As adesões a Edvaldo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/07/2016 às 01:55:00

Desde que começaram as conversas sobre as eleições municipais em Aracaju o pré-candidato Edvaldo Nogueira (PCdoB) não tinha nem como certo o apoio do PT. Parecia um pouco isolado das discussões políticas, apesar de diálogos constantes com aliados da base política do governador Jackson Barreto (PMDB).
Ele era um dos três candidatos do bloco do governador, se delineando um cenário de que Zezinho Guimarães (PMDB) seria o candidato do governador tendo o PT como vice e a maioria dos partidos da base aliada. Valadares Filho (PSB) já tinha o apoio do PSD.
A sorte começou a favorecer Edvaldo com o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, em que o PMDB foi o articulador. Isso fez com que o PT em Sergipe se dividisse no apoio ao pré-candidato peemedebista e que a ex-primeira dama Eliane Aquino (PT) se recusasse a ser vice do PMDB, por não estar no mesmo palanque de um partido "golpista".
O governador, por não querer dividir ainda mais o seu agrupamento e buscar a maior unidade possível, retirou a pré-candidatura do PMDB e decidiu apoiar Edvaldo Nogueira. Com isso, Edvaldo passou a contar com o apoio do PT e PMDB.
Nesse meio tempo Valadares Filho conquistou, além do PSD, o PROS, PSL, PDT e PSDC.
Ao aceitar o apoio do bloco político liderado pelo senador Eduardo Amorim (PSC) e o deputado federal André Moura (PSC), Valadares Filho perdeu o apoio do PSD e PRB. O PSD porque o deputado federal Fábio Mitidieri já tinha declarado que não ficaria em uma mesma coligação que o PSC e Cia, por serem adversários do governo e ele ser um aliado de Jackson Barreto.
Já o PRB, do prefeito Heleno Silva e do deputado federal Jony Marcos, desistiu do apoio a Valadares Filho porque não passaria mais a indicar o vice, cuja indicação coube ao agrupamento de Eduardo e André.  
Com isso, após uma conversa com o governador, o PRB e PSD vão apoiar Edvaldo Nogueira. Assim como o PRP do deputado estadual Gustinho Ribeiro e PTN do ex-prefeito Sukita (Capela)
Na manhã desta sexta-feira, o PRB, PSD e PRP oficializam apoio a Edvaldo Nogueira. Será às 10h, no auditório do Sindicato dos Bancários. O PTN de Sukita vai oficializar apoio na próxima semana, provavelmente na segunda-feira.
Com o apoio desses quatro partidos, o pré-candidato do PCdoB passa a contar com o apoio de sete legendas. É uma coligação forte que vai carimbar o seu passaporte para o segundo turno junto com Valadares Filho, uma vez que o prefeito João Alves - com a debandada do PSC e Cia, além da maioria dos vereadores da sua base aliada na Câmara Municipal para a aliança com o pré-candidato do PSB - já é tido como carta fora do baralho.
Sem falar que dos dois candidatos a prefeito - Vera Lúcia (PSTU) e Emerson Ferreira (Rede) - e dos pré-candidatos - Valadares Filho e Edvaldo Nogueira - João Alves é o que tem a maior rejeição, por não vir fazendo uma boa administração como prefeito de Aracaju.

Correndo atrás
O prefeito João Alves Filho (DEM) viajou ontem à tarde a Brasília com o deputado estadual Robson Viana (PEN). Teriam um encontro com o presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia, e o senador Aécio Neves (PSDB) para tratar das eleições.

Com JB e com JAF
Robson Viana esteve almoçando com o governador Jackson Barreto (PMDB) anteontem. E ontem à tarde viajou, nas pressas, com João Alves cancelando os compromissos em Aracaju.

Na torcida
Informações chegadas à coluna dão conta que o governador é um incentivador da reeleição de João Alves não só para Edvaldo Nogueira (PCdoB) ter discurso de campanha de comparar sua administração com a do prefeito, como para ter a garantia do segundo turno. Por isso, não faz restrições a que o aliado Robson Viana venha a ser vice de JAF.
Insatisfação
Os vereadores que permanecem na base aliada de João Alves estão apreensivos com o fato de estarem a poucos dias do prazo final para as convenções partidárias e não terem uma definição, sequer, se ele vai disputar a reeleição. A queixa é que o prefeito não conversa com ninguém nem diz nada.

