Tuberculose: 432 casos registrados e Secretaria de Saúde faz um alerta para o diagnóstico precoce

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 02/09/2017 às 00:20:00

Ao contrário do que muitos pensam, a tosse nem sempre é apenas um sintoma de resfriado, gripe ou alergia. Ela, quando permanece por três semanas ou mais, pode ser um sinal de tuberculose, doença infecciosa que afeta prioritariamente os pulmões e que é transmitida pelo ar. Somente este ano, até o momento, foram registrados em Sergipe 432 casos da enfermidade e a Secretaria de Estado da Saúde (SES) faz um alerta sobre a importância do diagnóstico precoce. Em 2016, no total, foram 666 casos.

“Precisamos sempre divulgar que o principal sintoma da tuberculose é a tosse por três semanas ou mais e quem apresenta este sinal precisa procurar a unidade de saúde mais próxima da sua residência para fazer o exame e passar por avaliação médica. Quando a pessoa que está com tuberculose apresenta febre baixa, suor noturno, perda de peso, fraqueza e cansaço e, posteriormente, escarro com sangue, ela já está com a doença agravada. Por isso, o diagnóstico precoce é fundamental para que se possa iniciar o mais rapidamente o tratamento, que também é feito nas unidades de saúde”, explica Maria Heide Ribeiro, referência técnica do Programa Estadual de Controle de Tuberculose de Sergipe, da SES.

Ainda de acordo com ela, quando o tratamento é feito adequadamente e sem interrupções, a tuberculose é curada em quase 100% dos casos. “Algumas pessoas são diagnosticadas com tuberculose, mas abandonam o tratamento e não ficam curadas o que, consequentemente, compromete o organismo e ocasiona o agravamento da doença. O tratamento é gratuito, dura seis meses, e quando ele é feito corretamente, leva a cura a quase 100% dos casos”, disse.

 

Prevenção - Há algumas maneiras de se prevenir contra a tuberculose. A vacina BCG, por exemplo, que deve ser aplicada quando o bebê nasce ou até em menores de cinco anos de idade, não imuniza, mas evita o aparecimento mais grave da doença. E o diagnóstico precoce é também uma forma de prevenção.

“Como a tuberculose é transmitida pelo ar, quem teve contato com uma pessoa que estava com a doença, ou quem vive em locais aglomerados e com pouca ventilação, tem mais chances de contágio e, por isso, o incentivo ao diagnóstico precoce é também uma forma de prevenção. Lembrando que a doença pode acometer qualquer faixa etária e que a busca, exame, diagnóstico, tratamento e acompanhamento dos pacientes devem ser feito nas unidades de saúde”, conclui Maria Heide Ribeiro.