Edvaldo com folga na liderança

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Zé Franco segue candidato a prefeito de Nossa Senhora do Socorro, mesmo com registro de candidatura indeferida pela justiça eleitoral. Sua assessoria jurídica vai recorrer da decisão de primeira instância. Segundo a advogada Andréa Vilanova, ele está clas
Zé Franco segue candidato a prefeito de Nossa Senhora do Socorro, mesmo com registro de candidatura indeferida pela justiça eleitoral. Sua assessoria jurídica vai recorrer da decisão de primeira instância. Segundo a advogada Andréa Vilanova, ele está clas

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 14/09/2016 às 00:31:00

Zé Franco segue candidato a prefeito de Nossa Senhora do Socorro, mesmo com registro de candidatura indeferida pela justiça eleitoral. Sua assessoria jurídica vai recorrer da decisão de primeira instância. Segundo a advogada Andréa Vilanova, ele está classificado como apto e aguardará julgamento final da instância superior. "Respeitamos a decisão do juiz, mais nós iremos recorrer com a convicção que sairemos vitoriosos nesta eleição", disse a advogada.   

Edvaldo com folga na liderança

A pesquisa do Instituto Paraná para prefeito de Aracaju, divulgada ontem pela TV Atalaia, não teve nenhuma surpresa. Ela mostra o candidato Edvaldo Nogueira (PCdoB) crescendo e consolidado na liderança, com 36,3% das intenções de voto do eleitorado aracajuano, e o candidato Valadares Filho (PSB) se mantendo em segundo lugar com 20,8% e bem distante do terceiro colocado.
Ao permanecer em terceiro lugar nessa quinta pesquisa para prefeito de Aracaju, com apenas 10,3% das intenções de votos a 17 dias das eleições, o prefeito João Alves Filho (DEM) vai se confirmando como carta fora do baralho. Até porque continua sendo o candidato com maior rejeição: 55,5%.

O prefeito João Alves está amargando a péssima gestão que vem fazendo, o não cumprimento das promessas de campanha, o aumento exorbitante do IPTU e a criação de uma taxa de iluminação pública. Sem falar no fato de que não melhorou os problemas da saúde e de mobilidade urbana, e tem deixado a cidade esburacada, suja e com iluminação pública precária.
Nas cinco pesquisas para prefeito de Aracaju já realizadas, João Alves só apareceu em segundo lugar na do Ibope, que foi a primeira. Nas outras quatro, ele está sempre em terceiro lugar e bem atrás do segundo colocado.

Como a eleição em Aracaju tem sete candidatos a prefeito é quase certa a realização do segundo turno com Edvaldo e Valadares Filho. Isso porque Dr. Emerson (Rede), que subiu para a quarta colocação, está com 5,9%; Vera Lúcia (PSTU) com 4,6%; Sônia Meire (Psol) com 2,8% e João Tarantella (PMN) com 0,8%.  
A soma dos votos de Valadares Filho, João Alves, Dr. Emerson, Vera Lúcia, Sônia Meire e Tarantella chega a 45,2%, e como Edvaldo está com 36,3%, deve ter mesmo segundo turno em Aracaju, mesmo com a pesquisa mostrando uma margem de erro de 3,05% para mais ou para menos
Aí zera tudo. Será uma nova eleição estando na disputa Edvaldo Nogueira e Valadares Filho. Existe a possibilidade do eleitorado de João Alves, que é de centro direita, votar em VF. E do eleitorado dos candidatos nanicos, que é de centro esquerda, votar com EN.
O segundo turno, que será longo por ser de 28 dias, promete um grande embate político entre os ex-aliados... 

No segundo turno 1
Ao entrevistar 800 eleitores em Aracaju, entre os dias 08 e 12 de setembro, o Instituto Paraná simulou um segundo turno entre Edvaldo Nogueira (PCdoB) e Valadares Filho (PSB) e também um segundo turno entre Edvaldo e João Alves (DEM). O candidato comunista ganhou nas duas simulações, comprovando a preferência dos aracajuanos.

No segundo turno 2
Com Valadares Filho, Edvaldo Nogueira ganharia no segundo turno com 46,8%. VF teria 32,01% dos votos do eleitorado. Já com João Alves, Edvaldo ganharia no segundo turno com 56,3% dos votos. JAF teria apenas 18,5% dos votos.

