O destemor de JB

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 24/08/2017 às 07:56:00

Desde quando o deputado federal André Moura (PSC) assumiu a liderança do governo no Congresso Nacional que se especula que ele vai assumir o comando do PMDB em Sergipe, que está com o governador Jackson Barreto. O assunto voltou a ser bem explorado quando JB iniciou um “namoro” com o Podemos, há cerca de três meses.

Essas especulações voltaram novamente agora, com tudo, com a presença do governador em três dos cinco atos do ex-presidente Lula em Sergipe. Inclusive, com o jantar que ofereceu ao petista e sua comitiva no domingo à noite, em um restaurante da Atalaia.

O jornalista Cláudio Humberto até falou sobre isso na sua coluna da terça-feira, publicada em vários jornais do país. Chegou a dizer que o PMDB nacional não ia deixar barato a boa recepção de dirigentes locais do partido a Lula, devendo haver uma intervenção na executiva estadual.

Jackson, que é um peemedebista histórico, realmente tem demonstrado que não está preocupado com as especulações de que pode perder o comando do PMDB em Sergipe para André Moura. Tem demonstrado isso, nos seus atos políticos.

O último deles foi ter estado ao lado de Lula no dia que chegou a Sergipe por Estância e em mais dois municípios do interior: Itabaiana e Nossa Senhora da Glória. Chegou a ser aconselhado por alguns peemedebistas a não fazer isso, para não criar mais dificuldades com o governo Temer.

JB não levou isso em consideração e esteve ao lado do companheiro Lula ainda na companhia de mais duas lideranças do PMDB: o vice-governador Belivaldo Chagas e o presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Bispo. Sabe que não tem e não terá vez no governo de Michel Temer, por ter se posicionado publicamente contra o impeachment de Dilma Rousseff.

O entendimento do governador rebelde e destemido é que não deve satisfação dos seus atos políticos a ninguém, somente ao povo de Sergipe. Sabe do seu potencial eleitoral e da força do partido no estado, que, além do governo, tem um deputado federal, quatro deputados estaduais e cerca de 15 prefeitos, além de vários vice-prefeitos e vereadores.

Quem o conhece sabe que não perderá o sono com as especulações de que pode perder o PMDB no estado. Até porque, acontecendo isso, deixará o partido como vítima e não faltará legenda que o queira com os aliados. 

Existe uma convicção política que, em 2018, Jackson será eleito senador. Até o ex-presidente Lula sabe disso e pediu aos companheiros sindicalistas que relevassem um confronto com JB e aos companheiros petistas que mantivessem a aliança com ele, sob pena de não pisar os pés em Sergipe na campanha do ano que vem.

O governador de Alagoas, Renan Filho, e o senador Renan Calheiros, são outros dois peemedebistas que estão pouco se lixando para o PMDB nacional e o Planalto. Recepcionaram Lula na terça-feira, em Penedo, e ontem em Maceió.

Agora é aguardar o desenrolar dos acontecimentos...

.....................................................................................................

 

No cardápio 1

No jantar que o governador Jackson Barreto (PMDB) ofereceu ao ex-presidente Lula, no último domingo em Aracaju, o petista disse a JB que era importante ele sair candidato ao Senado em 2018. Afirmou que o PT de Sergipe tinha três quadros importantes para 2018: Márcio Macedo, Rogério Carvalho e Eliane Aquino e que o seu objetivo é ter uma bancada forte e aliada no Senado e na Câmara dos Deputados.

 

No cardápio 2

Ainda no jantar o ex-prefeito Fábio Henrique, presidente estadual do PDT, perguntou a Lula porque ele não fechava logo o ex-ministro Ciro Gomes como seu vice. O ex-presidente pediu paciência e afirmou: “Deixa a largada começar e ver quem vai chegar na frente”.

 

De Brasília

Informações chegadas à coluna dão conta que o senador Eduardo Amorim (PSDB) quer voltar com tudo para a base aliada do governo Temer, para ter espaços. Já está dando passos para conseguir cargos que a bancada federal de Sergipe perdeu por votar contra a reforma trabalhista. Os cargos federais do estado estão com os deputados federais André Moura (PSC) e Fábio Reis (PMDB), e com a senadora Maria do Carmo Alves (DEM).

 

Laranjeiras

Anteontem, durante julgamento do Recurso contra Expedição de Diploma do prefeito de Laranjeiras, Paulo Hagenbeck (DEM), na sessão do pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o membro Jorge Fraga pediu vistas do processo. Com isso, o julgamento do recurso impetrado pela coligação “Laranjeiras no Rumo Certo” - chapa vencida nas Eleições de 2016 – foi adiado.  O relator é o desembargador Edson Ulisses.

 

Ribeirópolis

A Segunda Câmara do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe julgou ontem irregular as contas da ex-prefeita Uita Barreto do exercício de 2011. Ela foi punida ainda com multa de R$ 3 mil.

 

Privatização federal 1

O governo federal anunciou ontem que pretende privatizar 57 empresas e projetos. O pacote inclui a privatização de 14 aeroportos, inclusive o de Aracaju, divididos em quatro blocos, o que deve acontecer no terceiro trimestre do ano que vem.  Inclui ainda a Deso.