Adiado
O PEN, por exemplo, acabou transferindo a sua convenção partidária de hoje para o dia 05 de agosto. Não tinha como realizar a convenção nesta sexta-feira sem definição de candidato majoritário e coligação.

Reunião
João Alves retorna hoje à noite de Brasília e marcou para esse sábado uma reunião com os vereadores que ainda estão na sua base. Na quarta-feira ele esteve um pouco adoentado, conversando isoladamente com os vereadores Agamenon Sobral (PHS) e Ivaldo José (PRTB) em seu apartamento.
Com Machado
Os vereadores governistas, que estão angustiados sem saber se João Alves será ou não candidato a reeleição, têm conversado muito com o vice José Carlos Machado (DEM), que pouco sabe nessa altura do campeonato.

A ver navios
A vereadora Daniela Fortes (PEN) é uma das que está apreensiva e voltou a conversar ontem com Machado, até porque a convenção do seu partido seria hoje e não está sabendo de nada.  Revelou à coluna que sabe apenas o que o vereador Agamenon falou para ela: que esteve com o prefeito, que garantiu que disputará a reeleição tendo como aliado DEM, PSDB, PPS, SDD, PEN, PHS, PV.

Posição
De Daniela Fortes ao ser questionada pela coluna se pode apoiar a candidatura de Valadares Filho, em razão do seu pai, o ex-deputado Daniel Fortes, ter chances de assumir a Assembleia Legislativa com a vitória de VF e dois deputados que são candidatos a prefeito na coligação: "Não vou misturar as coisas. Sou fiel ao grupo e ao partido".  

Neutra
Da vereadora do PEN ao ser questionada qual o nome que defende para vice de João Alves, no caso dele ser candidato - se José Carlos Machado ou Robson Viana: "Não me coloque em uma situação difícil. Robson é um bom nome, pode ser um caminho. Machado é fiel, tem uma história de luta com João Alves".

Apoio
O PSD e o PRB em Nossa Senhora do Socorro caminham para apoiar o padre Inaldo (PCdoB), que terá como vice o vereador Betinho (PMDB). A presidente da Câmara, Maria da Taiçoca (PSD), inclusive, deve apoiar o padre por ter sido preterida a ser candidata a vice na chapa do candidato do prefeito Fábio Henrique (PDT), que hoje é Zé Franco tendo Klewerton Siqueira (PDT) como vice.

Na mídia nacional 1
Deu no Estado de S. Paulo e o Uol publicou ontem que o deputado federal André Moura (PSC-SE) pode perder o cargo de líder do governo na Câmara na volta do recesso parlamentar. Diz que partidos da base aliada começam a questionar a sua legitimidade e preveem que a inexperiência e a relação próxima com Eduardo Cunha (PMDB-RJ) vão comprometer sua permanência na função.

Na mídia nacional 2
Segundo a matéria, logo após a eleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para presidência da Câmara, PSB e PR iniciaram uma mobilização para a substituição do líder. Entre as alegações estão o fato de Moura ser filiado a um partido pequeno (o PSC tem oito deputados), não inspirar confiança na "tropa" e ter para sempre o espectro de Cunha sobre ele.

Na mídia nacional 3
Também pesa contra Moura a atuação na votação do regime de urgência do projeto da renegociação da dívida dos Estados com a União. Na primeira votação, o governo teve apenas 253 votos quando precisava de mais quatro para aprovar o requerimento de urgência para votação da proposta. Moura e o presidente da sessão, o deputado Fernando Giacobo (PR-PR), foram acusados de encerrar a votação da renegociação da dívida antes da hora, quando deputados ainda se deslocavam para votar e, assim, colaborar para derrotar o governo.

