Pressão de aliados

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/05/2017 às 00:58:00

Logo quando foi reeleito governador de Sergipe em 2014 Jackson Barreto (PMDB) declarou que ao final do seu governo, em 2018, se aposentaria. Chegou a sugerir que políticos da sua geração fizessem isso ao final dos mandatos.

Pelo andar da carruagem, está muito difícil JB se aposentar da política no próximo ano como almeja. Tem um movimento entre aliados querendo que ele dispute o Senado para fortalecimento do agrupamento.

Segundo o secretário Zezinho Sobral (Inclusão Social), que deve disputar mandato de deputado estadual em 2018, o grupo “exige” que Jackson seja candidato ao Senado independente da sua vontade. “Ele vai ter que ceder”, declarou à coluna.  

Para Zezinho, “Jackson jogando no time é uma coisa e ele no banco é outra”.  “Queremos Jackson no time jogando como centroavante e fazendo gol. O PMDB, partidos aliados e um grupo de amigos o querem na disputa para o Senado”, garante.

Avalia ainda que Sergipe precisa do governador, que ele tem muito a contribuir com o estado e que terá uma eleição tranquila porque será votado por situação e oposição em vários municípios, pelas ações que o governo está levando.  “A candidatura de Jackson não será objeto de disputa”, avalia.

O peemedebista cita como exemplo três municípios, onde as lideranças locais votam com o governador para o Senado: Lagarto, Riachão do Dantas e Umbaúba. “Em Lagarto mesmo, os Reis, os Ribeiro e o prefeito Valmir Monteiro votam com Jackson. Em Riachão, a prefeita Gerana vota com Jackson assim como a ex-candidata a prefeita [Simone de Dona Raimunda]. Em Umbaúba a mesma coisa”, afirmou, enfatizando que esteve recentemente nesses municípios e ouviu isso.

Diante dessa conjuntura não será surpresa se JB voltar atrás na sua decisão de pendurar as chuteiras e ir para casa ao final do seu governo. Caminha para ser candidato ao Senado, por pressão dos amigos e aliados.

Isso aconteceu em 2014, quando não pretendia disputar a reeleição pelas dificuldades do estado e foi “convencido” a se candidatar pelo projeto do seu agrupamento político e o receio da oposição ganhar o governo.

Foi o saudoso ex-vereador Rosalvo Alexandre e o secretário Benedito Figueiredo, que convenceram JB ir para a disputa vitoriosa no último pleito quando os governistas estavam órfãos de Marcelo Déda.

Agora é esperar para ver...

.........................................................................................................................

Termômetro do momento 1

Sobre a segunda vaga para o Senado no seu agrupamento político liderado pelo governador Jackson Barreto (PMDB), Zezinho Sobral (PMDB) reconhece que existem quatro pretensos candidatos: os ex-deputados federais Rogério Carvalho (PT) e Heleno Silva (PRB), e os deputados federais Fábio Mitidieri (PSD) e Laércio Oliveira (SD).  Para ele, a escolha do segundo nome vai depender da “evolução do cenário político”.

 

Termômetro do momento 2

Avalia Zezinho: “Lula é candidato? Lula pode ser candidato? Isso influencia a candidatura de Rogério Carvalho. Como os Mitidieri vão reorganizar a base após as eleições municipais? Como Heleno estará posicionado em 2018 considerando a sua base mais influente: a comunidade evangélica e a região do sertão? Laércio integra hoje o grupo de Jackson, é forte na classe média, se posiciona também forte na classe empresarial e o SD é o partido que mais está crescendo. Tudo isso tem de ser avaliado no tempo certo”. 

 

Homenageando JB

Um grupo de 15 amigos do governador Jackson Barreto mandou fazer outdoors, que já estão nas ruas, parabenizando-o pela passagem do seu aniversário nesse sábado. Entre os 15, número do PMDB, os secretários Benedito Figueiredo (Governo), João Augusto Gama (Cultura), Rosman Pereira (Planejamento, Orçamento e Gestão), Zezinho Sobral (Inclusão Social) e o deputado Garibaldi Mendonça. 

 

E agora 1?

O líder da oposição na Assembleia Legislativa, deputado estadual Georgeo Passos (PTC), denunciou ontem, no plenário, que o Governo de Sergipe está impossibilitado de assinar convênios com o Governo Federal desde 18 de abril passado. É que está sem o Certificado de Regularidade Previdenciária (CRP), em razão da Lei Complementar Estadual nº 271/2016, aprovada pelo Legislativo em setembro de 2016.

 

E agora 2?

