A resposta do trabalhador

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/04/2017 às 00:03:00

O país vive hoje uma crise política, ética e moral sem precedentes com desvio de bilhões de reais dos cofres públicos desnudado com a Operação Lava Jato, que já levou para a cadeia acusados de corrupção deputados federais, senadores, governadores, ministros e grandes empresários, que respondem por 20% do PIB brasileiro.

Para piorar a situação, há um ano assumiu a presidência da República o vice-presidente Michel Temer após um golpe bem tramado para tirar do poder Dilma Rousseff, eleita democraticamente pelo voto direto do povo brasileiro depositado nas urnas em 2014.

De lá para cá estamos vivendo uma época de grande retrocesso e ataques à democracia e aos direitos dos trabalhadores. O projeto de Lei aprovado da Terceirização, que teve como relator o deputado federal por Sergipe, Laércio Oliveira (SD), foi o primeiro golpe contra o trabalhador e a CLT. Haverá um desmonte nos serviços públicos com a precarização das relações de trabalho.

O segundo golpe contra o trabalhador: a reforma Trabalhista, aprovada anteontem na Câmara dos Deputados por 296 votos a favor e 177 contra, retira direitos dos trabalhadores ao impor o acordado sobre o legislado, entre outras medidas.

Está em curso um dos maiores golpes do governo Temer: a reforma Previdenciária, que é um ataque ao direito à aposentadoria e as condições salariais dignas na velhice, momento em que o trabalhador mais precisará de sua renda para sobreviver.

A Terceirização, reforma Trabalhista e Reforma Previdenciária, estabelecendo a idade de 65 anos como mínima e de 49 anos de contribuição para poder receber na integralidade a média salarial de todo seu tempo de contribuição são duros golpes que devem incentivar o povo brasileiro a ir hoje às ruas participar da greve geral articulada pelas centrais sindicais e vários setores, como a Igreja e a Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho.

Nesse cenário de incertezas e ataque ao emprego e aos direitos sociais, é imprescindível proteger o direito à aposentadoria. Será muito mais difícil se aposentar com a aprovação da reforma deste governo - impopular e sem legitimidade - e com empregos temporários, terceirizados e de alta rotatividade.

Em Sergipe, mais de 40 categorias vão aderir à greve geral. Por isso, a paralisação geral será um recado à classe política, que já no próximo ano concorrerá a mais uma eleição no país...

...................................................................................................................

A favor das reformas

Dos oito deputados federais por Sergipe, só André Moura (PSC), líder do governo Temer no Congresso Nacional, e Laércio Oliveira (SD), empresário, votaram a favor da Terceirização e da reforma Trabalhista anteontem à noite, na Câmara dos Deputados.

 

Greve geral 1

As centrais sindicais se organizaram em Aracaju para impedir a circulação dos ônibus e impedir o funcionamento do comércio no centro. Às 7h, haverá um grande arrastão para fechar as portas das lojas, se somando aos bancos, uma vez que os bancários decidiram, em assembleia, a exemplo dos comerciários, paralisarem hoje suas atividades. O MST ficou com o fechamento das rodovias em cinco pontos.

 

Greve geral 2

Devido à greve geral dessa sexta-feira várias atividades foram canceladas no estado. Entre elas a palestra que o jurista e ex-ministro do STF, Carlos Ayres Britto, faria hoje no Tribunal de Contas de Sergipe (TCE/SE), em razão da adesão dos servidores públicos efetivos do TCE (Sindicontas) aprovada em assembleia da categoria. A palestra de abertura do Fórum "Por um Brasil ético: o dinheiro público é da sua conta", a ser proferida por Britto, foi remarcada para o dia 19 de junho.

 

Nova Indenizar-se 1

Nesta sexta-feira, às 11h, os promotores de Justiça Jarbas Adelino Júnior, Bruno Melo Moura e Luciana Duarte Sobral, da Promotoria de Justiça do Patrimônio Público da Capital, concedem entrevista coletiva à imprensa sobre o Inquérito Civil instaurado para apurar possível desvio de verba indenizatória da Assembleia Legislativa de Sergipe, nos mesmos moldes ocorridos na Câmara de Vereadores de Aracaju no ano passado.

 

Nova Indenizar-se 2

Segundo os promotores, durante as investigações da "Operação Indenizar-se" realizadas na Câmara de Vereadores de Aracaju foram encontrados indícios de que a empresa “Elo Consultoria e Advogados”, alvo da investigação, também fornecia notas e recibos fictícios no âmbito do Poder Legislativo Estadual.