 

Privatização federal 2

Um bloco inclui somente o aeroporto de Congonhas. O bloco do Nordeste incluirá os aeroportos de Recife (PE), Maceió (AL), João Pessoa (PB), Aracaju (SE), Juazeiro do Norte (CE) e Campina Grande (PB). O bloco do Mato Grosso incluirá os terminais de Várzea Grande (MT), Rondonópolis (MT), Sinop (MT), Barra do Garças (MT) e Alta Floresta (MT). Um outro bloco reunirá os aeroportos de Vitória (ES) e Macaé (RJ).

 

Curiosidade

Quando esteve na Bahia, em Cruz das Almas, e acabou não recebendo o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), por decisão judicial, o reitor Sílvio Soglia presenteou Lula com o machado de Xangô, orixá da Justiça. Na terça-feira, no Iate Clube de Aracaju, o ex-presidente foi presenteado pelo Movimento Negro com o oxé de Xangó, também um orixá da Justiça. O sentido é fazer com que a Justiça prevaleça.

 

Já no tribunal

Chegou ontem ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) a sentença do juiz Sérgio Moro que impôs nove anos e seis meses de prisão ao ex-presidente Lula. A condenação em 1ª instância, por corrupção e lavagem de dinheiro no caso triplex, foi em 12 de julho, sem que sua prisão fosse decretada.

 

Reforma política 1

A Comissão Especial da Câmara dos Deputados antecipou o fim das coligações partidárias para a eleição proporcional de 2018, quando o texto original previa fim das coligações na eleição de deputados e vereadores apenas a partir de 2020. A decisão foi tomada ontem na votação de um dos destaques que tentavam alterar a proposta de emenda à Constituição (PEC 282/16), que também trata de cláusula de desempenho e federações partidárias.

 

Reforma política 2

A medida foi defendida pelo PMDB e recebeu o apoio de PSDB, PT, PSD, PSB, PDT e Psol. O entendimento para justificar a antecipação é que as coligações são maléficas, por terem se tornado balcões de negócios. A mais pura verdade.

 

Veja essa...

 Do líder do governo na Assembleia, Francisco Gualberto (PT), irritado com as provocações de servidores na galeria enquanto discursava defendendo o polêmico Projeto de Lei Complementar nº 10/2017, de autoria do Poder Executivo, que pretende extinguir o Funprev, transferindo seus recursos para o Finanprev/SE: “Não tenho temperamento de barata. Eu não vou me amedrontar! Eu não tenho medo deste setor! Podem gritar, espernear, arremessar o ovo, pode tudo! Agora no que eu puder reagir para defender minha integridade, eu vou fazer! Eu faço qualquer coisa para defender minha integridade, para não apanhar no meio da rua! Vou endurecer sem perder a ternura, como já dizia Che Guevara! Pode falar de facão ou de foice! Vou defender a minha existência, sempre sem desejar o mal”.

 

... e essa...

Houve troca de farpas entre Gualberto e a sua companheira de partido, a deputada estadual Ana Lúcia, que faz oposição ao governo Jackson Barreto e se manifestou contra o projeto e em apoio ao Sintese, que se encontrava na galeria da Casa. 

 

 

CURTAS

 

O vice-governador Belivaldo Chagas recebeu ontem, no Palácio dos Despachos, os vereadores de Graccho Cardoso: Arakem, Beto do Sertão e Preto da Galinha. Na pauta, discussão de projetos e melhorias para a população.

 

Ainda está dando o que falar a ausência do prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) nos atos do ex-presidente Lula em Sergipe. Ele só compareceu ao jantar no domingo, mesmo tendo sido convidado oficialmente pelo vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo, coordenador da Caravana, para participar dos atos.

 

Já o líder do prefeito na Câmara, vereador Antônio Bittencourt, esteve em alguns atos do ex-presidente. Marcou presença em Estância e no Iate Clube de Aracaju.

 

Por falta de quorum, não teve sessão plenária ontem na Câmara Municipal de Aracaju. O líder da oposição, Elber Batalha, já tem pronto um pedido de improbidade administrativa contra o prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) por cobrar tributos acima do permitido por lei na zona de expansão.

 

A exemplo de ontem, haverá muita polêmica hoje na Assembleia Legislativa por conta do polêmico projeto de fusão dos dois Fundos da Previdência Social.

 


Foto legenda DISCURSO ANA
 
Desde a terça-feira que aparece em alguns grupos de WhatsApp a foto da deputada estadual Ana Lúcia (PT), como representante do Sintese, fazendo discurso de protesto durante enterro simbólico do então governador Marcelo Déda  em 2012 e que veio a falecer em dezembro de 2013, vítima de um câncer no pâncreas. Isso porque, após ser vaiado em Nossa Senhora da Glória no ato de Lula, o governador Jackson Barreto atribuiu ao Sintese as vaias e lembrou que a categoria não tinha consideração com ninguém, nem mesmo com Déda, que enterraram ainda vivo.

Foto legenda 

 
Desde a terça-feira que aparece em alguns grupos de WhatsApp a foto da deputada estadual Ana Lúcia (PT), como representante do Sintese, fazendo discurso de protesto durante enterro simbólico do então governador Marcelo Déda  em 2012 e que veio a falecer em dezembro de 2013, vítima de um câncer no pâncreas. Isso porque, após ser vaiado em Nossa Senhora da Glória no ato de Lula, o governador Jackson Barreto atribuiu ao Sintese as vaias e lembrou que a categoria não tinha consideração com ninguém, nem mesmo com Déda, que enterraram ainda vivo.