Provável debandada do PSB

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 30/03/2016 às 09:35:00

A base aliada do governador Jackson Barreto (PMDB) tem hoje três pré-candidatos a prefeito: Valadares Filho (PSB), Edvaldo Nogueira (PCdoB) e Zezinho Sobral (PMDB). Em conversa recente com a coluna JB disse que defendia que o seu agrupamento tivesse apenas dois candidatos, que ele teria que ser aliado do governo federal e que somente em maio decidiria o nome que vai apoiar.
A definição de que o secretário Zezinho Sobral se desincompatibilizará hoje do cargo de secretário da Saúde para viabilizar sua pré-candidatura e o sentimento de que Zezinho ou Edvaldo Nogueira deve ser o candidato do governador, tendo com vice a ex-primeira dama do Estado Eliane Aquino (PT), deixou os dirigentes do PSB com a "barba de molho".
A grande chance de não ter o apoio do governador acendeu a luz amarela no PSB, que começou a pensar de forma legítima em novos aliados. Hoje o partido conta apenas com o apoio oficializado do PSD do deputado federal Fábio Mitidieri, mas conversa com PRB, PDT, entre outras legendas.   
Somado a isso, tem o problema nacional do impeachment da presidente Dilma Rousseff em que o PSB deve votar favorável a saída da presidente do Palácio do Planalto, quando o governador Jackson Barreto é contra. Sem falar no fato de que não foi superado o desentendimento político entre JB e Valadares desde a eleição de 2014, quando no segundo turno o senador apoiou o candidato tucano Aécio Neves e não a reeleição de Dilma.
Esse cenário político adverso pode levar o PSB a querer sair logo do governo. O primeiro indício foi dado com a entrevista de Valadares Filho, que é presidente estadual do PSB, aos radialistas Jailton Santana e Magna Santana, na última segunda-feira.
Ele descartou a possibilidade de ter Eliane Aquino como sua vice, por ser do PT. Deixou claro que não era nada pessoal, que tinha por ela um carinho especial, que Marcelo Déda sempre foi correto com eles, mas que não tinha como consolidar uma aliança PSB/PT por serem os dois partidos adversários a nível nacional.
Já ontem o senador Valadares saiu com nota criticando o tratamento dispensado pelo governo Jackson Barreto com relação ao Hospital de Simão Dias. Diz a nota que reiterava seu inconformismo com a inaceitável e descabida crise no hospital, que se  agrava e se acentua a cada dia pelo atraso dos repasses financeiros que o Estado é obrigado a fazer por força de contrato.
Ainda na nota, o senador afirmou "não será com o nosso silêncio, para encobrir falhas do governo que estaremos ajudando a este povo generoso que confiou em todos nós durante as eleições".
A coluna chegou a divulgar ontem, mediante informações recebidas, que realmente deve estar próximo o desembarque do PSB do governo Jackson Barreto, que houve conversa com o senador Eduardo Amorim (PSC) e o deputado federal André Moura (PSC), que em um eventual governo de Michel Temer, mediante impeachment da presidente Dilma, o senador Valadares pode até se tornar ministro para ter força política para enfrentar o governador em Sergipe. Isso porque o entendimento político não seria somente sobre 2016, mas 2018.
Agora é aguardar, pois, com certeza, tem muita água para rolar por debaixo da ponte nos próximos dias... 

Novo encontro
O governador Jackson Barreto (PMDB) e o deputado federal Valadares Filho (PSB) conversaram ontem em Brasília. A conversa, que aconteceu no escritório da representação de Sergipe, foi "longa e amigável", segundo informou à coluna o parlamentar.

Satisfeito
De acordo com Valadares Filho a conversa também foi boa. "Tratamos da política nacional, local e as eleições em Aracaju. Fiquei satisfeito e acho que o governador também", disse, deixando claro que não poderia falar mais nada.

Rompimento
De Valadares Filho ao ser questionado se o PSB vai romper com o governo, como informaram à coluna: "O partido não está debatendo nem discutindo este assunto. Não é pauta do PSB".

Nega
O pré-candidato a prefeito do PSB não admite que teve com o senador Eduardo Amorim (PSC) qualquer conversa sobre as eleições em Aracaju. Disse que sempre o vê no Congresso Nacional ou nos aeroportos, mas não trataram da sucessão municipal.
Normal
Do deputado ao ser questionado se a exclusão do nome de Eliane Aquino para ser sua vice e a nota de Valadares criticando o governo por conta do Hospital de Simão Dias não era o indício de rompimento: "Eliane é minha amiga pessoal, uma pessoa que quero bem e me ajudou na campanha. A única dificuldade é de aliança com o PT, pela conjuntura nacional em que PT e PSB são adversários. Quanto à nota do senador ela foi para explicar a grande repercussão por conta de uma entrevista que concedeu na segunda. Foi uma cobrança natural de um senador que sempre fez política na sua terra natal, uma cobrança legítima de um aliado nascido em Simão Dias para outro aliado".

Cultura
Do deputado federal ao ser questionado se o PSB indicará o nome daquele que vai suceder Elber Batalha na Secretaria de Cultura, uma vez que ele se desincompatibiliza do cargo na próxima sexta-feira para se candidatar a um mandato de vereador de Aracaju: "O partido ainda não discutiu esse assunto com o governador".
Bastidores
À coluna chegou a informação de que na conversa que teve com Jackson Barreto o deputado Valadares Filho teria negado uma conversa com o senador Eduardo Amorim, mas não negou que pode vir a conversar mais na frente. O parlamentar disse a JB que na Câmara votará a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Em protesto
Os três delegados de Sergipe - Jackson Barreto, Fábio Reis e João Augusto Gama - não participaram ontem da reunião do Diretório Nacional do PMDB que, por aclamação, aprovaria a debandada do partido do governo Dilma Rousseff. Não participaram por entender que a oficialização da saída do PMDB do governo tinha que ser através da discussão e do voto, mas não por aclamação em um tempo menor que 5min.

