Discurso de candidato

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 24/10/2017 às 06:19:00

A oposição em Sergipe tem hoje três nomes cogitados para disputar o governo do Estado em 2018: os senadores Antônio Carlos Valadares (PSB) e Eduardo Amorim (PSDB), e o deputado federal André Moura (PSC).

Eduardo e Valadares são os que mais criticam o governo Jackson Barreto (PMDB) pelas redes sociais e nas entrevistas que concedem a imprensa. Os dois demonstram mais a intenção de disputar o governo, enquanto André tem declarado que trabalha para disputar a reeleição.

André tem ajudado ao governo, a Prefeitura de Aracaju e as prefeituras do interior na liberação de recursos em Brasília, mediante a sua condição de líder do governo no Congresso Nacional.

Na última sexta-feira, em Ilha das Flores, quando do I Encontro de Produtores dos Perímetros Irrigados do Baixo São Francisco -  com a presença do presidente nacional da Codevasf, Avelino Neiva, que anunciou a liberação de emenda de bancada no valor de R$ 40 milhões para os perímetros irrigados de Propriá, Cotinguiba/Pindoba e Betume - André Moura surpreendeu.  Fez um discurso de pré-candidato ao governo.

Não poupou críticas ao governo de JB: “A realidade triste de Sergipe, do governo do estado vai acabar. Tem dia e hora para acabar, vai acabar na eleição de 2018. A partir de 1º de janeiro de 2019 nós vamos ter uma nova história, uma nova realidade no estado de Sergipe. Vamos viver um novo momento e vamos virar essa triste página da história de Sergipe”.

Prosseguiu André: “A página triste de uma saúde que está na UTI. As pessoas estão morrendo em Sergipe por falta de assistência médica de um governo que não tem compromisso, que deixa as pessoas do Estado excluídas. Sergipe tem os piores índices de qualidade do Brasil. As nossas crianças e adolescentes precisam de respeito que não têm por parte do governo. A segurança pública é uma caos por faltar a um governo mostrar que aqui em Sergipe, como em muitos lugares,bandido bom é bandido morto”.

O deputado também criticou a falta de compromisso do governo com são as estradas, que estão totalmente esburacadas. Fez esse discurso inflamado para uma plateia de 12 prefeitos - Ilha das Flores, Pacatuba, Poço Verde, Neópolis, Santana do São Francisco, Telha, Cedro de São João, Amparo do São Francisco, Japoatã, Brejo Grande, Itaporanga d'Ajuda, São Miguel do Aleixo -, ex-prefeitos, vice-prefeitos e vereadores da região do Baixo São Francisco. Também presente o senador Eduardo Amorim e a comunidade local.

Depois desse discurso da última sexta-feira, se alguém tinha dúvidas que André não está com foco no governo do Estado em 2018 passou a não ter mais. Pelo andar da carruagem, André  deve trabalhar até o último momento para se cacifar politicamente. Por ai passa melhorar a sua densidade eleitoral em Aracaju e resolver suas pendências na Justiça. 

A coluna reafirma o que vem colocando há algum tempo: o candidato a governador do agrupamento político do PSC ficará entre André e Eduardo. Se Valadares decidir mesmo pelo governo será pelo PSB e outros partidos que venha agregar fora do arco de aliança do PSC e PSDB.

Agora é aguardar o desenrolar dos acontecimentos e as convenções partidárias em julho do ano que vem.

................................................................................................................

 

 

Missão impossível 1

A Articulação de Esquerda (AE), tendência interna do PT, decidiu defender que o partido lance candidatura própria ao Governo do Estado, em razão das políticas “anti-populares” implementadas pelo governo Jackson Barreto. Decidiu ainda apresentar, como indicação da AE, as pré-candidaturas dos professores Dudu para disputar o governo do estado, de Joel Almeida para o Senado, de Ângela Melo para deputada federal e de Iran Barbosa para deputado estadual.  Foi durante o 4° Congresso em Sergipe, realizado no sábado, no auditório da CUT.

 

Missão impossível 2

Ainda no Congresso da Articulação de Esquerda em Sergipe, os petistas da tendência fizeram um debate sobre a luta pelo Socialismo no Brasil, elegeram a delegação sergipana que irá participar do 4° Congresso Nacional da AE e realizaram a segunda etapa da sua Conferência Eleitoral. Decidiram ainda que caso o grupo majoritário na direção estadual do PT insista em apoiar/fazer parte da chapa do governador Jackson Barreto, a corrente disputará as prévias previstas no estatuto partidário.

 

 

É fogo 1

O empresário baiano Zuleido Veras, dono da Gautama, é proprietário de uma das duas empresas que integra o Consórcio Honcose, vencedor do processo licitatório para construção do Hospital do Câncer Governador Marcelo Déda.  Ele foi condenado na Operação Navalha a 26 anos e 6 meses de prisão por crimes de peculato, corrupção ativa e formação de quadrilha referente ao desvio de mais de R$ 178 milhões das verbas de duplicação da adutora do Rio São Francisco.

 

É fogo 2

A Operação Navalha foi deflagrada em 2007 pela Polícia Federal, levando a prisão o Zuleido Veras e vários sergipanos, entre eles o ex-conselheiro Flávio Conceição, o ex-deputado federal Ivan Paixão e o empresário João Alves Neto. Para continuar participando de licitações públicas, o condenado empresário baiano abriu outra empresa, que acabou como vencedora da licitação do Hospital do Câncer, cuja obra não anda.