Na mídia nacional 4
Além de PR e PSB, uma ala do PMDB defende a mudança. O incômodo da bancada peemedebista com Moura vem desde quando o Centrão colocou e divulgou, sem consulta prévia, o nome de parlamentares da sigla na lista de cerca de 300 apoiadores da indicação do deputado do PSC a Temer.

Na mídia nacional 5
André Moura disse desconhecer a articulação de bastidores de deputados desses partidos para derrubá-lo da liderança do governo. "Não ouvi nem tenho preocupação. Se existir, são atos de alguns que não aceitam, e não é de agora, a minha escolha", afirmou o líder, sem citar nomes.

 Na mídia nacional 6
Destacou que o presidente em exercício Michel Temer sinalizou que está satisfeito com o seu trabalho e que, por isso, não se preocupa com pressões. Interlocutores de Temer reconhecem que tem crescido a pressão, mas ponderam que o presidente em exercício tende a se afastar das negociações. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Contas
Depois do secretário de Estado da Fazenda, Jeferson Passos, ter se reunido na quarta-feira com o presidente do Tribunal de Contas, Clóvis Barbosa, para mostrar que a arrecadação do Estado continua caindo, em função da queda nos repasses do FPE, ontem foi a vez do governador Jackson Barreto (PMDB) discutir com Clóvis as finanças do estado. Por conta dessa diminuição da arrecadação, somente hoje é que o executivo fará o repasse do duodécimo dos poderes, previsto constitucionalmente para o dia 20 de cada mês.Veja essa...
O governador Jackson Barreto almoçou ontem com o prefeito Fábio Henrique (PDT/Nossa Senhora do Socorro). No cardápio o apoio do PDT a pré-candidatura de Valadares Filho (PSB), assim como a sucessão municipal em Socorro e São Cristóvão. Um aliado muito próximo de JB não descarta a possibilidade de Fábio recuar do apoio a VF em Aracaju.

Curtas
Por 5 x 1, o pleno do TRE cassou ontem o mandato do deputado estadual afastado Augusto Bezerra (DEM) por conta do destino irregular das verbas de subvenções da Assembleia. Assume a sua vaga o suplente Adelson Barreto Filho (PR), que é vereador em Aracaju e não vai para a reeleição.

Os pré-candidatos a prefeito de Socorro, Jony Marcos (PRB) e Zé Franco (PSDB) conversaram ontem de manhã. Não houve acordo político. Jony vai retirar sua pré-candidatura e levar o PRB a apoiar o Padre Inaldo.  

Em Frei Paulo, um grupo que faz oposição ao prefeito José Arinaldo Filho (DEM) marcou a sua convenção para o dia 05 de agosto a partir das 16h, na Praça São Paulo. Ficou definido que a chapa majoritária será Anderson de Zé das Canas como prefeito e Mércia Dantas como vice.

Já o grupo de José Arinaldo tem neste momento como pré-candidato a prefeito o jovem Gabriel Lima, seu sobrinho. E por enquanto em aberto a vaga de vice. A convenção também está marcada para o dia 05.

Na próxima sexta-feira, 05, haverá a convenção do PSD em Santa Rosa de Lima para homologação dos pré-candidatos a prefeito e vice, Júnior Macarrão e Diogo respectivamente.

Franco está tranquilo
Em conversa ontem com a coluna, o ex-prefeito Zé Franco (PSDB) assegurou que é pré-candidato a prefeito de Nossa Senhora do Socorro. "Todos têm o direito de ser candidato, quem tiver mais voto que vença. É sonho, loucura alguém dizer que não serei candidato. Não tenho problema e lamento que as pessoas se preocupem com a minha vida. Quem tem de se preocupar com a minha vida sou eu".
Declarou ainda Zé Franco: "Estou tranquilo, minha pressão está 12 x 8. Sou humilde, não sei por que as pessoas se preocupam comigo, dizem coisas irreais. Só ganha eleição quem tem voto e para ganhar tem de disputar. Conheço Nossa Senhora do Perpetuo Socorro de ponta a ponta, todos os 157 km2. Talvez se perguntar a determinadas pessoas elas não conheçam. Sou homem de somação".