Cara de pau

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/07/2017 às 07:42:00

O presidente Michel Temer surpreende a cada dia com seu pacote de maldades contra o povo brasileiro. Não se contentou só em prejudicar o trabalhador com as reformas: Trabalhista, já aprovada por deputados federais e senadores e sancionada por ele, e a Previdenciária, ainda em tramitação no Congresso Nacional. 

Agora, Temer quer que o povo pague pelo rombo nas contas do governo, fruto da corrupção, e, também, da compra de deputados com emendas para que votassem a seu favor na Comissão de Constituição e Justiça, ou seja, que não acatassem a denúncia do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, contra ele por corrupção passiva em troca do recebimento de mais de R$ 100 milhões em emendas. 

Ele autorizou o aumento das alíquotas do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre a gasolina, o diesel e o etanol. O aumento no preço final da gasolina, que será de R$ 0,41 por litro, foi publicado no Diário Oficial da União dessa sexta-feira e já está valendo.

Esse reajuste terá impacto em outros produtos, até porque o Brasil é um país que não tem ferrovias, que tudo é transportado pelas rodovias. O aumento no preço do combustível representará uma majoração nos preço de todos os produtos que são transportados via terrestre.

O mais repugnante desse reajuste é a cara de pau de Temer em dizer, na Argentina, onde participa de reunião da Cúpula do Mercosul, que a “População vai compreender [o aumento] porque este é um governo que não mente, não dá dados falsos. É um governo verdadeiro, então, quando você tem que manter o critério da responsabilidade fiscal, a manutenção da meta, a determinação para o crescimento, você tem que dizer claramente o que está acontecendo. O povo compreende”.

A justificativa do governo para o reajuste é tentar conter o rombo orçamentário e, consequentemente, o crescimento da dívida pública, bem como o próprio equilíbrio das contas públicas.  A expectativa é arrecadar cerca de R$ 10,4 bilhões até o final deste ano com o aumento das alíquotas do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre a gasolina, o diesel e o etano.

O povo brasileiro ainda deve sofrer com novos aumentos de tributos. É provável que nos próximos dias também sejam anunciados aumento sobre o IOF sobre operações de câmbio à vista ou IOF sobre operações de crédito.

A grande expectativa do povo sergipano e brasileiro - que quer um país melhor e mais justo - é que no dia 02 de agosto Temer não tenha, em plenário da Câmara, os 171votos necessários para que a denúncia de corrupção passiva seja rejeitada e arquivada pelos deputados. Isso garantirá sua permanência no Planalto.

Dos oito deputados federais de Sergipe, seis já se manifestaram favoráveis ao acatamento da denúncia, que implicaria no afastamento temporário de Temer do governo, que tem apenas 3% de aceitação popular, até o julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF). São eles: Fábio Mitidieri (PSD), Valadares Filho (PSB), Adelson Barreto (PR), Jony Marcos (PRB), Laércio Oliveira (SD) e João Daniel (PT). Que nos outros estados a maioria também prevaleça.

Agora é aguardar o dia 02 de agosto, cujo mês costuma ser do “desgosto”.

..................................................................................................................

 

Aumento de tributo

Ontem, no programa de André Barros, o líder do governo no Congresso Nacional, deputado André Moura (PSC-SE), disse que a população tem dificuldade de entender qualquer reajuste. “Trata-se de uma medida necessária para manter a responsabilidade fiscal e a meta da inflação. A recessão ainda é grande, em decorrência das pedaladas fiscais praticadas na gestão da ex-presidente Dilma, com um número alto de desempregados no país”, justificou.

 

Liberação de emendas

De André Moura sobre a liberação de milhões em emendas parlamentar aos deputados para o governo angariar votos, nesse momento de crise econômica: “Após a reabertura do diálogo do governo com os parlamentares, e também para cumprir as emendas impositivas, têm sido realizados desembolsos de acordo com um cronograma. Começamos pelas emendas de 2010 a 2014, depois de 2015 e agora chegamos a 2016. Até o final do ano serão liberados R$ 6 bilhões. Agora, se fosse apenas por votos no Senado e na Câmara dos Deputados, as emendas da oposição não estariam inclusas”.

 

Impopularidade de Temer

Do líder com relação à impopularidade do governo Temer: “Sem dúvida ao promover medidas necessárias, mas impopulares para resolver os problemas do País, o governo sofre rejeição. A população, porém, já enxerga mudanças positivas, como a inflação em queda e os empregos voltando. No caso de Sergipe, temos conseguido liberar verbas como nunca nas duas últimas décadas. Nosso Estado tem sido privilegiado pelo Governo Federal e, tenho a certeza, o povo reconhece isso”.

 

Votação do dia 02

André está certo de que a denúncia da PGR contra o presidente Temer, pelo crime de corrupção passiva, vai ser derrubada em plenário da Câmara dos Deputados no dia 02 de agosto, após o recesso parlamentar. Para que a Câmara autorize que a denúncia apresentada pela PGR seja analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), são necessários os votos de dois terços da Casa, o que representa 342 deputados.