The flash
Dr. Agnaldo Feitosa (PR) reassume amanhã a Câmara Municipal de Vereadores após passar apenas 18 dias como secretário Municipal de Saúde. Na sessão plenária de hoje deve ser lido o decreto do seu retorno às atividades parlamentares, o que levará para a condição de primeiro suplente o Sargento Vieira (PDT) que fez a opção de ir para a reserva militar para assumir o mandato parlamentar.

Insatisfeito 1
À coluna chegou a informação que o prefeito João Alves Filho (DEM) não gostou da decisão de Agnaldo em deixar o comando da saúde para retornar à Câmara, pelo grande desgaste político que terá com a saída da pasta do seu sexto secretário em apenas três anos e três meses de mandato. Principalmente pelo fato dele ter justificado, inicialmente para a imprensa, que voltava para a Câmara pela dificuldade de autonomia financeira e remanejamento de pessoal.

Insatisfeito 2
Ainda segundo a fonte, a chateação do prefeito foi tanta que ele acabou não recebendo o aliado na última segunda-feira, no início da noite, para uma conversa sobre a sua saída e já no final da noite oficializou o nome do diretor administrativo financeiro da Secretaria Municipal da Saúde, Antônio José Saraiva de Almeida, como o sétimo secretário da pasta. Sem ser recebido por JAF, o vereador acabou entregando a carta-renúncia à secretária municipal de Governo, Marlene Calumby.

Recuo
Por conta disso, o ex-secretário municipal de Saúde já mudou ontem o tom do discurso nas várias entrevistas que concedeu à imprensa. Disse que o problema era a falta de recursos para gerir a pasta, que aliados e a população estavam pedindo para que retornasse à Câmara, que como médico deseja voltar a atender a população, que poderia voltar atrás e disputar a reeleição e, por fim, pediu desculpas ao prefeito pelo desgaste e àqueles que acreditaram que poderia fazer um bom trabalho na saúde do município.

Despedida
Sargento Vieira (PDT), que passou apenas 14 dias como vereador, fez ontem discurso de despedida na tribuna da Câmara. "Agradeço a oportunidade de ter ocupado o cargo de vereador substituindo Dr. Agnaldo enquanto esteve à frente da Secretaria Municipal de Saúde. Entrei e saio hoje (ontem) da Câmara de cabeça erguida. Nesse pouco tempo que passei aqui aprendi a respeitar cada um dos senhores".

Subvenção 1
A Procuradoria Regional Eleitoral (PRE/SE) recorreu junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SE) que julgou improcedente o pedido de inelegibilidade e pagamento de multa contra os ex-deputados estaduais Antônio Passos, José Franco, Angélica Guimarães e Susana Azevedo, no caso dos desvios de recursos das subvenções da Assembleia Legislativa por entender que não foram candidatos à reeleição. Para a PRE, a vultosa soma distribuída aleatoriamente por decisão unilateral dos representados, durante ano eleitoral, é irrelevante que tenham ou não sido candidatos.

Subvenção 2
A PRE também recorreu ao TSE contra decisão do TRE que julgou parcialmente improcedente o pedido de inelegibilidade apresentado contra os deputados estaduais Gilson Andrade (PTC), Maria Mendonça (PP) e Luiz Mitidieri (PSD), no escândalo das subvenções. O recurso pede a cassação dos diplomas desses parlamentares e o aumento da multa aplicada para o seu valor máximo de R$ 106.410.

Veja essa...
Não será surpresa se da bancada federal de Sergipe apenas o deputado federal João Daniel (PT) votar na Câmara contra o impeachment da presidente Dilma, por razões óbvias. 

Curtas
Já de volta a Sergipe ontem à noite, o governador participará hoje da solenidade de transmissão do cargo de secretário da Saúde de Zezinho Sobral para a superintendente do Samu, Conceição Mendonça. O ato será às 10h30, no Palácio de Despachos.

Como a coluna já divulgou, o deputado estadual Zezinho Guimarães (PMDB) deve mesmo assumir o comando da Secretária de Desenvolvimento Econômico para que a suplente Conceição Vieira (PT) assuma mandato na Assembleia.

O Governo do Estado pagará nessa quinta-feira, 31, o salário de março dos servidores da Secretaria da Educação, até o dia 05 de abril os servidores celetistas de empresas e dia 11 os demais funcionários públicos.

O deputado estadual Georgeo Passos (PTC) demonstrou ontem preocupação com a implantação do Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos - PCCV - dos servidores públicos estaduais, prometido pelo governo para o primeiro semestre deste ano.  

Isso porque na ida do secretário Jeferson Passos (Fazenda) ontem à Assembleia Legislativa para prestar contas do último quadrimestre, ele não deu garantia da implantação do PCCV em maio por conta da queda da receita em mais de 12%.

O vereador Jailton Santana destacou ontem, no pequeno expediente da Câmara, as mudanças provocadas pelo início da utilização das faixas exclusivas do transporte coletivo em algumas avenidas da capital. Para ele, outros transportes de massa devem ter acesso às vias, a fim de melhorar a mobilidade do trânsito.