O efeito Machado

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 05/08/2016 às 02:31:00

O vice-prefeito José Carlos Machado (PSDB) sempre foi tido como fiel escudeiro, amigo e companheiro do prefeito João Alves Filho (DEM) há cerca de 40 anos. Sempre foi uma pessoa ponderada, mas que não deixa de falar o que pensa quando acha que alguma coisa passou do limite do bom senso.
Nesse período em que é vice-prefeito, Machado chegou publicamente a fazer pelo menos duas críticas à gestão municipal.  Criticou a lentidão na realização de obras e depois o transtorno sobre o envio dos carnês para cobrança do IPTU.
Em outubro do ano passado, ele concedeu entrevista à imprensa classificando como "lenta e preocupante" a obra de urbanização do calçadão da Praia Formosa, na 13 de Julho. Chegou a dizer que anda tão lenta quanto às obras desenvolvidas nos bairros da Zona de Expansão, Santa Maria, 17 de Março e Marivan.
Confessou que durante as visitas que tinha realizado ao longo do ano de 2015 a reclamação por parte da população era predominante. "Eu não aguento! Onde eu chego é reclamação sobre o andamento dessas obras. Há alguns meses me disseram que a prefeitura não tinha o controle porque era inverno, mas agora necessariamente nós temos o controle. Eu não sei, eu não tenho explicações para esses atrasos. Eu até busco, mas não tenho resposta e a população está certa em reclamar".
Em fevereiro deste ano Machado criticou o transtorno gerado pela própria prefeitura ao contribuinte do IPTU, que deixaram de receber o carnê em casa. Disse que o episódio prejudicou muito a administração e o contribuinte, e que não conseguia entender uma coisa dessas.
Essas declarações, verdadeiras, com certeza não agradaram à época os auxiliares do prefeito e, muito menos, o próprio João Alves.
Agora, às vésperas das convenções partidárias em que luta para se manter como vice, vazou um áudio de Machado que caiu como uma bomba em cima de uma provável candidatura de João Alves à reeleição. Foi a pior possível à repercussão das declarações dizendo que a equipe toda do prefeito não quer trabalhar, "só quer roubar" e que João está "cagando" para isso.
Essa declaração é muito grave e tem que virar caso de polícia. É o vice-prefeito afirmando que os auxiliares de João Alves só querem se locupletar e que o prefeito sabe disso, mas está se lixando para que seus auxiliares saqueiem os cofres da prefeitura.
O áudio foi a gota d´água no processo de reeleição do prefeito João Alves, que anunciou ontem à noite, na reunião com vereadores, que não será candidato.
João Alves sabe das dificuldades que teria na campanha eleitoral, pois nesse momento de crise política e moral que o país vive o povo não iai aceitar que um prefeito deixe seus auxiliares roubar e não se importe com isso, enquanto os menos favorecidos pela sorte sofrem com a falta de medicamentos em postos de saúde e UPAS, com problema de mobilidade urbana, ruas escuras e esburacadas.    
Não ter zelo com o dinheiro público é no mínimo uma negligência sem precedentes, uma falta de compromisso e responsabilidade administrativa...
Trocando em miúdos,  pesou na decisão de João Alves em não ser candidato às declarações de Machado. Elas se somaram a perda do bloco político liderado pelo senador Eduardo Amorim (PSC) e o deputado federal André Moura (PSC), que estão com Valadares Filho (PSB); a debandada de vereadores aliados para VF; as pesquisas não serem favoráveis; o desgaste político das promessas não cumpridas de campanha; e ainda não ter conseguido aprovar na Câmara projeto de lei autorizando o Executivo a pegar empréstimo bancário
Agora é aguardar até hoje à meia-noite, quando encerra o prazo para as convenções partidárias, pois até lá tudo pode acontecer..

 Sobral ainda não decidiu
O ex-pré-candidato a prefeito de Aracaju, Zezinho Sobral (PMDB), ainda não decidiu se aceita convite de Edvaldo Nogueira (PCdoB) para ser o coordenador-geral da campanha. A amigos tem confidenciado que a ferida já cicatrizou por ter sido retirado do pleito, mas ainda "dói".
Hoje tem muita gente questionando para onde irá Zezinho Sobral no governo, uma vez que deixou a Secretaria da Saúde há quatro meses para viabilizar sua candidatura a prefeito de Aracaju, saiu da disputa e ainda não foi encaixado no governo. Isso porque o peemedebista tem um histórico de "bom gestor".

