JB: se fortalecendo muito

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/02/2017 às 00:13:00

Rita Oliveira

 

JB: se fortalecendo muito

 

O governador Jackson Barreto (PMDB) está mesmo focado em reduzir o poder de fogo da oposição em Sergipe. Hoje ele tem como os dois maiores adversários políticos os senadores Antônio Carlos Valadares (PSB) e Eduardo Amorim (PSDB).

O primeiro passo foi ganhar as eleições em Aracaju, com a vitória nas urnas de Edvaldo Nogueira (PCdoB). Isso porque a eleição no interior, em 02 de outubro, equilibrou o número de prefeitos eleitos pela situação e oposição. A capital seria o fator predominante para medir forças entre os dois grupos políticos.

Como ganhou o candidato governista, Jackson saiu muito fortalecido politicamente. Já conseguiu ampla maioria na Assembleia Legislativa, só tendo na Casa hoje quatro grandes opositores: Georgeo Passos (PTC), Maria Mendonça (PP), Antônio Francisco (PSC) e Ana Lúcia (PT). 

Na Câmara Municipal de Aracaju tem o presidente aliado, que é Nitinho (PSD), que contou com o seu apoio e do prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB). Edvaldo, inclusive, já conseguiu ampla maioria no Poder Legislativo Municipal.

JB também está conseguindo trazer para o seu lado alguns prefeitos eleitos pela oposição em 2016, inclusive do PSB de Valadares.

Mais o maior gol de placa do governador até agora foi ter conseguido o apoio da maioria da bancada federal de Sergipe. Até o ano passado, JB só tinha o apoio de quatro dos 11 parlamentares: os deputados federais Fábio Reis (PMDB), Fábio Mitidieri (PSD), Jony Marcos (PRB) e João Daniel (PT).

Agora ele já conta com maioria da bancada mediante a adesão ao governo do deputado federal Laércio Oliveira (SD), que, inclusive, emplacou o novo secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciências e Tecnologia (Sedetec), e da senadora Maria do Carmo Alves (DEM). Maria, inclusive, a pedido de JB, foi decisiva para manter Saumíneo Nascimento na superintendência do BNB em Sergipe e fazer com que o senador Antônio Carlos Valadares (PSB) fosse destituído da coordenação da bancada federal.

Com maioria na Câmara Federal e tendo como coordenador da bancada um aliado, que é Laércio Oliveira, Jackson Barreto terá mais força política em Brasília na liberação de recursos federais e conseguirá aprovar emendas impositivas do interesse maior do seu governo.

Trocando em miúdos, 2017 iniciou bem politicamente para o governo Jackson Barreto, que está rindo à toa.  E logo após o carnaval ele deve já começa a trabalhar o nome do seu sucessor em 2018, que caminha mesmo para ser o vice-governador Belivaldo Chagas (PMDB).

....................................................................................

Na Alese 1

O governador Jackson Barreto (PMDB) vai hoje à Assembleia Legislativa levar a mensagem do governo no início dos trabalhos legislativos de 2017. A mensagem é uma prestação de contas de tudo o que já foi feito na sua gestão. Ela terá um tom de otimismo reservado de que as coisas vão melhorar, apesar da crise econômica nacional, e que vai trabalhar muito no tempo que falta para concluir sua gestão.

Na Alese 2

Antes da sessão ordinária, que terá a presença do governador, haverá sessão que dará posse a Mesa Diretora da Alese para o biênio 2017/2018, que é a mesma do biênio 2015/2016. Luciano Bispo (PMDB) será reempossado como presidente do Poder Legislativo para os próximos dois anos, Garibalde Mendonça (PMDB) como vice-presidente, Jeferson Andrade (PSD) como 1º secretário, Goretti Reis (PMDB) como 2º secretária, Luiz Mitidieri (PSD) com 3º secretário e Venâncio Fonseca (PP) como 4º secretário.

Na Alese 3

Deve haver mudanças na liderança do governo na Assembleia, com o deputado Francisco Gualberto (PT) deixando o posto por ser contrário à privatização da Deso, que caminha para ser concretizada pelo governo Jackson Barreto.

Na Alese 4

A privatização da Deso deve ser fruto de grandes embates na Assembleia Legislativa nesse primeiro semestre de 2017, quando existe a possibilidade do governo encaminhar para a Casa o projeto de lei de privatização da companhia.

Na Alese 5

Só deverá ter na oposição os deputados estaduais Georgeo Passos (PTC), Maria Mendonça (PP), Antônio dos Santos (PSC), Ana Lúcia (PT), Luciano Pimentel (PSB) e Dr. Vanderbal (PSC), que não incomoda ninguém. Além de Gilmar Carvalho (sem partido), que assume hoje mandato de deputado estadual na vaga de Valmir Monteiro (PSC), eleito prefeito de Lagarto.  

Na Alese 6

Além de Gilmar Carvalho, estreia hoje na Assembleia Legislativa o também suplente Moritos Matos (Pros) e, provavelmente, Daniel Fortes (PEN). A Casa continuará com apenas 22 dos 24 deputados, mediante o afastamento há quase dois anos de Augusto Bezerra (DEM) e Paulinho da Varzinhas (PTdoB), envolvidos no escândalo das verbas de subvenção da Alese.

Sem notificação

Até ontem à tarde a Assembleia não tinha sido notificada da decisão do desembargador Diógenes Barreto de conceder liminar ao 3º suplente de deputado Daniel Fortes para que assuma a vaga do 1º suplente Adelson Barreto Filho (PR), impedido judicialmente de assumir função pública pelo seu envolvimento na Operação Indenizar-se. A notificação deve ocorrer ainda esta semana.

