Tudo em paz

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 06/04/2017 às 00:13:00

A posse de Rosman Pereira na Secretaria de Planejamento, Administração e Gestão (Seplag) e de João Augusto Gama na Secretaria de Cultura (Secult), ocorrida ontem à tarde, no Palácio dos Despachos, não foi uma simples reforma administrativa. Rosman no lugar de Gama na Seplag representa muita coisa. 

A mudança mostra o carinho e o respeito que o governador Jackson Barreto (PMDB) sempre nutriu pela família Reis. Além de ser uma grande demonstração de apoio político, que não quer perder aliados e confirmação de que votará, novamente, em Fábio Reis para deputado federal como tem declarado publicamente. 

Ao não ter dado certo a saída de Rosman da Codise para a Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), pelos conflitos com o secretário Almeida Lima (Saúde) e pelo fato da fundação estar condenada a morrer de inanição, JB achou uma forma de continuar prestigiando politicamente a família Reis, que tem um deputado federal (Fábio Reis) e um deputado estadual (Goretti Reis).

Como os importantes cargos no governo já estão nas mãos dos aliados e não quer mais conflitos, Jackson apelou para o companheiro, amigo e correligionário de mais de 50 anos: Gama. João Augusto Gama, que sempre comandou a Seplag no governo JB, não foi empecilho para o governador.

Gama, também presidente estadual do PMDB, mostrou desprendimento em nome da unidade do governo e do partido que comanda no estado. Não foi obstáculo algum para deixar a importante Seplag para assumir a Cultura, que está há um bom tempo sem o comando de algum grupo político desde a saída do PSB do governo.

Mostrou também Gama que é mesmo amigo do governador e que a sua amizade com JB está acima de qualquer situação administrativa ou vaidade política.

A partir de hoje Gama deixa de comandar o planejamento, administração e gestão do estado para comandar a cultura de Sergipe. Já a família Reis, através de Rosman Pereira, deixou para trás a problemática Fundação Hospitalar de Saúde para conduzir a importante Seplag.

No PMDB e no governo, por enquanto, as coisas se acalmaram. Quem apostou em desarmonia de Jackson com os Reis quebrou a cara.

.........................................................................................................................

Ato normal

Ontem, durante a solenidade de posse no Palácio dos Despachos de João Augusto Gama na Cultura e Rosman Pereira na Seplag, o governador Jackson Barreto (PMDB) disse que não havia surpresa nem situação especial com relação a essa mudança no governo. “É normal qualquer mudança na administração pública. O que importa é que o serviço público continue andando. Sabemos da capacidade de Rosman e Gama. Não tenho receio que os dois vão fazer a coisa andar”, disse.

 

Enaltecendo qualidades

Ressaltou Jackson que Rosman é um técnico, formado em administração de empresa já tendo passado pela Seplag, Codise, pela direção do Complexo Penitenciário Dr. Manoel de Carvalho Neto e Cadeia Pública Territorial de Nossa Senhora do Socorro. Enfatizou que na juventude Gama já foi ator ao lado de João Costa, é uma pessoa culta, que gosta de ler muito, de teatro e de cinema. 

 

Como funciona

Antes da posse, JB foi questionado se Gama não teria ficado chateado com a mudança. Falou que não, que chegou para ele e disse que precisava fazer uma reforma que passava pela Seplag. “Ninguém tem de ficar agarrado a uma pasta. Quem define é o governador”, ressaltou.

 

Numa boa

À coluna Gama disse que foi convocado pelo governador para assumir a Secretaria de Cultura e que não vê problema algum em comandar a pasta. “Todas as secretarias são importantes, não tem hierarquia. Cada uma com a sua missão”, afirmou, enfatizando que como secretário da Seplag tem orgulho de ter conseguido implantar o PCCV, que considera uma grande conquista dos servidores, e que na Cultura cumprirá com o seu dever.

 

Prestando contas

Já em discurso de posse, Gama enfatizou que deixa a Seplag sem uma mácula, sem um processo. Destacou também o PCCV, quando só não aderiram 370 servidores públicos.

 

O foco do discurso

Em seu discurso de posse Rosman Pereira agradeceu ao governador pela confiança depositada nele. Revelou que vai trabalhar incansavelmente para dar ao povo o que merece e que dará continuidade ao trabalho desenvolvido, com competência, por Gama e para tornar mais eficiente a gestão. Ele também agradeceu ao ex-secretário pelo discernimento.

 

Na Codise

Como a coluna tinha anunciado com exclusividade, o ex-superintendente da Petrobras em Sergipe e Alagoas, Eugênio Dezen, assumiu ontem a Codise em substituição a Rosman Pereira. A sua posse ocorreu às 11h30, no gabinete do secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciências e Tecnologia (Sedetec).

 

Em conversa

O governador Jackson Barreto disse ontem que continua conversando com o ex-deputado federal Bosco Costa (Pros), que anteriormente o tinha convidado para a Codise, para ver outro espaço no governo. Reafirmou que com a implantação da nova termoelétrica em Sergipe, a maior da América Latina, precisa de alguém na Codise com perfil técnico e com especialidade em gás e petróleo, além de bom trânsito no Ministério das Minas e Energia.