Eleição para
vereador
O Instituto Paraná também questionou o eleitorado se já sabia em quem votar para vereador de Aracaju. Um total de 32,9% disse que já tinha o seu candidato e 46,3% afirmou que ainda não sabia.

Péssima avaliação
O Paraná também quis saber do eleitorado qual a avaliação dos governos federal, estadual e municipal. O governo Michel Temer tem uma aprovação de 20,9% e desaprovação de 63,9%; o de Jackson Barreto tem uma aprovação de 22,6% e desaprovação de 73,6%; e o de João Alves obteve uma aprovação de 20,9% e desaprovação de 75,3%.

Nova pesquisa
Até o final deste mês o Instituto Paraná realizará uma nova pesquisa para prefeito de Aracaju, a ser divulgada também pela TV Atalaia.  

Guerra fiscal
O governador Jackson Barreto (PMDB) participou ontem, em Brasília, de reunião da presidente recém empossada do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Cármen Lúcia, com os governadores para discutir a guerra fiscal entre estados. No encontro, a ministra afirmou que deseja realizar uma conciliação na guerra fiscal entre os estados, que almeja  "promover uma justiça restaurativa, para reduzir conflitos" e que quer promover uma força-tarefa junto aos judiciários e ministérios públicos estaduais para executar o imenso número de decisões relacionadas às dívidas ativas e que "somam R$ 2 trilhões".

Pacto federativo
Na reunião, cada um dos governadores teve oportunidade de falar, e o pedido comum entre todos, segundo os presentes, foi o de que o STF tenha papel ativo na discussão sobre mudanças no Pacto Federativo. Outro assunto abordado foi a segurança pública. Os governadores pedem que Cármen Lúcia atue, junto ao Executivo, pela liberação de recursos do Fundo Nacional de Penitenciárias, que estão contingenciados. A presidente do STF disse que pretende se encontrar com os governadores a cada 60 dias.

Pedido de vistas
Na sessão de ontem do pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o desembargador Osório de Araújo Ramos pediu vistas do processo de prestação de contas do candidato a governador em 2014, Eduardo Amorim (PSC), e o seu vice Augusto Franco Neto. Ele pediu vistas após o voto divergente apresentado pela juíza Gardênia Carmelo Prado, o que foi acompanhado pelos juízes Francisco Alves Júnior e Edson Ulisses de Melo. O relator do processo é o juiz Jorge Fraga.

Tchau, querido
Mesmo estando a 17 dias das eleições municipais o assunto mais comentado ontem nas rodas políticas e nas redes sociais foi a cassação do ex-poderoso presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e como votaram os oito deputados federais por Sergipe. O entendimento foi que ele teve um final melancólico, com apenas 10 deputados votando não a cassação.

Como votaram
os sergipanos
De Sergipe votaram pela cassação de Eduardo Cunha os deputados Fábio Mitidieri (PSD), Jony Marcos (PRB), Bosco Costa (PROS), João Daniel (PT) e Laércio Oliveira (SD). André Moura (PSC) se absteve de votar e os deputados Adelson Barreto (PR) e Fábio Reis (PMDB) não compareceram a sessão plenária.

Os dois ausentes
O deputado Adelson Barreto estava em Brasília na noite da votação da cassação de Cunha na Câmara. Já Fábio Reis se encontrava em Sergipe, por compromissos no estado.

Como votaria
Bosco Costa substitui o deputado federal Valadares Filho (PSB) na Câmara dos Deputados, que está de licença de 121 dias para interesse pessoal, sem remuneração. VF, que está em campanha para prefeito de Aracaju, revela que se estivesse na Câmara votaria pela cassação de Cunha e que o seu partido, inclusive, fechou questão nisso. "O Brasil não aceita mais conviver com escândalos de corrupção e com essa forma antiga de fazer política", ressalta.