A justificativa de Machado 1
Diante da ampla repercussão do áudio do vice-prefeito José Carlos Machado (PSDB), cujo conteúdo foi publicado ontem pela coluna e nas redes sociais, ele saiu com nota de esclarecimento. Diz a nota: "Fui surpreendido com a divulgação de um áudio onde claramente emerge a má fé de quem gravou um diálogo, e do qual pinçou e montou frase conforme seu interesse".

A justificativa de Machado 2
Prossegue: "A frase, no contexto de diálogo mantido há alguns dias, decorreu de um desabafo com pessoa da minha suposta confiança, que me provocara. Constato que a gravação, adredemente planejada, objetivou com toda clareza me atingir no momento mais decisivo do processo de escolha de candidaturas às eleições de outubro".

A justificativa de Machado 3
Destaca a nota: "Para se compreender o sentido da conversa, seria necessário ouvir todo o seu conteúdo. A parte retirada foi utilizada, repito, com má fé na intenção de comprometer minha história política, e o trabalho do prefeito João Alves Filho".

A justificativa de Machado 4
Conclui a nota: "Finalizo, ratificando que os termos por mim utilizados decorreram de um momento de exacerbação que não se coaduna com meu estilo de fazer política, tampouco com minha trajetória de vida".

Finalmente
O prefeito João Alves Filho (DEM) chegou ontem à tarde de viagem e se reuniu à noite, na sede do partido, com os vereadores da base aliada.  Marcou para as 19, mas somente chegou bem depois, pois se encontrava em outra reunião fora, às portas fechadas.

Frustração
Antes da reunião, todos aguardava que JAF anunciaria sua candidatura à reeleição, tendo Robson Viana (PEN) como vice e que a coligação seria com nove partidos: DEM, PSDB, PEN, PHS, PV, PPS, SD, PTdoB  e PTN. Já depois das 21h, quando chegou na sede do DEM com o secretário Igor, João Alves anunciou que não seria mais candidato alegando problemas de saúde e estresse. Disse que ia se preparar para tocar a vida. Chorou e foi consolado por alguns aliados.  

Sem candidato
João disse que não lançaria nenhum candidato. Até porque os que tinha convidado não aceitaram: Robson Viana (PEN), Juvêncio Oliveira (DEM), Renilson Félix (DEM) e Laércio Oliveira (SD).

Os órfãos
Os vereadores da sua base aliada devem retomar as conversas com os pré-candidatos Valadares Filho e Edvaldo Nogueira.   PSDB, PEN, PTN e SD vão ter nova conversa com VF. O DEM também deve fazer isso. Já o PTdoB deve voltar a conversar com Edvaldo. O PPS, que já tinha feito sua convenção e sairá sozinho na proporcional, deve lançar Zé da Jaluzi como candidato a prefeito.  

Convenção PSB 1
Enquanto existe clima de desespero na base aliada de João Alves,  o pré-candidato Valadares Filho (PSB) homologará hoje sua candidatura tendo o pastor e deputado estadual Antônio dos Santos (PCdoB) como vice. VF registrará candidatura com 13 partidos na coligação: PSB/PSC/PTB/PP/PR/PDT/PSDC/PMB/PTC/PSL/PPL/PROS/PRTB. Com a possível adesão de partidos da base de João Alves, esse número vai aumentar bem.

Convenção PSB 2
Antes da decisão de João Alves em não ser candidato, a coligação proporcional de Valadares Filho teria três chapas proporcionais:  PSB/PRTB/PTC/PMB/PR/PROS; PSC/PSL/PTB; e PDT/PSDC/PPL/PP. Essa composição pode mudar coma chegada de partidos de JAF.

Convenção PSB 3
Valadares Filho, antes de ir para a convenção do seu partido, às 17h, na sede do PSB, passará na convenção do PSC e aliados, às 15h30, na sede do partido os peixinhos.