Fora da Assembleia

Por unanimidade, a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Sergipe decidiu, na manhã de ontem, manter o ex-vereador Adelson Barreto Filho (PR) impedido de exercer função pública e cargos eletivos pelo seu envolvimento na Operação Indenizar-se. Acompanharam o voto do relator Diógenes Barreto o desembargador Edson Ulisses e o DR. Gilson Félix, em substituição a desembargadora Ana Lúcia.

Indenizar-se 

A Operação Indenizar-se, desenvolvida pelo Ministério Público Estadual e Polícia Civil, investiga desvio de recursos de verbas indenizatórias com contratos fraudulentos em locação de veículos e assessoria jurídica. Com isso, Daniel Fortes deve mesmo assumir a sua vaga na Alese.

Na Câmara 1

A Câmara Municipal começa hoje os trabalhos legislativos de 2017 com uma nova formação. São 16 novos vereadores e apenas oito que retornam a Casa da legislatura passada.

Na Câmara 2

Compõem a nova Mesa Diretora os vereadores Nitinho-PSD (presidente), Juvêncio Oliveira-DEM (vice-presidente), Dr. Gonzaga-PMDB (1º secretário), Isac-PCdoB (2º secretário), Tiaguinho Batalha-PMB (3º secretário).

Na Câmara 2

O prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) vai à Câmara Municipal levar a mensagem do governo, oportunidade que deve apresentar seus projetos para a sua nova gestão. Vão usar da palavra na sessão de hoje o presidente Nitinho, o líder do prefeito Antônio Bittencourt (PCdoB) e o líder da oposição Elber Batalha (PSB)

Na Câmara 3

O prefeito hoje tem a maioria na Câmara. A sua coligação elegeu oito vereadores e já tem o apoio de 16 vereadores. Os eleitos na sua coligação: Nitinho (PSD), Antônio Bittencourt (PCdoB), Isac (PCdoB), Iran Barbosa (PT), Evando Franca (PSD), Bigode (PMDB), Dr Gonzaga (PMDB) e pastor Alves (PRB). E os que conquistou na oposição: Juvêncio Oliveira (DEM), Palhaço Soneca (PPS), Jason Neto (PDT), Anderson de Tuca (PRTB), Manoel Marcos (PSDB), Tiaguinho Batalha (PMB), Kitty Lima (Rede) e Américo de Deus (Rede).

Sem consenso

Como não poderia ser diferente, não vai haver consenso das correntes internas do PT para presidente do Diretório Municipal de Aracaju. As tendências do secretário nacional de finanças do PT, ex-deputado federal Márcio Macedo, e da deputada estadual Ana Lúcia, vão lançar candidatos a presidente do partido na capital.

Os candidatos

A corrente de Márcio, a Construindo um Novo Brasil (CNB), pretende lançar o ex-secretário nacional da Juventude do PT, Jeferson Lima, como candidato a presidente. Já a de Ana Lúcia, Articulação de Esquerda, deve lançar o advogado Tiago Oliveira, que é presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB.

Saindo da disputa

Com isso, o membro da Executiva do PT, Evandro Galdino, retirou o seu nome para presidente do partido em Aracaju. Ele queria ser o nome de consenso, visando diminuir ao máximo as disputas internas no Partido dos Trabalhadores nesse período de crise da legenda a nível nacional. As inscrições para o Processo de Eleição Direta do PT, o PED 2017, para os Diretórios Municipais vão ate o dia 6 de março. A eleição ocorrerá no dia 10 de abril.   

 

Veja essa...

O secretário da Saúde, Almeida Lima, conversou com técnicos da Fundação Hospitalar de Saúde.  Quer fazer à revelia do governador Jackson Barreto a junção de diretorias da fundação à da Secretaria da Saúde, puxando as atribuições para seu comando na pasta. Entre as diretorias que AL quer fundir com a SES: a CPL, Jurídico, Financeiro e Infraestrutura. Ocorrendo isso, a FHS passa a ser apenas um RH de Almeida, que assumiu o comando da pasta por indicação do secretário Benedito Figueiredo (Governo) e com o compromisso de apoiar a eleição do seu filho Alexandre Figueiredo (PMDB) a  deputado federal em 2018.

 

CURTAS

Na próxima semana, o deputado Luciano Bispo fará discurso na Assembleia Legislativa apresentando os resultados dos dois anos da sua gestão como presidente.

A pedido de Luciano Bispo, o secretário Almeida Lima (Saúde) assegurou que comprará aparelhos novos de tomografia para o Huse. Os três que atendem aos pacientes do hospital estão quebrados e dois não tem mais condições de reparos. 

A casa do vereador Ita Anderson (PSD/Macambira) foi alvo de vários tiros na noite da última segunda-feira, por volta das 20h. Dias atrás tinha sido derrubado no portão da sua residência.

 

As ameaças ao vereador também vinha sendo feita pelas redes sociais, após ter sido responsabilizado pelo cancelamento da Festa dos Reis em Macambira, mediante questionamento de atos da administração municipal.

-------------------------------------------------------------------------

O líder do prefeito na Câmara, Antônio Bittencourt, espera que nessa legislatura que inicia hoje a Câmara deve se pautar com qualidade e respeito aos seus pares e a população. “A Câmara é um campo da diversidade e divergências políticas, mas devemos nos pautar no respeito a ética e dos seus pares. Certos episódios ocorridos não devem se repetir. Estou crente que teremos uma Câmara de alto nível, para que não haja a desqualificação dos vereadores e dos políticos. É preciso se pautar no respeito”, disse.