Disputa majoritária na base do governo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/07/2017 às 00:13:00

Na base aliada do governador Jackson Barreto (PMDB) dois grupos fortes pleiteiam vaga na chapa majoritária: O PSD, do deputado federal Fábio Mitidieri e deputado estadual Luiz Mitidieri, e o PRB, dos evangélicos o deputado federal Jony Marcos e o ex-prefeito Heleno Silva.

Fábio Mitidieri quer uma vaga do Senado para ele, mas já disse que se Jackson resolver concorrer ao mandato de senador ele disputará a reeleição. Todavia, o PSD continua querendo uma vaga na majoritária. Deseja a vaga de vice-governador para Luiz Mitidieri, que vem a ser o pai de Fábio. 

O PRB quer uma vaga de senador para Heleno Silva e a reeleição de Jony Marcos. Se não for possível emplacar o Senado, o partido se contenta em ser candidato a vice de Belivaldo Chagas (PMDB), que é o candidato de JB ao governo em 2018.

Nas eleições do ano que vem, esses dois partidos querem manter uma cadeira na Assembleia Legislativa. No caso de Luiz Mitidieri não disputar a reeleição, o PSD deseja emplacar Maisa Mitidieri, que vem a ser irmã de Fábio. Já o PRB deseja a reeleição do deputado Jairo de Glória e até mesmo lançar o pastor vereador Alves para uma vaga na Alese.

Agora, um outro grupo forte da base aliada do governador também quer compor a chapa majoritária: os Reis de Lagarto. O nome para disputar o mandato de suplente de senador ou de vice-governador é o do ex-deputado federal Sérgio Reis (PMDB).

Como o PRB e o PSD, os Reis têm um deputado federal, que é Fábio Reis, e um deputado estadual, que é Goretti Reis. Além de vários prefeitos aliados.

Sérgio Reis é um grande articulador político e conhece muito bem as portas dos ministérios em Brasília. Além de ex-deputado federal e secretário de estado, Sérgio continua trabalhando no Distrito Federal junto com o irmão Fábio, na liberação de projetos e recursos para Sergipe.  

Para viabilizar esse projeto Sérgio Reis deixará o PMDB. Sabe que será difícil emplacar seu nome na chapa majoritária sendo do PMDB, que já terá o candidato a governador (Belivaldo) e um candidato a senador (Jackson). Até o momento três partidos ofereceram legenda e comando no estado ao ex-deputado, que  está analisando.

Os Reis não estão preocupados com a possibilidade de aliados quererem vetar o nome de Sérgio para a chapa majoritária, pelo fato do PRB e PSD também estarem no mesmo barco. A família Reis, como a família Mitidieri e os evangélicos têm nomes para deputado federal, estadual e chapa majoritária. Sem falar que o PMDB é o maior partido do estado, com um governador, um deputado federal, quatro deputados estaduais e um maior número de prefeitos e vice-prefeitos.

Agora é aguardar os entendimentos políticos, que ainda inclui o PT que quer uma vaga de senador em 2018 para o presidente estadual da legenda, o ex-deputado federal Rogério Carvalho.

.........................................................................................................................

Arregaçando as mangas 1

Desde ontem, o ex-deputado federal Sérgio Reis (PMDB) começou a circular no estado. Disse à coluna que não vai parar de “rodar o estado” a partir de agora, visando consolidar o seu nome para disputar uma vaga na chapa majoritária liderada pelo governador Jackson Barreto (PMDB).

 

Arregaçando as mangas 2

Ressalta que até setembro pode está presidindo um partido no estado. “Recebi três convites, estou analisando. Vou conversar com o governador e com o vice Belivaldo Chagas”, revela.

 

Ponto de vista 1

Sérgio defende que o vice-governador Belivaldo Chagas (PMDB) saía da Casa Civil para que deixe de lado as questões administrativas e técnicas do governo, e possa cuidar da articulação da sua candidatura para o governo e de JB para o Senado.

 

Ponto de vista 2

“Jackson já tem história, tem eleição segura e tranquila para o Senado. Belivaldo precisa organizar, desde já, a sucessão enquanto o governador continuará fazendo os trabalhos administrativos”, defende o ex-deputado federal.

 

Na festa do ´Podemos´

O governador Jackson Barreto continua namorando o ´Podemos´. Está na sua agenda a ida hoje cedo a Brasília para participar do ato de lançamento oficial da sigla, que é originaria do PTN, e de filiações, na companhia do pré-candidato a deputado estadual Zezinho Sobral (ainda PMDB). Zezinho foi convidado para se filiar ao ´Podemos” e tem o aval de JB para isso, mas só definirá se ingressará na legenda e comendá-la no estado até setembro.

 

Na festa do ´Podemos´ 2

No ato político do “Podemos” deste sábado, haverá as filiações dos senadores Álvaro Dias, ex-PV, e de Romário, ex-PSB. Dias se filia ao partido com a promessa de que poderá ser lançado candidato à Presidência da República nas eleições de 2018. Já Romário, com a possibilidade de ser candidato ao governo do Estado do Rio de Janeiro no pleito de outubro do próximo ano.