Satisfação
Em conversa ontem com a coluna, Valadares Filho disse que estava muito animado com a coligação que conseguiu fazer ao lado do pastor Antônio dos Santos (PSC) e com a coligação com os vereadores. Disse que está muito entusiasmado com o programa de governo que vai debater durante a campanha eleitoral, com foco na renovação para Aracaju.

Convenção do PCdoB 1
O pré-candidato a prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) faz sua convenção hoje, às 17h, na sede do partido, quando homologará sua candidatura a prefeito tendo como vice Eliane Aquino (PT). Fechará coligação com seis partidos: PCdoB/PT/PMDB/PSD/PRB/PRB, podendo ter mais dois o PTdoB e o PTN.

Convenção do PCdoB 2
Na coligação de Edvaldo, antes da decisão final de João Alves, foram fechadas duas chapas proporcionais: PCdoB/PT/PSD/PRP e PMDB/PRB. Vai entrar agora a terceira com o PTdoB do vereador Valdir Santos e o PTN do ex-prefeito Sukita.

Já com Edvaldo
Logo após reunião no DEM, o vereador Valdir foi atrás de Edvaldo Nogueira em Nossa Senhora do Socorro, onde participava ao lado do governador Jackson Barreto da convenção do PCdoB, que homologou o nome de padre Inaldo a prefeito, tendo como vice o vereador Betinho (PMDB).  Vai se aliar ao candidato comunista.
Visita
Edvaldo Nogueira e Eliane Aquino vão visitar as convenções dos partidos aliados. Estarão às 11h30 na convenção do PSD; às 14h na convenção do PRB, às 15h na do PT, às 16h do PMDB e às 17h na convenção do PCdoB. O governador Jackson Barreto (PMDB) só irá para a convenção do PMDB e PCdoB.

Ponto de vista
De Edvaldo à coluna, sobre a decisão de João Alves em não ser mais candidato a reeleição: "Não faço política olhando adversários. Acho que com a saída dele a eleição pode ser decidida no primeiro turno".

Lagarto 1
O grupo Saramandaia, liderado por Jerônimo Reis (PMDB), passou a noite reunido para definição de candidaturas, que serão homologadas na convenção partidária marcada para as 9h desta sexta-feira, com a presença do governador Jackson Barreto (PMDB). Até o fechamento da coluna, não havia definição. Pode haver surpresas, como teve em Aracaju com a decisão de João Alves.    

Lagarto 2
Advogados do grupo Saramandaia garantem que dificilmente o deputado estadual Valmir Monteiro (PSC) será candidato, por estar inelegível. O comentário no município é que ele pode lançar o filho Rafael Valmir em seu lugar, mantendo como vice Hilda Ribeiro, que é a mulher do deputado estadual Gustinho Ribeiro (PRP).

Poço Verde
Chegou ontem à noite à coluna a informação de que pode haver uma reviravolta em Poço Verde com o prefeito Thiago Dória (PSB) desistindo de ir para a reeleição e sendo o vice de Igor Oliveira, que é filho do ex-prefeito Zé Everaldo.  Os dois grupos se uniriam para disputar com o candidato da terceira via, o Luis Américo, apoiado pelo presidente da Câmara, Pedro Rodrigues.

Curtas

Desolados,  após reunião com João Alves os vereadores do PSDB Jailton Santana, Adriano Taxista e Manuel Marcos se reuniram para conversar sobre o destino deles.  

Em Maruim, o prefeito Jeferson Santos (PMDB) homologa hoje na convenção do partido o seu nome como candidato a reeleição, tendo como vice Simão Lemos (PSB), que na eleição passada foi seu adversário na oposição.  

O adversário de Jeferson em Maruim será Luiz Alberto Rego (PV), que na convenção de hoje da legenda terá seu nome homologado como candidato a prefeito, tendo como vice Silvano Correira Lima (SD).

No município de Maruim, os partidos de Jackson Barreto e Valadares são aliados.

O vereador Emmanuel Nascimento (PT) defende a abertura de uma CPI na Câmara Municipal de Aracaju para investigar se estão roubando na prefeitura, mediante declarações do vice José Carlos Machado.

Do governador Jackson Barreto ao ser questionado ontem pela imprensa sobre as declarações de Machado: "Boa romaria faz quem em sua casa está em paz".