainda o pré-candidato a governador: "Para Sergipe entrar nos trilhos é preciso um governo austero, sem amarras e com coragem para adotar medidas enérgicas, eficazes, capazes de ajustar as contas públicas e solucionar os problemas existentes".

Prisão especial 1
 O fim da prisão especial para magistrados, membros do Ministério Público e das Forças Armadas está determinado em projeto (PLS 151/2009) que aguarda votação do Plenário do Senado. O benefício está previsto na Lei Orgânica da Magistratura e no Estatuto do Ministério Público. Atualmente, as prisões especiais para quem tem diploma de curso superior, por exemplo, só podem ser aplicadas em caráter provisório até o momento da condenação final. Após o julgamento, o preso é transferido para as celas comuns.

Prisão especial 2
No caso dos magistrados e membros do Ministério Público, no entanto, a legislação específica garante o direito de ficar em ala separada no presídio onde estejam cumprindo a pena definitiva. Para o senador Jorge Viana (PT-AC), o assunto deveria ser incluído na Reforma do Código Penal (PLS 236/2012), para que a mudança não seja vista como uma represália do Legislativo a ações do Judiciário.

Subvenção da Alese
O deputado estadual Zezinho Guimarães (MDB) garante que o ministro relator dos processos de subvenção social da Assembleia Legislativa dos deputados acusados de irregularidades na aplicação das verbas em 2014,    Luiz Fux, ainda não se pronunciou. Os processos começam a entrar na pauta do TSE a partir do dia 19, quando já está agendado o julgamento do deputado federal Adelson Barreto (PR).  

Ponto de vista
Do deputado Zezinho Guimarães, que está muito próximo de André Moura e até defende sua filiação ao MDB, sobre a chapa majoritária da oposição em Sergipe: "O meu feeling político diz que o senador Eduardo Amorim será o candidato a governador e o líder André Moura vai para a reeleição de deputado federal".

Veja essa...

Ontem, durante inauguração de obra da integração do Rio São Francisco em Cabrobó, Pernambuco, um dos principais redutos eleitorais do ex-presidente Lula, o presidente Michel Temer ouviu vários elogios a Lula pelo fato de ser ele o responsável pelo início das obras do projeto de integração do Velho Chico. Entre os que se manifestaram em discurso pró-Lula: o prefeito de Cabrobó (PE), Marcílio Cavalcanti (MDB); o governador de Pernambuco em exercício, Raul Henry (MDB); e o senador Fernando Bezerra (MDB).

Curtas

Começam na próxima segunda-feira os trabalhos legislativos de 2018 no Congresso Nacional. A reforma da previdência e a privatização da Eletrobras estarão na ordem do dia da Câmara e do Senado.

Na próxima terça-feira Gilmar Mendes transmitirá, em sessão solene, o cargo de presidente do TSE a seu sucessor, o ministro Luiz Fux, atual vice-presidente do tribunal. Na mesma sessão de posse, a ministra Rosa Weber assumirá como vice-presidente na gestão de Fux. Para muitos brasileiros, Gilmar já deixa tarde a presidência do TSE.

Quem divulgar notícias que souber serem falsas sobre assuntos relacionados a saúde, segurança pública, economia nacional, processo eleitoral ou que afetem interesse público relevante poderá ser punido com penas de detenção ou reclusão. É o que prevê o Projeto de Lei do Senado 473/2017, que aguarda a designação de relator na CCJ.

O projeto, do senador Ciro Nogueira (PP-PI), estabelece pena de seis meses a dois anos de detenção no caso da simples divulgação das chamadas "fake news". Caso essa divulgação seja feita por meio da internet, a pena passa a ser de reclusão de um a três anos. Se a prática visar à obtenção de algum tipo de vantagem, a pena poderá ser aumentada em até dois terços.

Este final de semana será mais uma vez de carnaval em bairros de Aracaju, com a realização de vários bloquinhos. Tem Carro Quebrado, no São José, e vários bloquinhos no Inácio Barbosa e na Orla da Atalaia.