 

Contrários a saída de JB 1

Lideranças do PMDB de Sergipe são contra a saída do governador do partido, entre eles: o deputado federal Fábio Reis, os deputados estaduais Zezinho Guimarães, Garibaldi Mendonça e Goretti Reis, e os históricos peemedebistas, os secretários João Augusto Gama (Cultura) e Benedito Figueiredo (Governo).

 

Contrários a saída de JB 2

Para Fábio Reis, o PMDB não poderá abrir mão de ter um candidato a governador e a senador em 2018. Avalia que as dificuldades administrativas com o governo federal não podem ser justificativas para deixar a legenda que ajudou a fundar e encampou grandes lutas, como a da redemocratização do país e Diretas Já.

 

Plano futuro

Em conversa com a coluna, Zezinho Sobral, que caminha para se filiar ao ´Podemos´ até setembro, revela que se for para a nova sigla vai fazer tudo para Jackson também ingressar na legenda. “Baterei todos os dias na sua porta para chamá-lo a se filiar. Convidarei também o prefeito Edvaldo Nogueira e outros aliados”, avisa.

 

Otimista com o ´Podemos´ 1

Zezinho desfaz os comentários de que Jackson não deve ir para o ´Podemos´ por problemas de tempo de TV e fundo partidário nas eleições de 2018, quando deve disputar o Senado. “O Podemos vai crescer assustadoramente, terá grandes filiações com mandatos. Vai ter, inclusive, um bom tempo de TV e fundo partidário, pois o partido não está sendo criado, mas refundado”.

 

Otimista com o ´Podemos´

Ressalta Zezinho que em Sergipe, desde que foi ventilada a possibilidade de Jackson se filiar ao ´Podemos´, que vem recebendo telefonemas de prefeitos, vereadores e pré-candidatos em 2018 querendo saber se JB e ele vão mesmo se filiar ao novo partido porque gostariam de acompanhá-los.

 

 

 

Fica no PSDB

 O senador Eduardo Amorim continua desfazendo boatos de que teria sido expulso do PSDB por ter votado na Comissão de Assuntos Sociais do Senado contra o relatório de reforma trabalhista. “O partido respeita as minhas posições e eu respeito às posições do partido. Continuo no PSDB, afirmou o parlamentar, enfatizando que na quarta-feira gravou, em seu gabinete no Senado, matéria institucional para a legenda.

 

Placar no Senado

No projeto de reforma trabalhista que tramita no Senado, o placar de Sergipe é de 2x1. É que já se posicionaram contrários à reforma os senadores Eduardo Amorim e Antônio Carlos Valadares (PSB), e favorável a senadora Maria do Carmo Alves (DEM).

 

Justificativa 1

Na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, na última quarta-feira,  Maria do Carmo, que é membro titular, já votou a favor da reforma. Justificou o seu voto dizendo que considera imprescindível adequar a legislação às novas relações de trabalho e, com isso, acolher pelo menos parte dos mais de 14 milhões de brasileiros que estão na estatística do desemprego. O senador Valadares manteve a sua posição contra a reforma.

 

Veja essa...

Não passou de invenção do ex-prefeito Sukita, presidente estadual do `Podemos´, que no dia de São Pedro estariam jantando na sua casa em Capela a presidente nacional da legenda, deputada federal Renata Abreu (SP) e o senador Álvaro Dias. E que os dois teriam uma nova conversa com o governador Jackson Barreto.  Segundo uma fonte, nunca esteve na agenda de Renata e Álvaro a vinda a Sergipe nessa última quinta-feira, ou seja, tudo não passou de balão de ensaio do folclórico Sukita.

 

CURTAS

 

Foi bem sucedida a greve geral realizada ontem em Sergipe, contra as reformas trabalhista e previdenciária do governo Temer,  contra a lei da terceirização e por Diretas Já. 

 

Os dirigentes sindicais conseguiram paralisar os bancos, fechar o comércio e paralisar os ônibus. Além de fechar vários pontos em rodovias estaduais e federal que corta Sergipe. Não houve conflitos.

 

A vice-prefeita de Aracaju, Eliane Aquino (PT), participou das manifestações contra as reformas. Comemorou o êxito em um dia de chuva e o fato de ter ocorrido de forma pacífica. 

 

Na abertura do São Pedro de Capela, na quinta, o cantor Leonardo convidou o ex-prefeito Sukita para cantar com ele.

 

Antes do show, Sukita ofereceu jantar em sua casa a várias lideranças políticas do estado. Entre os convidados, o governador, vários deputados federais, estaduais e prefeitos.

 

O ministro do STF, Marco Aurélio autorizou ontem o senador Aécio Neves (PSDB-MG) a retomar as atividades parlamentares no Senado. Uma vergonha!