 

Na mira do MPE

Chegou à coluna a informação de que em outro âmbito, será investigado o número excessivo de contratados em CCs na Câmara de Aracaju durante a presidência de Vinícius Porto (DEM). Eram 1.100 CCs para 1.300 funcionários.

 

Já na Alese 1

O deputado estadual Adelson Barreto Filho (PR), o Tijoi, reassumiu ontem o mandato na Assembleia Legislativa após passar 40 dias afastado por decisão judicial, mediante envolvimento na Operação Indenizar-se da Polícia Civil, realizada no ano passado quando era vereador da capital. Um total de 10 vereadores foi afastado em 2016, por suspeita de irregularidades no uso das verbas indenizatórias do Legislativo Municipal.

 

Já na Alese 2

Tijoi retornou à Assembleia após o Tribunal de Justiça de Sergipe ter acatado o mandato de segurança impetrado pelos seus advogados. Na decisão, o desembargador Osório de Araújo Filho argumentou que a demora no julgamento estava causando prejuízo ao deputado. Ele tomou posse na Alese, mas não compareceu à sessão plenária.

 

Satisfação de aliado

O vereador Vinícius Porto (DEM) já demonstra publicamente que está na bancada do prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), na Câmara Municipal. Comemorou a decisão da Justiça em considerar legal o contrato da Prefeitura de Aracaju com a Torre e ter determinado a suspensão da CPI do Lixo na Câmara. “São decisões importantes e que trazem tranquilidade para todos, não somente para nós vereadores, mas, principalmente para a população que aguarda a normalidade desse serviço em seus bairros”, avalia Porto, que ainda comemorou o fim da greve dos médicos após 95 dias de paralisação.

 

Encontro do PPS 1

Neste sábado o Diretório Estadual do PPS realiza o II Encontro Estadual do partido. O evento será realizado no plenário da Assembleia Legislativa,  com as presenças do ministro da Cultura, Roberto Freire, e do presidente nacional do PPS, deputado estadual Davi Zaia.

 

Encontro do PPS 2

Segundo o presidente estadual do PPS, Clóvis Silveira, no encontro serão discutidas as eleições de 2016 e as perspectivas para 2018, a reforma política e a atual situação do partido no cenário estadual e nacional. Revela que o deputado estadual Gilmar Carvalho (sem partido), que foi convidado a ingressar na legenda, também confirmou presença.

 

Dupla jornada

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem, por 10 votos a 1, mudar o entendimento sobre a incidência do teto salarial para servidores que podem acumular cargos efetivos. Com a decisão, o cálculo do teto vale para cada salário isoladamente, e não sobre a soma das remunerações. Na prática, estes servidores poderão ganhar mais que R$ 33,7 mil, valor dos salários dos próprios ministros do Supremo, valor máximo para pagamento de salário a funcionários públicos.

 

Veja essa...

Continua grande a farra de partidos no país. Além dos 35 existentes, tem  hoje 57 partidos políticos à espera da legalidade pelo TSE. Na lista estão partidos como: dos Estudantes, dos Patriotas, dos Animais, dos Afrobrasileiros, Indígenas, Servidores Públicos, Piratas, Acessibilidade, Trabalhadores da Iniciativa Privada, Esporte, Corinthiano, Cidadão Comum e Consciência Democrática.

 

CURTAS

Um prefeito da base aliada do deputado federal André Moura (PSC) disse à coluna que ele trabalha a sua reeleição em 2018, que não está focado no governo do Estado.

 

O secretário da Seplag, Rosman Pereira, desde que assumiu a pasta, estabeleceu um diálogo com as várias categorias de servidores públicos do Estado. Já sentou para ouvir os pleitos dos delegados de polícia, policiais civis, agentes penitenciários, radialistas da Aperipê e do Sintrase.

 

Pegou mal o proprietário da Torre, José Antônio, ter deixado o Hospital Cirurgia um dia após ter conseguido habeas corpus. Deu motivos para o povo especular que os cerca de 10 dias que passou no hospital foi apenas um “subterfúgio” para não ficar preso na 8ª Delegacia de Polícia por obstrução da justiça na Operação Babel, que investiga contratos do lixo.    

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que comemorou a aprovação da reforma Trabalhista, disse ontem que vai trabalhar “com paciência” para conseguir os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência.