Vergonha nacional

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/07/2017 às 00:42:00

Como já era esperado, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado decidiu ontem manter arquivamento do processo que pedia cassação do mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que estava afastado da Casa desde 18 de maio por decisão do ministro do STF, Edson Fachin, pelas denúncias de envolvimento com o empresário Joesley Batista, investigado pela Operação Lava Jato, e retornou na semana passada por decisão do ministro Marcos Aurélio. Os senadores rejeitaram a representação por 11 votos a 4. A decisão é definitiva, não cabendo recurso ao plenário do Senado.

O recurso havia sido protocolado pelos senadores Lasier Martins (PSD-RS), Pedro Chaves (PSC-MS), João Capiberibe (PSB-AP), Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) e José Pimentel (PT-CE), membros titulares do conselho, no dia 27 de junho.

A votação foi polêmica, mediante o fato do senador Pedro Chaves ter subscrito o recurso e na hora da votação ter sido contra a admissibilidade do recurso. A polêmica foi iniciada pelo senador sergipano Valadares, ao afirmar que essa mudança de posição de Chaves foi por ter cedido a “ameaças e pressões”.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) foi um dos que demonstrou indignação. “Não entendo como alguém subscreve um recurso de uma decisão, inclusive sua assinatura é decisiva, e depois, muda de posição na hora da votação. Eu não quero acreditar que o que foi denunciado pelo senador Valadares, sobre eventuais ameaças, por acaso tenham cumprido efeito em relação a isso’, afirmou Randolfe.

Para o presidente do conselho, João Alberto Souza, os indícios não comprovam nada e Aécio não pode ser “jogado na mídia” sem provas.  Negou que tenha sofrido pressão para interromper a tramitação do processo. “Eu não tenho idade mais para receber pressão, nós agimos aqui como juízes, nós somos juízes, temos que agir de acordo com o que dizem os autos. E o que eu li e ouvi, me conscientiza que não existe absolutamente nada para condenar o senador Aécio Neves.” declarou.

Já o senador Romero Jucá (PMDB-RR) declarou que Valadares tem que ter a coragem de não deixar uma acusação dessas no ar. “Deve dar o nome de quem acusou. Aí, sim, isso é algo que tem que ser analisado pelo Conselho de Ética, porque, se houve alguma ameaça ao senador Valadares, ele tem que ter a seriedade, a hombridade de dizer quem ameaçou. E nós vamos tomar providência se a ameaça ficar comprovada”, declarou o líder do governo.

Já o senador Eduardo Amorim (PSC-SE) foi um dos 11 senadores da Comissão de Ética que votou pelo arquivamento do pedido de cassação de Aécio Neves. O parlamentar sergipano precisa explicar esse voto, mesmo sendo hoje um tucano.

Trocando em miúdos, com o voto de Amorim e a decisão do ministro Marcos Aurélio em determinar que retornasse ao Senado na última sexta-feira, após afastamento de 45 dias, o também tucano Aécio continuará no exercício do mandato de senador mesmo tendo sido flagrado pedindo propina de R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista para pagar advogados na sua defesa na Lava.

E viva a República Brasileira!

..................................................................................................................

 

União da bancada 1

Dez dos 11 parlamentares da bancada federal de Sergipe assinaram as três emendas de interesse do Governo de Sergipe para serem apresentadas a Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) do exercício 2018:  Construção da ponte ligando a Av. Tancredo Neves a Coroa do Meio, a duplicação da BR-235 e apoio ao transporte escolar para a Educação Básica. O único que não assinou foi o deputado federal Valadares Filho (PSB), por se encontrar em Portugal, em missão da Câmara dos Deputados.

 

União da bancada 2

O governador Jackson Barreto (PMDB) tem uma bancada de cinco deputados federais – Fábio Reis (PMDB), Fábio Mitidieri (PSD), Jony Marcos (PRB), João Daniel (PT) e Laércio Oliveira (SD) – e o apoio da senadora Maria do Carmo Alves (DEM). Como precisava da assinatura de mais um deputado federal e um senador, solicitou que o coordenador da bancada federal, Laércio, pedisse ao senador Eduardo Amorim - que sempre vem declarando à imprensa que quer ajudar Sergipe - e ao deputado Adelson Barreto (PR) que assinassem as emendas do interesse de Sergipe.

 

União da bancada 3

Não só Eduardo Amorim e Adelson Barreto assinaram as emendas, mas, também, o deputado federal André Moura (PSC) e o senador Antônio Carlos Valadares (PSB). Foi Valadares, inclusive, que solicitou ao presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), o senador Dário Berger, a reabertura do sistema para receber as emendas à LDO, cujo prazo tinha encerrado na quarta-feira, 05.

 

Justificativa de Valadares

Segundo Valadares, ele solicitou a reabertura de sistema para recebimento de emendas da LDO para todas as bancadas, para que Sergipe não ficasse prejudicado. Ele e o senador Amorim, inclusive, só assinaram ontem as emendas que serão apreciadas pela Comissão Mista do Orçamento (CMO). Os sergipanos devem está estranhando o gesto dos dois senadores da oposição e ferrenhos críticos do governo Jackson Barreto.

