Azedou de vez

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 19/09/2017 às 06:10:00

Ontem, alguns dirigentes do PT estadual e municipal de Aracaju saíram com nota criticando a deputada estadual petista Ana Lúcia e o Sintese, entidade sindical a qual é vinculada, por conta dos ataques ao também deputado estadual petista Francisco Gualberto, que é líder do governo na Assembleia Legislativa. Abaixo a nota na integra intitulada “Petistas pela verdade – Uma resposta às agressões do Sintese”:

“Na política, por vezes, prevalece a lógica do “parece, mas não é”. Quem vê, por exemplo, o aguerrido Sintese e seus ataques ao líder do governo na Assembleia Legislativa, o deputado Francisco Gualberto, tende a pensar que a motivação dos ataques é a defesa da classe e dos interesses dos que trabalham com educação no estado. Parece, mas não é.

 O Sintese, nos últimos anos, se consolidou como o mais estruturado sindicato do estado, mas as bandeiras de lutas da classe do magistério servem ao mesmo de instrumento para sua real razão de existir: a barganha política. Funcionando como apêndice extrapartidário do agrupamento liderado pela deputada Ana Lúcia, o Sintese inicia agora seu processo de demarcação eleitoral para 2018. É necessário enfurecer a horda novamente contra seu tradicional inimigo, o governo, para que no próximo ano contem com um grupo grande e mobilizado. É assim com Jackson, foi assim com Déda.

 O estranhamento de muitos ao ver a deputada Ana Lúcia atacar aos governos aliados faz crer que as motivações para isso justificam-se com a plural democracia interna do Partido dos Trabalhadores. Novamente parece, mas não é. Trata-se do mais puro pragmatismo eleitoral.

 Aqueles que têm responsabilidade com seu projeto político e respeitam sua própria história, sabem que ao conseguir chegar ao poder, carregarão, junto com seus companheiros e aliados, os bônus e também os ônus de estarem no governo. Terão espaço e possibilidade para tocar e implantar seus projetos, mas também terão que se defender ante os ataques dos adversários e o desgaste natural que advém em qualquer governo. Foi assim com Francisco Gualberto, que quando as elites conservadoras do estado mobilizavam-se incomodados com a ascensão de Marcelo Déda ao governo, se tornou um soldado na defesa do projeto petista e puxou para si a responsabilidade da defesa de seu governo, como o faz até hoje, por indicação do seu próprio partido.

 Ana Lúcia, infelizmente, não vê as coisas dessa forma.

 Seguindo a lógica da pedra que não quer vir a ser vidraça, a deputada foi, dentro da Assembleia Legislativa, uma das principais fomentadoras do discurso da oposição, que chegava a se pautar pelas cartilhas agressivas e sensacionalistas do próprio agrupamento da deputada para construir os discursos contra o governo Déda. Sem contar, os lamentáveis episódios de demonstração de ódio visceral, que fizeram o Sintese e a própria Ana Lúcia promoverem um funeral de um homem já enfermo.

  A relação de Ana com o Sintese parece ser baseada na afinidade pelo exercício profissional, mais um engano. Sabe-se que efetivamente, os anos que a “professora” passou em sala de aula não completam os dedos de uma mão, nem sequer, tem-se conhecimento de obras ou publicações que a caracterizem como teórica da educação. Assim como hesitou, diante da possibilidade de ser secretária da Educação para poder, então, colocar em prova aquilo que discursa com tanta ferocidade. A deputada sabe que uma eventual ida ao executivo a faria perder aquela que é, justamente, a sua maior ferramenta eleitoral: a mobilização do Sintese.

 Agora, novamente querendo jogar poeira frente aos olhos da população, tentam se colocar como aqueles que estão “do lado certo da história”, de certo, já preparando a tônica dos discursos eleitorais que farão ano que vem.

 Se é com a história que se preocupam, deveriam reescrever a própria.”

 

Trocando em miúdos, azedou de vez a relação do PT com a deputada estadual petista Ana Lúcia e o Sintese...

 ................................................................................................................