 

De fora 1

No último dia 11, ao visitar o canteiro de obras do Hospital do Câncer, o governador Jackson Barreto anunciou a rescisão do contrato na ordem de R$ 62 milhões por conta dos atrasos na execução da obra. A ordem de serviço foi assinada em fevereiro deste ano, porém a empresa não realizou nem 4% dos serviços quando deveria, de acordo com o cronograma, a obra estar com 21% de execução.

 

De fora 2

O secretário Almeida Lima (Saúde), que acompanhou a visita, informou que o Estado buscará o rompimento do contrato de forma amigável. “O governo decidiu propor uma rescisão amigável do contrato e é o que a secretaria de Saúde vai encaminhar e, alternativamente, não sendo possível, será feito uma rescisão unilateral por parte do Estado. Tudo isso porque a empresa tem se mostrado sem condições de realizar a obra por falta, inclusive, de recursos financeiros para bancar, faturar e receber, já que os recursos estão disponibilizados na Caixa Econômica”, declarou no momento.

 

Finisa 1

Nesta terça-feira será analisado e votado nas comissões temáticas e no plenário da Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 177/2017 do Poder Executivo, o Finisa, pedindo autorização para realizar operação de crédito junto à Caixa Econômica Federal no valor de até R$ 560 milhões para recuperação de rodovias estaduais.  Ontem, os deputados aprovaram o requerimento de urgência para a votação do projeto.

 

Finisa 2

Nas obras de recuperação das rodovias propostas pelo projeto está a restauração com ampliação da SE- 170, no trecho entre Moita Bonita e Tobias Barreto, continuando pela SE-290 até Poço Verde e finalizando em Simão Dias, pela SE-361.

 

Finisa 3

O líder da oposição na Alese, deputado estadual Georgeo Passos (PTC), lamentou que a proposta seja votada sem um prazo maior para análise dos parlamentares. “O PL chegou na Casa na última quinta-feira e já vai entrar na pauta. Uma proposta desse tipo precisa de tempo para discussão”, criticou o parlamentar, enfatizando que o novo empréstimo poderá endividar ainda mais o Estado.

 

Finisa 4

O líder do governo na Assembleia Legislativa, Francisco Gualberto (PT),  rebate críticas da oposição de que o Estado vai se endividar com a operação de crédito. “A capacidade de endividamento Estado é de até 11% de sua receita liquida, sendo que hoje esse percentual está em 5,3%”, revela.

 

Ato de desagravo

A OAB/SE realizará no próximo dia 26 de outubro, às 16h, em sua sede, ato de desagravo público em favor da advogada Rosenice Figueiredo Machado. Para a entidade, a advogada teve a honra, a imagem e a dignidade ofendidas no exercício da profissão por causa de um parecer jurídico emitido no exercício da sua função de assessora jurídica. O desagravo foi aprovado à unanimidade durante sessão do Conselho Pleno da Seccional do mês de setembro.

 

Veja essa...

A dois dias de ser julgado pela Câmara dos Deputados quanto à denúncia por organização criminosa e obstrução de Justiça, o presidente da República, Michel Temer (PMDB), condecorou ontem a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, com a Ordem do Mérito Aeronáutico. O grau da condecoração foi a de Grande Oficial, destinada, em geral, a ministros e autoridades do alto escalão do governo. Nesta quarta-feira, o plenário da Câmara vai votar o parecer que pede a rejeição da denúncia elaborado pelo deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG).

 

 

 

CURTAS

 

A ex-presidenciável Marina Silva (Rede) estará nesta terça-feira em Sergipe para participar do Fórum Sergipe Verde em Rede, a ser realizado pela Rede. Às 8h ela concederá entrevista a imprensa, no Hotel Quality.

 

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, Clóvis Barbosa, reassumiu ontem a presidência da Corte de Contas após retornar de um período de férias. Novas polêmicas devem surgir.

 

O senador Eduardo Amorim (PSDB) visitou ontem o Sindicato dos Jornalistas de Sergipe (Sindijor), oportunidade em que foi apresentado proposta de projeto para que jornalistas não sejam presos no exercício da atividade profissional até que a decisão judicial tenha transitado em julgado. O parlamentar acatou a ideia e sua assessoria Jurídica já está avaliando o projeto.

 

Na oportunidade, Eduardo aproveitou a oportunidade para se filar ao Sindijor. “O Sindijor é uma das mais destacadas entidades de defesa dos trabalhadores do nosso Estado. É uma honra pode fazer parte e assinar a ficha de filiação neste dia”, disse o senador.

 

 

Texto legenda ANDRÉ E CUNHA

Em sua delação premiada no âmbito da Lava Jato, o doleiro Lúcio Funaro acusou o deputado sergipano André Moura (foto) de integrar o esquema de corrupção montado pelo ex-deputado Eduardo Cunha, preso em Curitiba. André era uma dos parlamentares mais ligados a Eduardo Cunha.

Por conta disso, Moura teve que se defender e divulgou nota atacando: “Trata-se de expediente com o claro objetivo de beneficiar-se em delação premiada junto ao Ministério Público Federal, acusando a terceiros, em busca de abrandar a pena pelos muitos crimes por ele cometidos. Interessante observar, ademais, a tentativa de polemizar num momento no qual a Câmara dos Deputados analisa uma denúncia sem fundamento contra o presidente da República”.

“Tenho a consciência tranquila quanto à correção dos meus atos. A minha atuação política – como líder do Governo na Câmara dos Deputados e hoje líder no Congresso Nacional –, sempre se baseou nos princípios republicanos, dentro dos limites legais das prerrogativas constitucionais inerentes ao Parlamento. Como nada tenho a temer, coloco-me à disposição da Justiça para quaisquer esclarecimentos, até porque vejo o combate à corrupção como fundamental para construirmos um Brasil justo e digno para todos, baseado no que reza a nossa Constituição”, concluiu.