Marinete do Forró aquece turismo e resgata tradição

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A marinete do Forró começou a circular ontem. Foto: Divulgação
A marinete do Forró começou a circular ontem. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/06/2017 às 00:07:00

Do lado de fora, um ônibus colorido chama a atenção por onde passa. Do lado de dentro, além das bandeirolas a enfeitar, o som de um trio pé-de-serra dá o tom para os dançarinos de quadrilha em um passeio diferenciado pelos principais pontos turísticos da capital sergipana. É assim que a Marinete do Forró, há 17 anos, mostra aos turistas uma Aracaju no seu ritmo mais autêntico. Na manhã desta sexta-feira, 16, o ônibus fez o primeiro passeio de 2017, inaugurando o city tour mais esperado do ano que segue até o dia 29 deste mês.

Com o ponto de partida no Hotel da Costa, a Marinete percorre todos os hotéis da Orla da Atalaia, de segunda a sábado, a partir das 14h30, unindo turistas para o passeio, que segue pelos mercados de Aracaju, Orlinha do Bairro Industrial, Catedral Metropolitana e Rua do Turista, voltando para a Orla da Atalaia. Nos fins de semana, o ônibus também passa pela Orla Pôr do Sol, no Mosqueiro. Nos dias 18, 19 e 25, porém, não haverá o passeio aberto ao público.

O percurso total chega a quatro horas e cada passeio tem espaço para 40 turistas. "Nossa prioridade é o turista, já que a intenção é apresentar a nossa capital para quem ainda não a conhece ou conhece pouco. É uma iniciativa simples, mas de grande importância para o turismo. Por já ser tradicional, faz parte do calendário junino, ou seja, o turista já chega perguntando pela Marinete", disse o secretário municipal do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Turismo, Jorge Santana

Mesmo tendo um cunho muito voltado para quem é visitante, a Marinete também tem seu cunho social, conforme explicou o secretário. "Temos um calendário de solicitações com, por exemplo, grupos de idosos, Caps, IFS, então, existem horários alternativos, normalmente pela manhã, para atender esses públicos, como uma espécie de trabalho social", frisou Jorge Santana.