 

Autores da nota

Assinam a nota com críticas a deputada estadual Ana Lúcia (PT) e o Sintese os petistas: Anderson Defon  (Secretário de Comunicação do PT/ Aracaju), Fabiano Sant’anna (Secretário de Juventude do PT/Aracaju), Ivanete Santos (Membra da Executiva Estadual do PT/Sergipe), Renê Jean (Membro do Diretório Estadual do PT/Sergipe), Cláudio D’eça, conhecido como Zé da Liga (Setorial de Combate ao Racismo – PT/Sergipe), Nicanor Farias, o Popô (Membro do Diretório Municipal do PT/Aracaju) e Júnior Torres (Membro do Diretório Municipal do PT/Aracaju).

 

Criticas a oposição 1

No último sábado, durante lançamento do Programa de Recapeamento Asfáltico da cidade de Aracaju, no Santa Maria, tanto o prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) quanto o governador Jackson Barreto (PMDB) não perderam a oportunidade de alfinetar os adversários políticos.

 

Críticas a oposição 2

Disse JB, que estava ao lado do seu candidato ao governo em 2018, o vice-governador Belivaldo Chagas (PMDB):  "Estou muito feliz. Este programa demonstra o compromisso social do prefeito Edvaldo Nogueira, que começa a recuperar as ruas de Aracaju a partir do Santa Maria, que é um dos mais pobres. É desta forma diferenciada que o prefeito vai conduzir o seu trabalho, com calma, tranquilidade, de forma séria e ética. Estes oito meses de gestão de Edvaldo são altamente positivos. Paga os servidores em dia, recupera a cidade, coloca escolas e postos de saúde para funcionar. É uma grande vitória do povo. Enquanto isso, o que se vê da oposição é dor de cotovelo da derrota. A derrota de 2016 foi como se tirasse o pirulito da boca do menininho".

 

Críticas a oposição 3

 Declarou Edvaldo em seu discurso: “Nos últimos 4 anos não vimos a manutenção das ruas de Aracaju e o reflexo vemos hoje com os buracos. Mas com esforço, vamos mudar isso. O blá-blá-blá da oposição é imenso, mas nós temos feito muito por esta cidade nestes primeiros 8 meses da gestão. Com muito esforço!”.  Frisou ainda o prefeito, insinuando  que os asfaltos colocados antes na cidade eram de fazer de conta: “Aqui não tem enrolação não. É recapeamento de verdade!”.

 

Em Dores 1

Lideranças da situação e oposição foram a Nossa Senhora das Dores no último domingo participar da Festa da Padroeira do município. O governador Jackson Barreto estava ao lado do prefeito Dr. Thiago (PMDB), do vice-governador Belivaldo Chagas (PMDB), do deputado federal Fábio Reis (PMDB), do deputado estadual Robson Viana (PEN) e do presidente estadual do PT, Rogério Carvalho.

 

Em Dores 2

Pela oposição estavam nas atividades religiosa do município: os senadores Eduardo Amorim (PSC) e Antônio Carlos Valadares (PSB), o deputado federal Valadares Filho (PSB), os deputados estaduais Luciano Pimentel (PSB) e Georgeo Passos (PTC), o ex-deputado federal José Carlos Machado (PSDB), e o ex-prefeito de Dores, João Marcelo.

 

Com Temer 1

Já o deputado federal André Moura (PSC), líder do governo no Congresso, esteve no domingo em Brasília com o presidente Michel Temer, que lhe comunicou a sanção da lei de inclusão do Vale do Rio Vaza-Barris na área de atuação da Codevasf, que beneficiará 13 municípios sergipanos e ampliará a ação da companhia para 41 localidades. A lei, de autoria dos senadores Valadares (PSB-SE) e Lídice da Mata PSB-BA), teve André como relator.

 

Com Temer 2

Segundo André, a inclusão dos novos municípios permite à Codevasf promover a revitalização da bacia do rio Vaza-barris e ampliar as políticas governamentais de desenvolvimento, como realizar obras de captação de água para beneficiar as atividades agropecuárias e agroindustriais nessas localidades.

 

O Podemos em Sergipe 1

Na entrevista que concedeu ontem ao programa de Carlos Ferreira, o senador presidenciável Álvaro Dias (Podemos-PR) disse que o partido ainda está em busca do seu representante em Sergipe. Revelou que está aguardando a oportunidade para decidir, de forma correta, quem vai comandar o partido no estado. Hoje a legenda é comandada pelo ex-prefeito Sukita.

