Vendedores estão animados com o movimento no período junino

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os vendedores de fogueira acham que vendas este ano serão melhores. Foto: Divulgação
Os vendedores de fogueira acham que vendas este ano serão melhores. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 18/06/2017 às 00:10:00

Milton Alves Júnior

 

Vendedores de fogueiras estão esperançosos com a possibilidade de aumentar em até 30% o número de produtos vendidos neste período junino. De acordo com os comerciantes, o alto índice de encomendas já demonstra a tendência para o aquecimento das vendas. Paralelo a tradição em acender fogueiras nos dias de Santo Antônio, São João e São Pedro, a fraca programação no interior sergipano e o cancelamento do Forró Caju estão fazendo com que os sergipanos aproveitem a oportunidade para reunir as famílias e comemorar a data festiva a modo antigo. Os maiores fluxos de vendas de fogueiras estão no Conjunto Augusto Franco, na Praça da Cruz Vermelha - bairro Siqueira Campos, e no bairro Coroa do Meio.

Faltando apenas cinco dias para as comemorações destinadas a São João, ainda é possível encontrar os produtos com preços que variam entre R$ 15 e R$ 80 - a depender do tamanho da fogueira e espessura dos troncos. Além de vender no tradicional varejo, os vendedores oferecem descontos para quem compra acima de quatro unidade no mesmo valor, e fornece serviço de entrega com taxa considerada acessível para todos. O serviço de frete é a parte, mas entra no pacote de descontos atraentes a depender da quantidade de fogueiras compradas. Todo o serviço de vendas segue sendo monitorado por fiscais do Corpo de Bombeiros Militar.

Na manhã de ontem, em entrevista concedida ao Jornal do Dia, o pedreiro Roberto Santos disse ter suspendido os serviços profissionais para se dedicar à venda de fogueiras e milho. Segundo análise financeira apresentada pelo comerciante, em período de chuva o índice de atuação como pedreiro cai de forma significativa, e, por este motivo, há dois anos o mês de junho segue sendo de muito trabalho, porém em ramo diferente. Sem comemorar a suspensão do Forró Caju, mas exaltando o salto dado nas vendas, ele alega que a crise no sistema público tem ajudado de forma indireta, a acrescentar o lucro em outros setores.

"Eu não comemoro a não realização da festa porque sei que muitas pessoas que estavam acostumadas a vender lá. A região agora estão tentando se virar para tentar conseguir um dinheirinho extra, inclusive meu filho e minha pra também trabalhavam lá na área dos mercados. Por outro lado aqui as coisas começam a melhorar um pouco já. De cinco fogueiras que vendo, umas duas são para pessoas que tinham como costume ir para alguma festa que não será realizada. Sem Wesley Safadão, Elba e tantos outros artistas se apresentando de graça, o São João e São Pedro desse ano serão mais caseiros", avaliou. As fogueira podem ser facilmente encontradas em bairros da zona Norte, nas proximidades da Avenida Maracaju, e no bairro Industrial.

 

Milho - Apesar do reajuste no valor do milho verde, o produto mais consumido pelo nordestino neste período também segue com venda abrangente. No Mercado Albano Franco, centro de Aracaju, é possível adquirir seis espigas de tamanho médio por R$ 5; já no Centro de Abastecimento de Aracaju (Ceasa), o consumidor pode encontrar comerciantes repassando até sete unidades pelos mesmos R$ 5. Paralelo aos mercados centrais e feiras livres, redes de supermercado especulam uma venda de até 130 mil espigas durante este período; essa quantia equivale a apenas para as unidades do Grupo Ceconsud/GBarbosa.

"O milho sem sombra de dúvidas é o grande anfitrião deste mês e para atender bem os nossos clientes estamos disponibilizando, inclusive em algumas unidades, stands juninos. As vendas seguem em alta é assim deve permanecer por pelo menos dez dias. Estamos dispostos a vender toda a nossa carga e contribuir por um período junino saboroso para todos", declarou o gerente lojista Ancelmo Ramos.

 

Fogos - O comércio de fogos também começa a sentir aumento no fluxo de consumidores em busca dos artefatos. A resposta para esta evolução está no pagamento salarial dos servidores estaduais, aproximação das datas comemorativas, bem como o período de férias escolar. A perspectiva é que a partir de hoje o movimento na tradicional feira dos fogos apresente índice superior ao mesmo período do ano passado. O Comando Geral do Corpo de Bombeiros informou que profissionais da Diretoria de Atividades Técnicas (DAT), estão pressionando os vendedores a respeitar todas as exigências presentes na Instrução Normativa 001/2016-CBMSE.