 

Plano de governo

O senador Eduardo Amorim (PSDB) já tem planos para o caso de vir a ser candidato a governador em 2018 e, consequentemente, eleito governador: fazer uma auditoria nas contas do Governo, ser o último a receber salário e formar o governo com no máximo 10 secretarias, para reduzir custos nesse momento de crise econômica.

 

Cheque em branco

Já na próxima semana a Codevasf  nacional terá um novo presidente a ser indicado pelo senador do Piauí, Ciro Nogueira (PP), em substituição a Kênia Marcelino, indicada pelo senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE).  Como vai ficar a emenda impositiva de Sergipe, na ordem de R$ 100 milhões, que Valadares destinou para a Codevasf  nacional e que está no orçamento geral da companhia? Com certeza, o senador Ciro não tem nenhum interesse político em Sergipe. O senador sergipano precisa explicar isso ao povo. 

 

 Na defesa de Lula 1

O vice-presidente nacional do PT, ex-deputado federal Márcio Macêdo, tem feito uma defesa incisiva do ex-presidente Lula nas redes sociais e em entrevistas à imprensa. Na última quinta-feira (20), ele afirmou a veículos de mídia nacional que "o novo capítulo da condenação de Lula, com o bloqueio de seus bens, é calcada na mentira, alicerçada na vingança e realizada para esconder as contradições do processo”.

 

Na defesa de Lula 2

 No mesmo dia, Márcio compareceu à manifestação que reuniu milhares de pessoas na avenida Paulista em defesa de Lula. O petista de Sergipe é um dos responsáveis pela agenda que o ex-presidente cumprirá no Nordeste e tem participado das articulações por apoio ao nome de Lula para a disputa eleitoral de 2018.

 

Cartas na mesa

 O governador Jackson Barreto (PMDB) retorna no final da próxima semana das suas férias. Já em agosto deve começar a conversar com a base aliada sobre a sucessão estadual, para ouvir seus pleitos e começar o processo de entendimento político visando a unidade do bloco.

 

Convite

O ex-deputado federal Heleno Silva (PRB), que pleiteia uma vaga de senador na chapa majoritária governista, encaminhou pelas redes sociais um vídeo convidando os amigos para a festa do seu aniversário de 50 anos hoje em Monte Alegre, sua terra natal. A festa será animada pela cantora Damares, a partir das 19h.  

 

CPI no Senado 1

Quatro comissões parlamentares de inquérito (CPIs) — três exclusivas e uma em conjunto com a Câmara dos Deputados — podem funcionar no Senado neste segundo semestre. Três ainda estão à espera de instalação, sendo que uma ainda não tem o número mínimo de integrantes indicados pelos líderes partidários.

 

CPI no Senado 2

Duas das CPIs com instalação pendente têm como alvo de investigações o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e empresas do grupo JBS, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, cujas delações premiadas, homologadas pela Justiça, têm agitado a política e a economia do país. Com recursos do BNDES, o grupo familiar fez sua expansão internacional, atingindo a liderança global no mercado de carnes.

 

CPI no Senado 3

A CPI dos Maus Tratos às Crianças, criada em abril, teve seus integrantes designados apenas em julho. Com o recesso parlamentar, sua instalação ficou acertada para o segundo semestre. A quarta comissão a movimentar o Senado é a CPI da Previdência, que foi instalada em maio e está em andamento. A CPI, que retomará os trabalhos após o recesso, tem como prazo final o dia 8 de setembro, mas os senadores já anunciaram que vão pedir prorrogação.

 

 

 Veja essa...

O senador Valadares (PSB) continua disparando sua metralhadora, nas redes sociais, contra o governo Jackson Barreto e aliados. Postou: “O desespero dos puxa-sacos do governo é grande: quanto mais me agridem mais recebo apoio. Ninguém atira pedras em árvore que não dá frutos”.

 

 

CURTAS

 

O deputado federal André Moura defende que a escolha do candidato ao governo em 2018, pela oposição, seja feita ouvindo todas as lideranças, prefeitos, vereadores.

 

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) entende que em respeito ao eleitor os partidos deverão primeiro debater saídas pra tirar Sergipe da insolvência. “Candidaturas ficam pra depois”, avalia.

 

Nas redes sociais o comentário ontem era que o prefeito Marival Santana (PSC-Simão Dias) votará para governador em Belivaldo Chagas (PMDB), para senador em Eduardo Amorim (PSDB) e para deputado federal em André Moura (PSC). Quem será o seu outro senador?

 

 Pelo menos dois prefeitos do interior já pagaram os salários dos servidores públicos municipais deste mês de julho: Anderson Menezes (PMDB-Frei Paulo), que já efetuou o pagamento na quinta-feira, e Valmir de Francisquinho (PR-Itabaiana), que pagou ontem a folha.

 

Os aposentados e pensionistas do Estado recebem neste sábado a segunda parcela do vencimento referente ao mês de junho.