De acordo com o parlamentar, a Lei permitiu ao SergipePrevidência utilizar parte dos recursos do Funprev/SE para capitalizar o Finaprev. “Na época, isso possibilitou o pagamento da folha dos aposentados e pensionistas do Estado. Só que o Ministério da Previdência Social entendeu que o Governo não poderia mexer no Funprev sem o devido estudo, o que resultou em irregularidades no critério de equilíbrio financeiro e atuarial e não renovou o certificado”, explicou.

 

PDT rompe com prefeito

O PDT em Estância rompeu com o prefeito Gilson Andrade (PTC) por não ter conseguido espaço na administração municipal nesses quatro meses de gestão, na condição de aliado desde as eleições. A decisão foi tomada em reunião da executiva do partido, no último sábado.

 

Festa no interior

Nesta quinta-feira o município de Estância completa 169 anos de elevação à categoria de cidade.  Já amanhã Maruim celebra 163 anos de Emancipação Política. O município de Maruim foi elevado à categoria de cidade a partir da Lei Provincial nº 374, de 5 de maio de 1854, assinada pelo presidente da Província de Sergipe, Inácio Joaquim Barbosa. Com a decisão, a cidade de Maruim tornou-se independente da Vila de Santo Amaro das Brotas.

 

Cindra em Sergipe 1

A Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (Cindra), em audiência pública realizada ontem, aprovou a realização de três seminários para discutir questões ligadas diretamente ao desenvolvimento do Estado de Sergipe. Os seminários foram propostos por meio de requerimentos de autoria do presidente da Comissão, deputado Valadares Filho (PSB), e serão realizados em municípios do interior de Sergipe.

 

Cindra em Sergipe 2

O primeiro seminário será realizado em Propriá e vai discutir a revitalização do Rio São Francisco. O segundo acontecerá em Brejo Grande e terá como finalidade acompanhar a execução da emenda de bancada de Sergipe, no valor de R$ 100 milhões, destinada à Codevasf para obras que beneficiam diversos municípios de Sergipe. O último ocorrerá em Nossa Senhora da Glória e vai debater os problemas que estão causando atrasos na construção do Canal do Xingó.

 

STF pronto para interferir

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, afirmou ontem que caso o Congresso Nacional não aprove uma reforma política válida já para as próximas eleições, o Supremo Tribunal Federal (STF), do qual ele também faz parte, será levado a proibir em breve as coligações partidárias. “Os recentes casos de corrupção no financiamento de campanhas de partidos coligados, que estão sendo julgados tanto no TSE como no STF, têm mobilizado os ministros de ambas as cortes a impulsionarem a proibição, afirmou Gilmar.

 

Veja essa...

De Brasília chegou à informação de que alguns deputados federais que perderam cargos federais em Sergipe, após votar contra a reforma Trabalhista, estavam chateados com o líder do governo no Congresso Nacional, deputado André Moura (PSC). O entendimento é que André “forçou a barra” nas exonerações por estar com o presidente Temer quase que diariamente. Isso porque Sergipe foi o primeiro estado a ter as exonerações publicadas no Diário Oficial da União.

 

... e essa...

Do líder do governo no Congresso, André Moura, em entrevista ontem a imprensa local e nacional sobre as retaliações do governo Temer aos aliados que votaram contra a reforma Trabalhista: “Um parlamentar não pode ter espaço no governo Michel Temer sem votar a favor das reformas Trabalhista e da Previdência”.  Disse ainda: “Quando o assunto são reformas, o governo não está de brincadeira”.

 

CURTAS

 

Segundo a mídia nacional, foram 31 os deputados que perderam cargos no governo Michel Temer por terem votado contra a reforma Trabalhista, aprovada na Câmara por 296 x 177. De Sergipe foram três: Adelson Barreto, Valadares Filho e Jony Marcos.

 

O senador Eduardo Amorim esteve como relator na CCJ da PEC 2/2017, que fortalece o regime jurídico dos Tribunais de Contas para deixar expresso no texto constitucional que eles são órgãos permanentes e essenciais ao controle externo da administração pública.

 

Eduardo também foi o relator dos Ofícios “S” 28 e 30/2017 que indicaram o promotor de Justiça, Orlando Rochadel e o procurador Regional do Trabalho, Sebastião Caixeta, para compor o Conselho Nacional do Ministério Público, na vaga destinada a membros do Ministério Público dos Estados, referente ao biênio 2017/2019.

 

Preocupado com a situação dos moradores do Povoado Areia Branca, localizado na zona de Expansão da capital, o vereador Juvêncio Oliveira (DEM) protocolou na Câmara Municipal, algumas indicações que visam melhorias para a localidade. Durante a sessão de ontem, ele pontuou diversas problemáticas da região, chamando a atenção não só dos vereadores, mas dos órgãos competentes.