 

Justificativa de Amorim

O senador Amorim disse que não tinha porque não assinar as emendas que vão beneficiar Sergipe. Ressalta que sempre defendeu a duplicação da BR -235, desde o governo do presidente Lula, e que acha de grande importância para a mobilidade urbana de Aracaju a construção da ponte da Tancredo Neves, por vir a desafogar o trânsito naquela área.

 

Justificativa de Adelson

O deputado Adelson Barreto (PR) disse que não tinha porque não assinar as emendas. “O que for bom para Sergipe eu assino. O que André Moura, Valadares, Eduardo Amorim e Jackson Barreto me pedirem em favor do povo eu farei. Somos poucos, devemos nos unir em favor de Sergipe. Nas eleições, que cada um tome o seu rumo”, afirmou, enfatizando que se sente mal com “picuinhas”, que só quer saber do que vai beneficiar a população, que está sempre à disposição e que ninguém conte com ele para fazer política para prejudicar quem quer que seja.

 

Ainda indeciso

Questionado se já tem uma posição de como votará no plenário da Câmara com relação à denúncia de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer, feita pela Procuradoria-Geral da União, Adelson Barreto disse que ainda não fechou questão. “O clima está tenso em Brasília e o momento é de grande instabilidade. Vou me aprofundar, estudar a denúncia para tomar uma posição. Todos sabem que não dou minha palavra para voltar atrás. Demoro para tomar posição e quando tomo nunca recuo”, frisou. 

 

Saindo de férias

O governador Jackson Barreto (PMDB) viaja hoje pela manhã em férias para o exterior, já tendo assumido o comando do estado nos próximos 16 dias o vice-governador Belivaldo Chagas (PMDB). Antes do destino das férias, JB se encontrará nesta sexta-feira com o ex-presidente Lula. Será no Instituto Lula, em São Paulo. Na pauta, conjuntura nacional e eleições 2018.

 

Será?

Nas rodas políticas, o que se especula é que Lula deve pedir a JB para que o presidente estadual do PT, ex-deputado federal Rogério Carvalho, venha a ser seu companheiro de chapa para o Senado nas eleições do ano que vem. E, até, apoio a uma eventual candidatura sua ao Planalto.

 

Lula em Sergipe

Segundo o secretário nacional de finanças do PT, ex-deputado federal Márcio Macedo, o ex-presidente Lula virá a Sergipe no próximo mês de agosto, em jornada que fará pelo Nordeste. Revela que Lula visitará Aracaju e os municípios de Lagarto e Itabaiana.

 

Reforma trabalhista 1

A oposição dominou ontem, segundo dia de discussão do projeto de reforma trabalhista (PLC 38/2017) no Plenário do Senado, o debate sobre o tema. Os dois primeiros oradores, senadores Jorge Viana (PT-AC) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), protestaram diante da perspectiva de o Senado abrir mão de sua prerrogativa como Casa revisora e não promover qualquer alteração no texto aprovado pela Câmara dos Deputados.

 

Reforma trabalhista 2

O coro pela atuação revisora do Senado na votação da reforma trabalhista foi reforçado pelos senadores Paulo Rocha (PT-PA) e Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), que chegou a presidir a sessão. Ambos defenderam a rejeição do PLC 38/2017. Para Rocha, a reforma vai legalizar o “bico”, precarizar a qualidade dos empregos e enfraquecer os sindicatos. Já Valadares tachou de “falácia” o argumento governista de geração de milhões de empregos, sustentando que a reforma irá, na verdade, “subtrair direitos duramente conquistados pela classe trabalhadora”.

 

Veja essa...

O prefeito de Bayeux, cidade da Grande João Pessoa, Berg Lima (Podemos), foi preso em flagrante na tarde da última quarta-feira, em ação realizada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), pelo crime de corrupção passiva e peculato. O recebimento do dinheiro foi filmado, e o vídeo mostra um empresário fornecedor da prefeitura de Bayeux contando o dinheiro, que soma R$ 4 mil, e entregando ao prefeito. Em Sergipe, o Podemos tem o ex-prefeito Manoel Sukita (Capela), ex-presidiário, acusado de improbidades administrativas e desvio de recursos.

 

CURTAS

 

O ex-deputado federal Márcio Macêdo foi eleito, anteontem, vice-presidente nacional do PT. Caberá a Márcio auxiliar a nova presidente Gleise Hoffmann na coordenação política do PT e na preparação da legenda para o processo eleitoral de 2018.

 

Como a coluna já tinha informado, a secretária municipal interina da Saúde, Waneska Barboza, será empossada como titular da pasta na próxima semana.

 

Encerra hoje o prazo de convocação da 3ª etapa do Rezoneamento dos eleitores da extinta 36ª Zona Eleitoral, que envolve os votantes nos colégios Master, Jardins, Coesi, Salvador e Jardim Escola Babylândia.

 

Já na segunda-feira, 10 de julho, a Justiça Eleitoral convoca os cidadãos que votam no Grupo Escolar Artur Fortes, no Colégio Módulo e na Escola Monteiro Lobato.