 

Marcando presença

Foi muito prestigiada a posse de João Augusto Gama e Rosman Pereira. Entre os presentes, o vice-governador Belivaldo Chagas, os deputados estaduais Garibaldi Mendonça e Robson Viana; os vereadores Juvêncio Oliveira e Anderson de Turca. Além dos prefeitos Edvaldo Nogueira (Aracaju); Diógenes Almeida (Tobias Barreto); Flávio Freire Dias (Telha) e Marcos Santana (São Cristovão); o ex-deputado federal Jerônimo Reis, a vice-prefeita de Aracaju Eliane Aquino; e secretários de Estado. 

 

Prestando contas 1

Do prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) ao ser questionado ontem pela coluna sobre as críticas de lideranças políticas da oposição de que está sumido: “Estou trabalhando. Tem político que só fala. Eles falam, eu trabalho, faço, realizo e produzo. Estão ai os resultados. Em três meses paguei os salários dentro do mês de todos os servidores e as duas folhas atrasadas da gestão passada. Foram R$ 330 milhões pagos com a arrecadação do IPTU”.

 

Prestando contas 2

Disse ainda Edvaldo: “Nesses três meses recuperei a Euclides Figueiredo, reabasteci nos postos de saúde 94% dos remédios que estavam faltando, fiz a obra da Praça da Olaria, limpei 800 toneladas de lixo, regularizei a merenda escolar e aumentei em cinco mil as matrículas na rede municipal”.

 

Reajuste da tarifa

Sobre o aumento da passagem de ônibus pleiteado pelos empresários de ônibus, que especula-se ser em torno de 28%, com a tarifa passando a custar R$ 3,97 disse Edvaldo: “O ofício sobre o aumento chegou na SMTT, mas não tenho conhecimento. O meu relógio não funciona com os dos empresários de ônibus. Quando chegar na minha hora vou saber. Para mim só interessa o produto final do estudo da planilha da SMTT”.

 

Nada a ver

Em conversa ontem com a coluna, a vice-prefeita Eliane Aquino (PT) disse que estranhou o que saiu na imprensa dizendo que seria candidata a deputada federal em 2018. “No momento, isso é uma viagem. Política é feita pelo momento. Nada foi e está sendo discutido sobre as eleições de 2018”, garante.

 

Sem convite

Edvaldo disse ontem que não procede a informação ventilada na imprensa de que teria convidado Eliane Aquino a se filiar ao PCdoB. “Não conversei com Eliane nem com ninguém sobre as eleições antecipadas de forma gigantesca”, revelou.     

 

Mais um processo

A delegada Daniele Garcia, que comanda a Operação Indenizar-se, que apura desvio de recursos das verbas indenizatórias da Câmara Municipal de Aracaju na legislatura passada, decidiu ficar de fora da investigação contra o polêmico ex-vereador Agamenon Sobral (PHS), que chegou a ser preso por suspeita de usar notas fiscais fraudulentas em serviços de locação de veículos e jurídicos. É que ela está processando Agamenon, que fez um mandato difamando todo mundo, por injúria e difamação.

 

Veja essa...

Do ex-deputado estadual e conselheiro aposentado do TCE, Reinaldo Moura, pai do líder do governo no Congresso Nacional, André Moura, no facebook: “Como está falando a oposição: André Moura – Inglês, Valadares – Alemão, Amorim – Mandarim, Valadares Filho – Francês,
Albano – Japonês, Machado –Poliglota, Venâncio- Língua dos Mudos, o Governo – Português. Moral da História: Não importa o idioma e sim o discurso unificado. EU penso assim”.

 

Curtas

Nas rodas políticas os comentários são em torno do fato do Tribunal de Justiça ainda não ter notificado ainda a Assembleia Legislativa sobre a posse do suplente Adelson Barreto Filho (PR). Já vai completar um mês que o pleno do TJ decidiu pelo direito do ex-vereador assumir a Alese.

 

O senador Eduardo Amorim (PSDB) esteve em audiência com o presidente do TST, Ives Gandra. Solicitou a aprovação do PLC 100 que, apesar de criar cargos na estrutura do Tribunal, vai gerar economia com o gasto de horas extras e a eficiência nos processos. O ministro afirmou que pediu a retirada da pauta da Câmara de outros 30 projetos que criavam cargos na Justiça do Trabalho, uma economia de mais de R$ 1 bilhão. 

 

Em reunião ontem, o presidente da Cindra, deputado Valadares Filho (PSB) propôs, por meio de requerimentos, a realização de audiências públicas com as superintendências regionais do desenvolvimento do Nordeste, da Amazônia e do Centro-Oeste, respectivamente: Sudene, Sudam e Sudeco.

 

Valadares Filho explicou que o objetivo das audiências é o de debater o desenvolvimento dessas regiões; buscar alternativas para redução das disparidades entre estas e o Sul e Sudeste; criar alternativas para o crescimento econômico e, com isso, favorecer a verdadeira integração nacional.