 

O Podemos em Sergipe 2

“Estamos abrindo as portas para ver quem deseja fazer parte desse projeto, pois o sucesso do projeto depende de quem o integra. Nós não temos muita pressa. Temos mais prudência do que pressa para decidir isso”, revelou Álvaro Dias, enfatizando que ligou para o governador Jackson o convidando para um encontro quando fosse a Brasília, sem compromisso, mas que não aconteceu ainda nenhuma conversa objetiva e concreta.

 

O Podemos em Sergipe 3

O presidenciável do Podemos declarou que está programando uma visita ao Estado. “Tenho pensado em ir a Sergipe. Estamos indo há vários estados, cumprindo um roteiro de lançamento do partido. Depois que definirmos o representante do partido no Estado, vamos marcar um evento e uma visita a Sergipe”, frisou.

 

Nome novo 1

O coronel da PMA Henrique Rocha já decidiu pela sua candidatura a deputado federal em 2018.  O militar, que tem simpatia de concorrer a Câmara dos Deputados pela Rede, disse que essa decisão tomada partiu de amigos de dentro e de fora da corporação e do fato de Sergipe nunca ter tido um representante de segurança pública no Congresso.

 

Nome novo 2

Em conversa ontem com a coluna, o coronel declarou que absolveu essa ideia por avaliar como importante aumentar a representação de técnicos em segurança pública na Câmara Federal para debater e construir alternativas para a redução de violência no país e combate a criminalidade. Assim como para propor leis visando fortalecer as instituições envolvidas na proteção do cidadão.

 

Nome novo 3

O coronel Rocha acha que o momento é propício ao surgimento de novos nomes e novas lideranças com conduta ilibada, que honre compromissos. Revela que aposta no descrédito da população por parte dos atuais deputados envolvidos em corrupção e na carência de discussões técnicas e verdadeiramente compromissadas com a melhoria da estrutura de segurança pública.

 

Reforma política 1

As duas propostas de reforma política (PECs 77/03 e 282/16) voltam à pauta do Plenário nesta terça e quarta-feira. O Congresso tem até o dia 7 de outubro para fazer mudanças nas regras eleitorais para que possam valer em 2018.

 

Reforma política 2

Hoje os deputados poderão voltar a debater a PEC 77/03, que define novo sistema eleitoral e cria um fundo público para financiar campanhas eleitorais. Já amanhã, o Plenário poderá analisar a PEC 282/16, que permite as coligações somente para cargos majoritários (governador, prefeito, senador e presidente da República), “vedada a sua celebração nas eleições proporcionais” (deputados e vereadores). A regra valeria a partir de 2018.

 

 

Veja essa...

Durante discurso de posse ontem como procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que uma das prioridades de sua gestão será o combate à corrupção. Estavam na mesa três acusados de crime que pretende enfrentar: o presidente Michel Temer, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ)

 

CURTAS

 

Na manhã de ontem o deputado federal Fábio Reis, vice-líder do PMDB na Câmara dos Deputados, recebeu, ao lado do governador Jackson Barreto, em Tobias Barreto, o ministro Osmar Terra (Desenvolvimento Social e Agrário).

 

Na oportunidade, o ministro anunciou investimentos na ordem de R$ 15 milhões para o Programa Cisternas e acompanhou a entrega de um caminhão-tanque adquirido por Fábio. Participou ainda da implementação do Programa Criança Feliz e anunciou a liberação de R$ 4.8 milhões para o Programa de Inclusão Produtiva Rural.

 

Do deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) sobre o ex-procurador geral da República Rodrigo Janot e o presidente Michel Temer: “Aqui o lobo mal é vítima do terrível caçador. É nítido a inversão de valores. Assim, Chapeuzinho (Brasil) está em apuros!”.

 

Na sessão do pleno de ontem do TRE, os membros do tribunal, por unanimidade, declararam não prestadas as contas do PTN das eleições de 2016 presidido em Sergipe pelo ex-prefeito Manoel Sukita.