Registro 1
Os 33 deputados do partido de Fábio Mitidieri, o PSD, que estavam no plenário anteontem à noite votaram pela cassação de Eduardo Cunha, assim como os 57 deputados do PT de João Daniel, os cinco do PROS de Bosco Costa e os 21 do PRB de Jony Marcos. Do SD de Laércio Oliveira, 12 deputados presentes à sessão votaram pela cassação e apenas um contrário. Já o PSC de André Moura votou rachado: dois deputados a favor, dois contra e uma abstenção, que foi a do próprio André.  

Registro 2
Dos 56 deputados do PMDB, o partido de Cunha, apenas três se abstiveram de votar - Alberto Filho/MA, Mauro Lopes/MG e Saraiva Felipe/MG - e somente um foi contra a sua cassação, o Carlos Marun/MS. Os outros 52 votaram "sim" a cassação do mandato e perda dos direitos políticos por oito anos.
Placar
surpreendente
Principal aliado de Cunha, o peemedebista Carlos Marun disse ontem que ficou surpreso com o placar tão desfavorável: 450 votos a favor, dez contra e nove abstenções. "Era esperada a cassação. Até por um placar elástico. Mas o resultado efetivamente foi surpreendente. É o que eu digo: se formou uma onda e essa onda estourou em cima da cabeça do deputado Eduardo Cunha. Jamais diria que haveria qualquer previsão ao número que resultou exposto no placar ao final da votação", afirmou.

Ponto de vista
Do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sobre a cassação do correligionário Cunha: "Quem planta vento colhe tempestade. É uma lei da natureza".

No Senado 1
A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado aprovou ontem uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC 36/2016) que cria a chamada cláusula de barreira para tentar reduzir a quantidade de partidos. O texto também estabelece a perda de mandato para os políticos eleitos que mudarem de legenda e acaba com as coligações nas eleições proporcionais. Segundo um dos autores da proposta, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), as novas regras vão diminuir o número de partidos políticos no Congresso.

No Senado 2
A CCJ do Senado também aprovou ontem projeto de lei da Câmara (PLC 39/2015) que criminaliza condutas praticadas contra cães e gatos. O relator, senador Alvaro Dias (PV-PR), apresentou parecer pela aprovação com seis emendas. A proposta será votada, em seguida, no Plenário do Senado.

Veja essa...
Do deputado estadual Capitão Samuel (PSL), nas redes sociais: "Cunha salva o Brasil de Dilma e do PT. O PT salva o Brasil de Cunha. Ambos quebraram o Brasil e prejudicaram a todos nós".

Curtas
O candidato a prefeito Jerônimo Reis (PMDB/Lagarto), que decidiu ser candidato recentemente no lugar do neto Jerônimo Reis Neto (PMDB), está animado com a sua candidatura. Avalia que a sua campanha ganhou força e ânimo.
 
Informações chegadas à coluna dão conta que o candidato recente a prefeito de Campo do Brito, o Marcell Souza (PSDB) - que substituiu Bel de Pio (PSD), que renunciou à candidatura - vem promovendo um derrame de dinheiro em sua campanha. Alguns setores da imprensa, inclusive, já noticiou isso.

Na agenda desta quarta-feira do candidato a prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) consta panfletagem, às 6h30, no cruzamento das Av. Rio de Janeiro e Nova Saneamento; às 9h, gravação de programa eleitoral; 17h, panfletagem no cruzamento da Av. Beira Mar e Francisco Porto; às 17h45, entrevista na Ilha FM; e às 18h30, uma mini carreata na Coroa do Meio.

Consta na agenda do candidato Valadares Filho (PSB) de hoje panfletagem, às 6h30, na Av. Maranhão; às 7h, entrevista no Programa A Hora da Verdade do Radialista George Magalhães; às 14h, entrevista para o Portal Na Política; às 16h30, panfletagem na Av. Pedro Valadares (Shopping Jardins); e às 18h30, mini carreata no Bairro Jabotiana e nos Conjuntos Sol Nascente e Santa Lúcia.

Na agenda de Dr. Emerson (Rede) de hoje consta panfletagem, às 6h,  no semáforo Av. Desembargador com Rua do Acre e na Av. Melício Machado - Tecarmo; das 08h30 às 10h,  reunião com os Conselhos de Saúde da Terceira Região na Associação de Moradores do Conj. Médici; às 17h, panfletagem no Bugio; e às 19h, reunião na Av. Centenário, no Bugio.